Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

XXII Corrida Tv/Norte Póvoa de Varzim 20/07/2018 - Entre gritos à Liberdade… e o abuso que dela fazem

23.07.18 | António Lúcio / Barreira de Sombra

JANDRADE (1).jpgViver em Democracia significa poderem pouco mais de vinte atentarem contra o Direito de mais de cinco mil? Os ditos ‘defensores dos animais’, agora acoberto de um partido político que, convenhamos, mais não é que o braço armado de um conjunto de interesses comerciais, gente que tem do viver em sociedade aquele eloquente principio de ‘mártir-iluminado’, por covardia de uns tantos, ou melhor da grande maioria, se é que os senhores deputados na Assembleia da República efectivamente representam a vontade de todos os portugueses, só porque não gostam da Festa dos Toiros, sentem-se no direito de perturbar todos os outros cidadãos que não os incomodando, e consentindo a sua ‘alternativa’, têm gostos diferentes.

 
E fazem-no, por covardia da maioria, e com a cobertura e protecção das forças policiais, paga com o dinheiro dessa mesma maioria. Nem no Uganda, esta perversão de regras de vivência em sociedade isto acontece. Mas acontece em Portugal. Aconteceu na noite da passada sexta-feira, com direito a transmissão em directo pelo canal principal da Rádio Televisão Portuguesa. Segundo os números publicamente divulgados, mais de meio milhão de telespectadores testemunharam a forma como na cidade da Póvoa de Varzim, terra de gente  hospitaleira, nobre e simpática, foi incomodado, insultado, quando se dispôs, e pagou, para assistir a um espectáculo de tauromaquia, legal e devidamente autorizado, presidido por um representante do Ministério da Cultura, que obrigatoriamente tinha a seu lado um representante da autoridade policial indicada. Mais de cinco mil, foram perturbados com insultos, injúrias, insolências, ofensas públicas, numa demonstração de barbárie social de terra-sem-lei.
 
Os gritos de ódio, que através de uma aparelhagem sonora, os ditos ‘amigos dos animais’, despejaram sobre os espectadores, e foram vistos e transmitidos em directo pela RTP, ficam como marca e testemunho impagável de tempo vivido na Póvoa de Varzim, mas também, de como neste país à beira mar especado, onde o uso da Liberdade,
por falta de autoridade e sensatez, consente abusos. E como os abusos numa sociedade não podem, nem devem ser tolerados, ou as autoridades cumprem a sua função, ou aberto está o caminho para que se encham páginas de jornais com ‘piedosas’ manifestações de ‘sentido ardor’, e os tribunais de incontáveis processos de ‘vitimas’ de mau uso da liberdade. Se uns tantos têm o direito de incomodar, os incomodados, que são a maioria dos que vão às praças de toiros, se as entidades e autoridades instituídas, não respeitam, têm o direito de se fazer respeitar.
 
A Lei, quando existe, em Democracia, é para ser respeitada por TODOS. E quem dela discordar, tem as eleições para mudar de sentido. E já agora, o ÓDIO é crime… também para as minorias iluminadas. O ‘bem-estar’ animal, não é
confinando-os a uns metros quadrados, dando-lhes uns tantos clamantes, sedativos ou, conter a sua liberdade de ladrar com coleiras que dão choques e outros impulsos dolorosos. Assim como não será muito ‘católico’ e ‘amigo’, frustra lhes a normal vida sexual, capando-os.
 
Mas, se dúvidas existissem, e quem as tiver, por nunca pode ser um autarca poveiro, sobre a existência
de um grande leque de aficionados na Póvoa de Varzim, e a Norte do Mondego em especial, os mais
de cinco mil lugares ocupados na Praça de Touros da cidade da Póvoa de Varzim, na noite de sexta-
feira, com transmissão televisiva em directo, garantida, tem de reconhecer que será de bom tom, ter
cuidado quando fala do tema, invocando motivações de número de espectadores.
 
Os que estiveram na Praça de Touros da Póvoa de Varzim, gritando por LIBERDADE, pelo Direito de poderem Gostar da Festa dos Toiros, mais de cinco mil aficionados presentes, num share televisivo de mais de meio milhão, batendo todos os números até então atingidos pelo canal 1 da RTP, fazem da noite de 20 de Julho do ano da graça de 2018, na Praça de Touros da Póvoa de Varzim, mais uma noite de história na tauromaquia nacional.
 
José Andrade