Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

SANTARÉM - CORRIDA MAIOR: FRANCISCO PALHA ARRANCA COM TRIUNFO SONANTE

17.03.19 | António Lúcio / Barreira de Sombra

Praça de Toiros “Celestino Graça” – Monumental de Santarém- 17/03/19

Director: Marco Cardoso – Veterinário: José Luís Cruz – Lotação: 80%

Cavaleiros: João Moura, António Ribeiro Telles, Francisco Palha

Forcados: Amadores de Santarém e de Vila Franca

Ganadarias: Cunhal Patrício, Veiga Teixeira (4º)

2 sanatrém.JPGCORRIDA MAIOR: FRANCISCO PALHA ARRANCA COM TRIUNFO SONANTE

A aposta foi ganha e a “Praça Maior” foi palco de uma “Corrida Maior” com uma excelente presença de público e um triunfo sonante de Francisco Palha, com uma tarde para recordar, seguido por outra prestação maior de António Telles e uma agradável presença de João Moura. Mais de ¾ de lotação preenchida numa praça que pode congregar mais de 11 mil espectadores e que nesta tarde era composta por muitos aficionados, gente de toiros e cavalos e que quiseram, também eles, participar deste êxito “Maior” em Santarém. Um bom cartel, preços baratos e muito trabalho de promoção deram os primeiros frutos. Mas, atenção, há que continuar a trabalhar com denodo para que o sucesso se mantenha.

 

Abriu praça João Moura com um toiro que teve alguma qualidade e que permitiu que o cavaleiro de Monforte, a espaços, se pudesse luzir, em especial em dois ferros curtos de boa nota. Em segundo lugar lidou um Veiga Teixeira feio de cornamenta e de novo luziu-se em dois ferros curtos, procurando dar vantagens mas nem sempre com o toiro a colaborar. Deu volta em ambos os toiros.

 

António Ribeiro Telles voltou a impor-se com a classe e mestria que lhe são reconhecidas. Deu a volta por completo ao manso segundo da tarde. Bregou bem e deixou bons ferros curtos entrando bem de frente e vencendo o pitón de saída com habilidade e classe. Ferros que tiveram impacto e motivaram fortes ovações. No quinto da ordem, outra grande actuação do cavaleiro da Torrinha e, quiçá, o momento da corrida, o de maior pureza na execução, o terceiro curto que foi magistral. Olé António Telles.

 

Cheio de “sangue na guelra”, com uma enorme disposição para o triunfo. Francisco Palha realizou uma grande sorte de gaiola ao terceiro da tarde e outra ao que encerrou praça, mostrando que não estava ali por acaso. A forma como abordou ambas as lides, entrando por vezes em terrenos proibitivos, onde os toiros podem colher, e como deixou a maioria dos ferros curtos, encontrando toiro em todos os terrenos e com cravagens ajustadas, fizeram o público levantar-se das bancadas e aplaudir com força. Duas grandes actuações a reivindicar e a justificar o título de triunfador desta corrida.

 

As prestações dos dois Grupos de Forcados ficaram aquém das expectativas mas os toiros também não deram facilidades. Por Santarém Fernando Montóia lesionou-se na única tentativa que efectuou sendo dobrado por Ruben Giovetti que consumou a emenda á primeira. António Taurino consumou rija cara ao segundo intento e Francisco Graciosa encerrou a prestação dos scalabitanos à primeira. Por Vila Franca Vasco Pereira consumou à segunda, Rui Godinho muito bem à primeira e Francisco Faria à terceira no que encerrou praça.

 

Os toiros de Cunhal Patrício serviram bem à excepção do segundo que foi manso e com destaque para o bom quinto da ordem, aplaudido na recolha e com volta para o ganadeiro na companhia de António Telles. O de Veiga Teixeira foi mansote e era feio de cornamenta.

 

A direcção de corrida esteve a cargo de Marco Cardoso (estreia) e José Luís Cruz.

Texto e foto: António Lúcio