Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

RUI SALVADOR ASSINA GRANDE TRIUNFO EM ARRUDA

BOA TARDE DE TOIROS POR OCASIÃO DAS FESTAS DE SANTO ANTÓNIO

13.06.21 | António Lúcio / Barreira de Sombra

1 - cortesias.JPG

Praça de Toiros de Arruda dos Vinhos – 13/06/2021 – Corrida de Toiros

Director: Ana Pimenta – Veterinário: José M. Lourenço

Cavaleiros: Rui Salvador, Ana Batista, Parreirita Cigano, Mara Pimenta, Joaquim Brito Paes, António Telles (filho)

Forcados Amadores de Azambuja, Alenquer, Arruda dos Vinhos

Ganadaria: Vale Sorraia

RUI SALVADOR ASSINA GRANDE TRIUNFO EM ARRUDA. BOA TARDE DE TOIROS POR OCASIÃO DAS FESTAS DE SANTO ANTÓNIO

De Tomar veio Rui Salvador para assinar a exibição mais completa e arrebatadora da tarde em Arruda dos Vinhos. Se as coisas não correram de feição no único comprido em que sofreu forte toque, voltou á arena montado num extraordinário cavalo ruço que parecia uma muleta na lide a um toiro que acabou por se entregar ao poderio da lide de Salvador. Lidou com classe, sempre muito ligado com o toiro, recortando-se em curto para o deixar colocado para a ferragem que foi de muito mérito, dois deles em sortes a sesgo e rematadas para a direita e em espaço muito apertado, valendo-lhe fortes aplausos do público. Um justo triunfo para um toureiro de casta.

Ana Batista também assinou uma boa prestação frente a um toiro que teve qualidade e ao qual soube dar a lide que o toiro requeria. Lidou bem, deixou-se ver nos cites e rematou como mandam as regras, com classe e suavidade, em cinco curtos de muito bom nível e que o público soube premiar. E onde há classe… há tudo o resto.

Para lidar o terceiro saiu à arena Parreirita Cigano. Um toiro que não ajudava, mansote e a descair para tábuas, mas que o cavaleiro do Cartaxo soube lidar, em especial na série de curtos. O primeiro e o último dos curtos foram de muito boa nota, neste a pisar muito os terrenos do toiro. Tem que dar mais importância aos compridos.

Mara Pimenta trouxe a sua frescura e jovialidade e deu um bom passo a caminho da alternativa, mostrando soluções e cravando bem os ferros, nomeadamente a série de curtos, onde houve bom toureio e boas cravagens, para rematar bem com um  palmito e tendo dado a volta a um mansote que cedo procurou o refúgio de tábuas.

Joaquim Brito Paes voltou a mostrar a sua boa equitação e sentido de lide frente a um toiro que fez alguns estranhos de início no capote mas que, com a lide, foi permitindo alguns bons ferros com destaque para terceiro e quinto, numa actuação  muito positiva.

Em último lugar actuou António Telles (Filho) que teve por diante o menos colaborador dos seis toiros lidados e que pertenciam à ganadaria de Vale Sorraia. Teve de se empenhar para deixar a ferragem da ordem, pouco certeira num dos compridos mas a melhorar na série de curtos. O seu bom conceito de toureio ficou patente.

Três Grupos de Forcados saltaram à arena para pegar os “Vale Sorraia”: Azambuja, Alenquer e Arruda dos Vinhos, os quais disputaram o troféu Junta de Freguesia de Arruda para a melhor pega e que foi atribuída às 5ª e 6ª pegas. Assim, os Forcados Amadores de Azambuja mandaram para a cara do primeiro da tarde o forcado Fábio Tomás que apenas à 4ª tentativa consumou e no seu segundo toiro foi para a cara Diogo Nunes que se lesionou na única tentativa que efectuou, sendo dobrado por Fábio Nunes que só à 3ª e a sesgo conseguiu consumar. Pelos Amadores de Alenquer e no segundo toiro da tarde foi para a cara Diogo Francisco que se fechou á primeira e no quinto da ordem o forcado Pedro Lourenço numa boa consumação à 1ª tentativa. Finalmente e pelos Amadores de Arruda, Pedro Belbute fechou-se com decisão ao primeiro intento no terceiro da tarde e Hélder Silva noutra boa consumação ao primeiro intento no que encerrou praça.

Na direcção da corrida esteve Ana Pimenta assessorada pelo veterinário José Manuel Lourenço, registando-se uma excelente moldura humana.

Texto: António Lúcio

Foto: Susana L.Oliveira