Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

ProToiro acusa Bloco de insistir em projectos de lei já chumbados na AR

14.06.18 | António Lúcio / Barreira de Sombra

Entidade representante das touradas alega que projectos são anti-democráticos e anti-culturais, além de se basearem em informações falsas.

 

“Estes projectos já são "requentados", foram repetidamente e esmagadoramente chumbados no Parlamento e fazem parte da rotina anti-democrática e anti-cultural do Bloco de Esquerda”, denuncia a ProToiro, em reacção aos dois projectos de lei apresentadas, há dias, pelo Bloco de Esquerda. Este partido pretende que as touradas não possam receber apoios públicos e a transmissão televisiva das mesmas seja acompanhada de bolinha vermelha no canto do ecrã.

 

O primeiro projecto “é uma cópia de um projecto similar de 2015 estando manifestamente desactualizado e com informações falsas”, alega Hélder Milheiro, da ProToiro, referindo-se ao projecto-de-lei nº 893/XIII/3ª alteração à Lei Nº 27/2007, de 30 de Julho, designando espectáculos tauromáquicos como susceptíveis de influírem negativamente na formação da personalidade de crianças e adolescentes.

 

“É de lamentar que um partido seja tão irresponsável ao ponto de espalhar preconceitos e mentiras sobre a tauromaquia e os seus impactos, visto que não existe nenhum fundamento científico para afirmar que a tauromaquia pode ser negativa para as crianças, antes pelo contrário. Os portugueses vêem touradas ao vivo, há séculos, e na televisão, há mais de 50 anos, e são perfeitamente saudáveis”, sublinha Helder Milheiro.

 

“O que guia o BE é o preconceito”, acrescenta a ProToiro, até porque a Comissão Nacional de Proteção de Menores já se pronunciou sobre estes temas no Parlamento e não subscreve as teses do BE por manifesta ausência de fundamento. Aliás, o projecto do BE cita um estudo feito pelo Protector do Menor de Madrid com centenas de crianças, mas curiosamente, ou não, este partido não refere a conclusão desse estudo, segundo a qual não existe nenhum fundamento científico para se afirmar que a tauromaquia tem efeitos negativos na formação da personalidade de crianças e jovens. “O mesmo confirmou inúmeras vezes a Entidade Reguladora para a Comunicação Social em inúmeros pareceres, o último dos quais entregues no Parlamento, em 2016”, sublinha Helder Milheiro.

 

Relativamente ao projecto de lei Nº 892/XIII/3ª que impede o apoio institucional à realização de espectáculos que inflijam sofrimento físico e psíquico ou provoquem a morte de animais, a ProToiro lembra que a Tauromaquia é tutelada pelo Ministério da Cultura e não recebe qualquer apoio do mesmo, ao contrário das restantes artes que vivem subsidiadas e em grandes dificuldades, quando devia estar em igualdade de circunstancias. Os únicos apoios existentes nos dias de hoje são pequenos e irrelevantes e vêm dos municípios, integrados dentro das suas políticas de fomento cultural, acrescenta a ProToiro. Segundo a Constituição, os municípios portugueses são dotados de autonomia, tendo responsabilidades próprias e agindo na prossecução dos interesses próprios das populações respectivas. Dentro da autonomia administrativa e financeira, está o direito de apoiar as colectividades, associações e actividades locais que prossigam os interesses da população, logo o interesse público. 

 

 Além disso, a Tauromaquia está classificada como "parte integrante da cultura popular portuguesa" (Decreto-Lei n.o 89/2014) e o Estado, central e local, tem a obrigação constitucional de promover o acesso de todos os cidadãos à cultura (artigo 73º, nº3) e da sua salvaguarda (artigo 78º), sendo o direito à cultura um direito fundamental (artigo 17º). Impedir ou proibir manifestações culturais é uma violação da Constituição. 

 

"Estes projectos só mostram que o BE, tal como o PAN, não são partidos de Abril mas das proibições e têm uma incompatibilidade profunda com a democracia, a liberdade dos cidadãos e a lógica democrática da diversidade cultural, constitucionalmente protegidas", remata Helder Milheiro.  

 

Quanto ao defecho dos projectos diz que "o Parlamento português já mostrou diversas vezes não permitir tamanhos atropelos à democracia, aos direitos dos cidadãos e à Constituição portuguesa, chumbando dura e repetidamente estas iniciativas. É certamente o que irá acontecer de novo" .