Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

BARREIRA DE SOMBRA 30 ANOS (1987/2017)

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

BARREIRA DE SOMBRA 30 ANOS (1987/2017)

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

Póvoa de Varzim já tem tourada marcada para julho de 2019

10.08.18 | António Lúcio / Barreira de Sombra

A pedido do Movimento a Favor das Corridas de Touros na Póvoa de Varzim enviamos a seguinte informação.

 

Póvoa de Varzim já tem tourada marcada para julho de 2019

Movimento a favor das corridas de touros 
considera legalmente inúteis as decisões da autarquia

A corrida de touros de ‘Homenagem aos Emigrantes’, amanhã, na Póvoa de Varzim, não vai ser a última como tem sido anunciado falsamente pela autarquia. Nós, Movimento a Favor das Corridas de Touros na Póvoa, já agendámos para julho do próximo ano uma nova corrida de touros na cidade.

A Tourada é uma atividade cultural tutelada pelo Ministério da Cultura, apoiada por milhares de aficionados Poveiros, e é protegida constitucionalmente tal como todas as formas de Cultura. Nenhum órgão, muito menos os municípios, tem poderes legais para proibir expressões culturais. O acesso à Cultura é um direito de todos os cidadãos, garantido pela Constituição da República Portuguesa.

As decisões tomadas pela Câmara Municipal da Póvoa de Varzim são legalmente inúteis e sem qualquer efeito prático, pelo que as corridas de touros continuam a poder realizar-se no município, tal como em qualquer outro lugar de Portugal. 

A corrida de ‘Homenagem aos Emigrantes’, que este sábado tem lugar na Praça de Touros da Póvoa de Varzim, vai dar continuidade à demonstração de força e de apoio dadas no passado dia 20 de julho quando, no mesmo local, se realizou a XXII Grande Corrida TV Norte, com os Poveiros a encherem a praça numa clara demonstração da sua posição. Esta Festa mereceu transmissão televisiva e foi um dos programas mais vistos da RTP nesse dia.

Estamos atentos às ações deste executivo e não deixaremos que desvirtue e destrua irremediavelmente um património que não é de um presidente de câmara, nem de alguns Poveiros, mas sim de todos os portugueses. A Tourada enquanto expressão cultural não pode sofrer ataques de quem, por obrigação constitucional, a devia promover e, acima de tudo, defender.

A Póvoa de Varzim foi e sempre será uma terra de liberdade.