Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

O “DUENDE” DE DIAS GOMES, A RAÇA E PUNDONOR DE CASQUINHA, A AFIRMAÇÃO DE ROUXINOL JR

07.10.19 | António Lúcio / Barreira de Sombra

Praça de Toiros “Palha Blanco” – Vila Franca de Xira – 06/10/19 – Corrida Mista

Director: Ricardo Dias – Veterinário: José M. Lourenço – Lotaçáo: + 1/2 casa

Cavaleiros: Luís Rouxinol, Luís Rouxinol Jr

Forcados: Amadores de Vila Franca

Matadores: Nuno Casquinha, Manuel Dias Gomes

Ganadaria: Palha (nº 392 – 580 kg; nº 305 – 465kg; nº 293 – 545 kg; nº 323 – 535kg; nº294 -515 kg; nº 615 – 505kg; nº 388 – 480kg)

IMG_0311

Que melhor homenagem poderia a “Palha Blanco” oferecer a um dos seus ídolos de sempre, figura incontornável do nosso mundo taurino como o maestro José Júlio na comemoração de 60  anos de alternativa que o triunfo claro dos matadores de toiros e de um jovem cavaleiro que se afirma dia a dia? Pois bem foi o que aconteceu e apesar da ausência, por doença, do maestro vilafranquense, o seu sobrinho David Antunes e o seu irmão Dário Venâncio receberam esse tributo para entrega ao grande ausente. E, podemos afirmar que foi uma corrida interesse e de onde se destacou o “duende” de Dias Gomes, a raça e pundonor de Casquinha e se afirmou, uma vez mais, Rouxinol Jr.

A corrida teve alguns acidentes, a começar no toiro da lide a duo, que foi devolvido após a cravagem do 4º comprido e ter partido um pitón ao derrotar na trincheira. Depoois uma feia voltareta a Casquinha pelo 3º da ordem e, ainda, a devolução 4º que partiu a mão direita quando Luís Rouxinol, numa boa actuação, se preparava para cravar mais um curto. Com tudo isto, os Forcados de Vila apenas pegaram, e bem, o 5º da ordem, por intermédio de João Luz, ao segundo intento.

Após a homenagem a José Júlio, a corrida teve início com uma lide a duo entre Rouxinol pai e Rouxinol filho, com uma boa sorte de gaiola a abrir a contenda mas, como referido, com o toiro a lesionar-se após o 4º ferro e obrigando à devolução do toiro que mostrou raça.

Ainda no toureio a cavalo, Luís Rouxinol estava a lidar em bom plano o cumpridor 4º da tarde quando este, ao apoiar-se partiu a mão direita, tendo sido recolhido. Frustração do cavaleiro de Pegões e também do público.

Luís Rouxinol Jr afirma-se dia a dia, corrida a corrida. Uma actuação de muito bom nível. Esteve francamente bem com a ferragem curta, pisando terrenos de compromisso e deixando bons ferros rematando com um par de bandarilhas e um ferro de palmo. Um dos triunfadores da ventosa tarde.

Seguiu-se Nuno Casquinha frente a um toiro manso e com perigo e que logo nas verónicas com que Casquinha o recebeu, se meteu pelo pitón direito procurando colher o diestro. O que sucederia na faena de muleta e que obrigou o matador vila-franquense a recolher à enfermaria e daí apenas sair para lidar o sexto da ordem. Cumpriu o tércio de bandarilhas com mérito. A raça e o pundonor de Casquinha veio ao de cima com verónicas e depois na muleta por derechazos de muito boa nota e alguns naturais que tiveram sabor.

Manuel Dias Gomes foi o autor das melhores verónicas da tarde, mãos muito baixas, templadas e com bom gosto. Triunfou claramente no seu primeiro, com aquele “duende” e aroma sevilhanos, toureio repousado, de mão baixa, obrigando o toiro por ambos os pitóns, numa faena de classe e mérito. No que encerrou praça voltou Dias Gomes a estar bem de capote e a estruturar muito bem aquela que foi uma boa faena de muleta, com sabedoria e temple.

Os bandarilheiros também tiveram momentos importantes neste tércio e onde se destacaram João Ferreira, Tiago Martins, Filipe Proença, André Rocha e Pedro Noronha.

Os toiros da ganadaria Palha foram diversos na apresentação e no comportamento como já referido.

Dirigiu o espectáculo Ricardo Dias assessorado pelo veterinário José Manuel Lourenço.

 

IMG_0313Texto e Fotos: António Lúcio