Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

MONTIJO - NO “TIRA-TEIMAS” ROUXINOL CANTOU MAIS ALTO. MELHOR PEGA PARA HÉLDER PARKER (G.F.A.TOMAR

24.09.18 | António Lúcio / Barreira de Sombra

Praça de Toiros “Amadeu Augusto dos Santos” – Montijo – 23/09/18 – Corrida de Toiros

Director: Tiago Tavares – Veterinário: Jorge M. silva – Lotação: 1/3

Cavaleiros: João Ribeiro Telles, Francisco Palha, Luís Rouxinol Jr

Forcados: Tertúlia Tauromáquica do Montijo, Montijo e Tomar

Ganadaria: Paulino da Cunha e Silva

coretsias montijo.JPGNO “TIRA-TEIMAS” ROUXINOL CANTOU MAIS ALTO. MELHOR PEGA PARA HÉLDER PARKER (G.F.A.TOMAR)

 

Tarde de muito calor e de verdadeira competição com os toureiros “picados” nesta disputa e a querem, todos eles, vencer o troféu em disputa e afirmar o seu nome. Cantou mais alto o jovem Rouxinol, em tarde onde João Ribeiro Telles esteve muito bem no seu segundo e Francisco Palha apontou na direcção do triunfo mas o “tiro” saiu um pouco ao lado. Tarde dura para os forcados, onde mais uma vez as ajudas não o foram na plena acepção da palavra e toiros a pedirem contas, a trazerem emoção e com o sexto a ser de muito boa nota e o melhor de todo curro de Paulino da Cunha e Silva.

 

João Ribeiro Telles abriu praça com uma lide de bom tom, com boa brega e alguns ferros de boa execução com sortes frontais de que se destacou o segundo curto. Frente ao quarto da tarde carregou um pouco mais no acelerador, no bom sentido, ou seja, arriscou um pouco mais e teve a colaboração do toiro para uma série de curtos de muito boa nota, marcando bem os tempos das sortes e a cravar bons ferros, destacando-se no terceiro com entrada ajustada ao pitón contrário. Uma das lides da tarde.

Francisco Palha voltou a dar tudo por tudo em duas actuações de entrega total em busca do triunfo. Tem um enorme sentido competitivo e isso foi visível em ambas as actuações. Houve alguns bons momentos na lide do primeiro, nomeadamente o segundo curto, mas duas passagens em falso e alguma velocidade a mais imprimida no último curto ficaram aquém do expectável. E com as atenções no máximo, voltou a empregar-se frente ao quinto, mais conseguida a lide com dois bons compridos a abrir e os três últimos curtos de muito mérito, com o último de maior risco e a passar pelo “buraco da agulha” sem sofrer toques.

Luís Rouxinol cantou mais alto no que encerrou praça e que para o júri composto por elementos de 7 Tertúlias montijenses foi a melhor da tarde/noite. A sua primeira lide foi curta, marcada por boa brega e com dois curtos de boa cravagem, rematando com um de palmo. No que encerrou praça, codicioso e que saiu com pata e foi bem recebido pelo cavaleiro de Faias, Pegões, deixou dois bons compridos e uma série de bons curtos rematando com um bom par de bandarilhas e um palmito entre as fortes ovações do público.

Tarde dura para os forcados. Pelos Amadores da Tertúlia Tauromáquica do Montijo abriu praça Luís Carrilho que á segunda tentativa consumou uma dura pega; para o quarto da tarde foi o cabo Márcio Chapa, enorme na 1ª tentativa em que foi muito mal ajudado, falhou a reunião na segunda e esteve de novo muito bem na dura 3ª tentativa em que consumou bem. Os Amadores do Montijo tiveram João Paulo Damásio a consumar bem à primeira frente ao segundo da tarde e o estóico, enorme no valor apesar da pequena estatura José Pedro Suissas a aguentar “porrada da grosssa” e a consumar à 5ª tentativa numa pega onde o ajuda António Pereira saiu fortemente lesionado com um traumatismo craniano que o obrigou a internamento no Hospital Garcia de Orta em Almada. Finalmente, pelos Amadores de Tomar foram caras Vasco Freire numa vistosa pega à 1ª e Hélder Parker também à 1ª numa grande pega e que seria declarada, justamente, a melhor da corrida.

O espectáculo foi dirigido por Tiago Tavares assessorado pelo veterinário Jorge Moreira da Silva.

Texto e foto: António Lúcio