Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

LOTAÇÃO ESGOTADA NESTA 3ª CORRIDA DA FEIRA DA MOITA

ROUXINOL, TRIUNFO DE LEI E CORRIDA ONDE SE DESTACOU O BOM TOUREIO DE RUI FERNANDES

17.09.21 | António Lúcio / Barreira de Sombra

Praça de Toiros “Daniel do Nascimento” – Moita do Ribatejo – 16/09/21 - Corrida de Toiros

Director: João Cantinho – Veterinário: Carlos Santos

Cavalerios: Rui Fernandes, Gilberto Filipe, Filipe Gonçalves, João R. Telles, Luís Rouxinol Jr, Duarte Fernandes, Tristão Ribeiro Telles (amador)

Ganadaria: Passanha (7)

moita 160921.JPG

Sete toureiro, sete magníficos, uns com mais sorte que outros no sorteio pois os Passanhas tiveram presença mas alguns foram mansos e complicados. Viria a destacar-se com um triunfo de lei o jovem Luís Rouxinol jr na lide ao quinto da noite e Rui Fernandes mostrou o quanto injusto é o afastamento dos grandes cartéis da temporada…

Rui Fernandes, na sua primeira e provavelmente única actuação da temporada 2021 em Portugal, esteve em muito bom plano na lide do que abriu praça. Bregou bem e rematou como mandam as regras, deixando boa ferragem curta em sortes cambiadas e com remates com piruetas em dois dos ferros, animando o público nas bancadas. Mostrou que deveria estar em mais cartéis nesta temporada.

Gilberto Filipe não foi feliz nesta sua passagem pela arena moitense. Um toiro manso e complicado e só na fase final da lide, com distâncias mais curtas, conseguiu dois curtos de melhor nota.

Também Filipe Gonçalves não teve sorte no sorteio pois o toiro tinha tendência clara para descair para tábuas. Tentou sacar o máximo partido e deixou dois curtos de melhor nota.

O quarto da noite foi lidado por João Ribeiro Telles que teve uma lide em crescendo junto do grande público com dois últimos curtos em sortes cambiadas, com bastante velocidade e muito pronunciadas a fazerem o público levantar-se das bancadas, sendo que na minha opinião (modesta e a valer o que vale) o sue melhor ferro foi o quarto da ordem.

O quinto da noite que não fez jus ao ditado, um manso de solenidade a defender-se constantemente em tábuas e com ele o jovem Luís Rouxinol Jr assinou um triunfo de lei pois arriscou e teve argumentos para cravar quase sempre a sesgo e rematando em terrenos de muito peso e compromisso. Aguentou, ainda, uma investida intempestiva do toiro e cravou um grande ferro. Se dúvidas houvesse, estavam dissipadas. Uma grande lide, com argumentos claros e inequívocos.

Duarte Fernandes, a que vimos pela primeira vez, foi uma alegre surpresa com um toureio fresco e agradável, sem perder tempo, com sentido e uma série de ferros com valor. Levou um toque forte no 2º comprido e que em nada desvalorizou a sua lide.

Tristão Ribeiro Telles teve por diante um novilho que cumpriu mas não esteve afortunado na execução das sortes, tendo tido no primeiro curto o seu melhor momento, numa lide finalizada com violino e palmo.

Os Amadores do Aposento da Moita encerraram-se, como é hábito, com os 7 toiros nesta corrida. Leonardo Mathias, o cabo, abriu praça com uma boa à primeira, seguido por João Vasco Ventura numa boa cara à 1ª na noite em que se despediu após 11 nos no Grupo. O terceiro foi pegado por Martim Cosme Lopes á 2ª, e sem ajudas na 1ª tentativa, enquanto que para a cara do 4º foi Tiago Nobre que se fechou apenas à 3ª e com ajudas carregadas. O quinto foi pegado de cernelha por António Ramalho e João Serrano, seguindo-se Tiago Valério numa rija cara à 1ª e Manuel Queirós a encerrar com uma pega ao 4º intento.

A corrida foi dirigida por João Cantinho assessorado pelo veterinário Carlos Santos.

Texto e foto: António Lúcio