Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

Praça de Toiros do Campo Pequeno – 01.10.15

Director: Pedro Reinhardt.– Veterinário: Hugo Rosa - Lotação: ¾

Cavaleiro: António Ribeiro Telles, Rui Salvador, Fermin Bohorquez, Ana Batista, Marcos Bastinhas e Luis Rouxinol Jr.

Forcados: Amadores de Lisboa e Amadores de Alcochete

Ganadaria: Passanha

A casa apresentava ¾ fortes para o encerramento da temporada no Campo Pequeno, com a já tradicional Corrida de Gala à Antiga Portuguesa, uma corrida televisionada e que para além do espectáctulo tradicional proporciona ainda o cortejo evocativo das touradas reais, o que dá sempre um belo cartão de visita para os que vêm a corrida pela televisão pela primeira vez.

Antes do inicio do espectáculo, D.Francisco Mascarenhas recebeu na arena o Galardão Prestigio atribuído pela Dr. Paula Mattamouros Resende em nome da Sociedade do Campo Pequeno, tendo dado volta à arena debaixo de fortes aplausos.

Quando à corrida, é caso para dizer “senhoras e crianças primeiro” tendo em conta que as melhores lides foram as três últimas, mas os mais jovens mostraram-se senhores, numa noite no geral de bom nível, com bom lote da ganadaria Passanha, onde o pior da noite calhou ao incansável Rui Salvador que deu bem à volta à papeleta merecendo também lugar de destaque na história desta noite.

Na corrida propriamente dita, António Ribeiro Telles abriu praça com uma actuação com o seu cunho. Andou a gosto, com uma actuação que sem deslumbrar foi solidamente bem construída, tendo terminado com chave de ouro. Falhou um curto que podia ter ficado na história desta lide, mas corrigiu bem em sorte frontal a encerrar a lide.

Rui Salvador teve talvez o exemplar mais dificil da noite e o publico reconheceu o seu trabalho. Esteve bem a trabalhar o toiro Passanha nos compridos, tendo feito uma lide com paciência, onde a sua maturidade veio ao de cima para conseguir dar a volta à papeleta. Saiu debaixo de fortes aplausos, inteiramente merecidos pela dedicação que empregou na lide.

O terceiro da noite marcaria a despedida de Fermín Bohórquez do público português. O espanhol desejaria certamente uma saída em melhor plano, numa lide de mais a menos. O rejoneador até estava a fazer bem o que veio fazer a Lisboa, mas borrou a pintura nos dois ferros de palmo e nos dois pares de bandarilhas, tendo falhado em toda a linha e saído assim sem grande glória.

A segunda parte teve mais entusiasmo do que a primeira na Praça de Toiros do Campo Pequeno. Ana Batista protagonizou uma das melhores actuações da noite, com um bom exemplar, andou a seu gosto. Entrou com ganas de triunfo e sem inventar, com uma lide limpa conseguiu mesmo esse triunfo. Soube sair numa lide que certamente terá sido das melhores da sua temporada pela inexistência de erros.

Marcos Bastinhas dedicou a lide ao seu pai, e quem não soubesse que é o pai de Marcos certamente acreditaria estar a ver Joaquim Bastinhas. Deu espectáculo, puxou pelo público, terminou com o tradicional par de bandarilhas e com a saída da arena deixando o cavalo ir sozinho até ao Pátio dos Cavaleiros. Uma lide com cunho Joaquim Bastinhas, bem executada, fazendo bem o papel que o pai tem feito nas arenas.

Luis Rouxinol Jr. Protagonizou também uma bela actuação, com inteligência e maturidade para a idade que apresenta. Quis impressionar e empregou uma lide de peito aberto que conquistou o público presente no Campo Pequeno.

Nas pegas, os Amadores de Lisboa pegaram duas vezes à segunda  por intermédio de Manuel Guerreiro, Pedro Gil e Eurico Medronheira e os Amadores de Alcochete pegaram duas vezes à segunda tentativa e uma à terceira por Nuno Santana, na pega da noite, sendo premiado com duas voltas à arena, uma delas em solitário, António Cardoso e Vasco Pinto.

Dirigiu a corrida com acerto, Pedro Reinhardt.

Miguel Dias