Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

Praça de Toiros do Campo Pequeno – 18/08/17 – Corrida de Toiros

125º aniversário da Inauguração da Praça

Director: Pedro Reinhardt – Veterinário: Jorge Moreira da Silva – Lotação: Esgotada

Cavaleiros: João Moura, António Telles, Luís Rouxinol

Forcados: Amadores de Montemor e de Lisboa

Ganadarias: Vinhas, David Ribeiro Telles, Oliveira Irmãos, Grave, Palha, Passanha

IMG_4565.JPG

GRANDE ACTUAÇÃO DE ANTÓNIO TELLES NOS 125 ANOS DO CAMPO PEQUENO

 

O 125º aniversário do Campo Pequeno foi preparado a rigor e exemplo disso foi a magnífica decoração da praça, a tradição do fado nas vozes de Camané e Nathalie, a charanga a cavalo da GNR e, uma vez mais, a lotação completamente esgotada apesar da presença das câmaras da TVI que levaram o espectáculo a centenas de milhar de portugueses. António Telles foi o grande triunfador desta corrida, com uma grande exibição no 5º toiro da noite, um Palha com muita qualidade.

 

Praça cheia até à bandeira para a comemoração de 125 anos de história, de tauromaquia e não só, de um ex-libris da nossa capital e mundialmente reconhecida como a capital do toureio a cavalo. E nada melhor para referendar esta ideia, esta histórica riquíssima, a forma de bem tourear à portuguesa, sem concessões ao facilitismo da bancada, que a grande exibição de António Palha Castro Ribeiro Telles frente ao bom toiro de Palha saído em 5º lugar. A mestria consumada de António permitiu-lhe, a par do excelente momento que atravessa, conceber e concretizar uma grande lide, com bons momentos de brega, sortes bem desenhadas e cravando ferros em sortes frontais com reuniões muito ajustadas e rematadas as sortes como mandam as boas regras. Duas voltas à arena foram prémio justo para esta grande actuação. E frente ao segundo da ordem, um toiro com ferro Ribeiro Telles, houve também bons momentos e grandes ferros.

 

João Moura abriu praça frente a toiro de Vinhas que serviu sem criar grandes complicações. Moura esteve bem na cravagem da ferragem com destaque para o segundo curto, entrando bem nos terrenos do toiro e rematando com um de palmo. No quarto da noite, de Murteira Grave e que teve comportamento sobre o mansote, deixou um bom segundo comprido e cumpriu na ferragem curta sem grandes alardes.

 

Luís Rouxinol teve por diante a “fava”, um manso sem qualidade de Oliveira Irmãos, e cumpriu a papeleta. Não havia muito mais a fazer. No que encerrou praça, de Passanha e que teve alguma qualidade, já foi possível ver o cavaleiro de Pegões ao seu melhor nível. Dois compridos de boa nota, boa brega e soluções bem encontradas para deixar a ferragem da ordem e terminar com um grande par de bandarilhas a duas mãos e um ferro de violino que fizeram soar as ovações do público.

 

Dois prestigiados Grupos de Forcados repartiram as pegas nesta corrida comemorativa: Montemor e Lisboa. Pelos Amadores de Montemor foram forcados de cara: Francisco Bissaia Barreto à 2; Francisco Borges numa extraordinária intervenção ao primeiro intento; e Manuel Ramalho a consumar à terceira. Pelos Amadores de Lisboa foram para a cara dos toiros Martim Lopes, muito bem à 1ª; Duarte Mira à 3ª e João Varanda à 1ª.

 

Na direcção da corrida esteve Pedro Reinhardt, bem, assessorado pelo veterinário Jorge Moreira da Silva.

 

Crónica de António Lúcio