Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

EXTRAORDINÁRIA NOVILHADA EM LISBOA. ÊXITO MAIOR DO TOUREIO A PÉ

19.05.19 | António Lúcio / Barreira de Sombra

Praça de Toiros do Campo Pequeno – 18/05/19 – Novilhada

Director: João Cantinho – Veterinário: Jorge M. Silva – Lotação: 1/3

Cavaleiros: Mara Pimenta, Soraia Costa, Joaquim Brito Paes

Forcados Amadores de Alter do Chão

Novilheiros: Leonardo Passareira (Escola de Salamanca), Filipe Martinho (Escola de Toureio e Tauromaquia da Moita), Duarte Silva (Escola de Toureio José Falcão)

Ganadarias: Romão Tenório, Passanha, António Silva, Murteira Grave, Varela Crujo, Calejo Pires

IMG_3502.JPGEXTRAORDINÁRIA NOVILHADA EM LISBOA. ÊXITO MAIOR DO TOUREIO A PÉ

 

Dá gosto ver uma novilhada assim, com público entregue no apoio aos jovens toureiros do primeiro ao último minuto e ver os toureiros a entregarem-se na busca do triunfo, muito em especial os três jovens novilheiros que foram os triunfadores maiores do festejo e que, noutra praça do mundilho taurino teriam saído em ombros levados pelo entusiasmo dos seus colegas. Mas estamos em Portugal e no final apenas a grande ovação quando, após o hino nacional, atravessaram o dourado albero lisboeta.

 

Poderia escrever que se sentiu a serenidade e temple de Leonardo Passareira, o querer de Filipe Martinho e a raça de Duarte Silva que prestava provas para novilheiro praticante e terá sido aprovado com distinção.

 

Leonardo Passareira, da raiana Nave de Haver e aluno da escola de Salamanca, mostrou uma serenidade, uma pureza de conceito que admirou e calou fundo nos aficionados que estavam em Lisboa, muitos vindos dessa magnífica e aficionada zona raiana. Duas largas cambiadas de joelhos e boas verónicas foram o prólogo de uma boa e bem construída faena de muleta a um novilho de Murteira Grave que teve imensa classe e respondeu bem aos toques e rompeu a investir com o focinho pela arena. Alguns naturais foram largos e profundos, assim como uns quantos derechazos em faena de muito temple e bons momentos. No final deu volta com o representante da ganadaria e o novilho regressou aos campos de Galeana.

 

Filipe Martinho, da escola de Toureio e Tauromaquia da Moita, entendeu-se com um bom novilho de varela Crujo numa faena demasiado extensa. Larga cambiada de joelhos, verónicas e um quite vistos por lopecinas antes de bandarilhar e onde não esteve muito acertado. Começou a faena de muleta de joelhos e esteve bem melhor pelo lado esquerdo com bons muletazos e onde não faltou, na fase final, uma voltareta felizmente sem consequências. Boa prestação do novilheiro moitense a que faltou apenas a noção de que o tempo é escasso e nem todos os novilhos aguentam tanto…

 

Duarte Silva, da Escola de Toureio José Falcão, mostrou a sua raça e de como se deve andar quando se é novilheiro. Esteve bem a lancear à verónica e o 2º par de bandarilhas foi excelente. Iniciou a faena de muleta com um arriscado passe cambiado pelas costas, ajustadíssimo, e teve uma boa faena de muleta por ambos os pitóns, metendo-se bem nos terrenos do novilho, avantajado de cornamenta, da ganadaria Calejo Pires e que teve qualidade. Bons momentos, toureando com garra e entrega e que foram muito aplaudidos pelo público. Passou com distinção na sua prova de praticante. Deu volta com o ganadeiro Francisco Calejo Pires.

 

O espectáculo teve, na primeira parte, toureio a cavalo.

 

Mara Pimenta esteve desembaraçada, sem deslumbrar, frente a um novilho de Romão Tenório, solto e distraído e que exigia mais decisão pois até investia bem no momento do ferro. Mara Pimenta deixou dois bons curtos.

 

O segundo da noite era de Passanha e cumpriu. Boa lide da nortenha Soraia Costa, bastante comunicativa e a deixar também dois bons curtos, com decisão.

 

Triunfou Joaquim Brito Paes frente a um manso novilho de António Silva a que soube dar a lide adequada. Primeiros dois curtos a sesgo pois o novilho refugiava-se em tábuas e depois, já nos médios dois outros bons ferros numa actuação de muito mérito.

Para pegarem os três novilhos lidados a cavalo saíram os Forcados Amadores de Alter do Chão, por intermédio de João Airoso à segunda e mal ajudado na primeira, seguido por João Galhofas e Filipe Lucas ambos ao primeiro intento.

 

Dirigiu o espectáculo João Cantinho assessorado pelo veterinário Jorge Moreira da Silva.

Texto e foto: António Lúcio