Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

CASA CHEIA EM CORUCHE NA HOMENAGEM PÓSTUMA A MESTRE DAVID RIBEIRO TELLES

19.08.17 | António Lúcio / Barreira de Sombra

Praça de Toiros de Coruche – Coruche – 17/08/17 – Corrida de Toiros

Director: João Cantinho – Veterinário: José Luis Cruz – Entrada: casa cheia

Cavaleiros: António Ribeiro Telles, Manuel Ribeiro Telles Bastos, João Ribeiro Telles Jr, António Ribeiro Telles filho

Forcados: Amadores de Coruche

Ganadarias: Pinto Barreiros e David Ribeiro Telles (novilho)

 

Casa muito cheia para um tarde familiar em mais um 17 de Agosto em Coruche. As Festas em Honra de Nossa Senhora do Castelo são uma das tradições mais enraízadas do Ribatejo, e a afluência da Praça de Toiros nunca desilude no feriado municipal.

 

O cartel estava montado para apelar ao sentimento. A homenagem ao mestre dos mestres, David Ribeiro Telles, com um cartel composto fortemente pela Herdade da Torrinha, à excepção dos toiros Pinto Barreiros.

 

Depois de uma homenagem a David Ribeiro Telles, abriu praça, o filho, António Ribeiro Telles lidou um exemplar que inicialmente não prometeu muito mas que se deixou lidar, apesar da investida incerta. Começou bem, com um primeiro curto a entusiasmar logo as bancadas, numa lide que acabou por ir de mais a menos. No sexto da tarde, Manuel Ribeiro Telles bastos lidou o quinto por ter outro compromisso, calhou-lhe em sorte um exemplar muito complicado, que exigia arte e mestria. Nesse sentido, António Ribeiro Telles foi o intérprete perfeito, tirando tudo o que pode do toiro, o que foi fortemente valorizado pelos aficionados presentes.

 

Manuel Ribeiro Telles Bastos teve uma lide inaugural praticamente perfeita, com um exemplar que se deixou lidar a gosto. Esteve exemplar nos compridos e com muito boa nota nos curtos, mostrando a todos o que é a interpretação singular do toureio à Ribeiro Telles. No quinto da tarde, o exemplar de Pinto Barreiros exigiu outro labor, revelando mais dificuldade para cravagem acertada nos curtos, mas onde trabalhou bem para cumprir sem deslumbrar.

 

João Ribeiro Telles Jr é, em particular em Coruche, o cavaleiro que maior ligação tem com o público. Na primeira lide, terceiro da tarde, esteve algo irregular nos curtos, frente a um astado com 630 kgs, que se deixou lidar sem causar problemas e com bravura. Terminou com o tradicional “palmito” que arrancou fortes aplausos. No último da tarde, desenhou uma lide em crescendo, onde depois de falhar clamorosamente o primeiro curto, cravou com acerto até que, novamente confortável arrancou para uma lide intensa e com ligação, onde terminou com dois violinos, para encerrar uma grande tarde de festa.

 

António Ribeiro Telles filho lidou o quarto da tarde, um novilho da ganadaria David Ribeiro Telles. Acusou o peso da ocasião na fase inicial, demorando até se sentir confortável. Ainda assim, a entrar na recta final, revelou maior acerto na cravagem, deixando bons pormenores para o futuro.

 

No que toca às pegas, protagonizadas a solo pelo Grupo de Forcados Amadores de Coruche, por actuais e antigos elementos, como já é hábito no 17 de Agosto, abriu praça o cabo, José Macedo Tomás, numa boa pega à segunda tentativa. José Marques pegou o segundo tarde à primeira tentativa, numa pega muito boa, frente a um exemplar que exigia boa interpretação da investida. A Paulo Oliveira calhou em “sorte” o terceiro da tarde, com 630kgs, que pegou à terceira com ajudas mais carregadas. O novilho foi pegado por um forcado da nova geração, Eduardo Poeira, que arrancou uma boa pega à segunda tentativa, bem ajudado pelo grupo. O quinto da tarde protagonizou a melhor pega. António Macedo Tomás, irmão de José Tomás, arrancou a pega da tarde e foi aplaudido nos médios após volta. No sexto da tarde a pega foi consumada por João Ferreira à segunda, após dobrar José Sousa, e aguentar, juntamente com o grupo, a “pata” que o toiro trazia. Para fechar a tarde, Pedro Coelho executou uma boa pega à primeira tentativa, com a primeira ajuda a cargo de Mário Rosa, que assim se despediu das arenas.

 

Dirigiu o espectáculo o delegado, João Cantinho, assessorado pelo veterinário Dr. José Luis Cruz. Dirigiu o espectáculo dando margem para a festa que a tarde exigia, sem deixar de revelar critério.

 

Crónica de Miguel Dias