Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

jandrade1.jpg

Não será vitupério da minha parte, neste espaço, vir tecer uma opinião sobre o retorno financeiro, que advêm, ou pode advir, de realização de corridas de toiros. Quando se fala tanto em retorno, elevando a economia a deusa soberana de tudo, a que não escapa, naturalmente, o mundo dos toiros, quer na vertente empresarial da realização de corridas de toiros, quer no âmbito geral da actividade, no seu todo, mais que um mero interesse ocasional, é compreensível, quem acompanha a Festa, que tenha interesse no seu todo. Daí ser grato poder tomar conhecimento, ou poder registar o público conhecimento, de quanto se investiu, e quanto desse investimento teve retorno, coisa que aqui pelo nosso muito português mundillo, é atitude rara e, diria, sacrilégio. O segredo, atitude cultivada pelos organizadores, os empresários tauromáquicos, mas também, pelos responsáveis autárquicos e agentes económicos locais, parece assim ser coisa fora do tempo, coisa que já não se usa numa economia moderna. Esta atitude dos empresários nacionais - já sabemos que o ar de Lisboa é perigoso para a boa saúde mental – é portanto incompreensível, e indefensável, pelo que as excepções, se é que as há, só confirmam a regra. Dúvidas? Só mesmo para quem não conhece o meio politico e empresarial, e do país, ou nos contactos, não vai além dos chico-espertos. E a esperteza, ou melhor, a inteligência, manda olhar o que se vai passando no mundo. É que a aldeia global, apesar de tudo, continua cada vez mais aldeia e saloia, mas é uma parolice mais polida. Daí não estranhar que cá, ou por cá, pelo mundillo português, o segredo do negócio, é cultivado com carinho, coisa muito diferente daquela que os nossos vizinhos espanhóis, talvez mais abertos, inovadores e dinâmicos, praticam. Assim, sobre o retorno que provém dos eventos onde a Festa dos Toiros é o aspecto central, em Espanha, que me recorde, só até esta altura da temporada, em estudos, ensaios, e outras formas de sério rigor comprovável, são vários os trabalhos que por terras de D. Quixote já foram publicados e apresentados, o último dos quais, importante e interessante, sobre a Feira de Hogueras, que decorreu este fim de semana em Alicante. A divulgação pela A.N.O.E.T. (Associação Nacional de Organizadores de Espectáculos Taurinos) que a Feira de Hogueras deve ter tido um impacto económico de mais de (oito milhões de euros) - 8.325.000 euros  só na  cidade de Alicante, é um acto e exercicio que merece registo e atenção. - Só nos sectores turísticos, hoteleiros e de transporte, os milhares de aficionados que se deslocaram a Alicante, devem ter gerado um impacto económico de 4.450.000 euros.

 

Mas isto é lá, em Espanha. Cá, por cá, os únicos números, falaciosos, deturpados, que são apresentados como sendo os dados da verdade, são aqueles que os anti-taurinos, não se cansam de propagandear, e que o silêncio de quem tem interesse e responsabilidade no meio, faz parecer verdade. Uma mentira dita muitas vezes, até acaba por se tornar verdade, dizem, e eles, os anti-taurinos, que são poucos, insignificantes, mas sabem usar a mentira e a repetição, para fazerem valer como verdade os seus fins.

 

Das duas tardes que o Canal Toiros transmitiu, o meu destaque volta a ser para  a entrega de todos os intervenientes, com muitas orelhas. Depois a colhida muito feia e grave de Manuel Escribano, e também o bom jogo que deram a quase totalidade dos toiros lidados, isto apesar de ser uma praça de terceira categoria. Isto é, sem a obrigação de apresentar toiros ‘especiais’, que têm por imposição legal de receberem duas varas. Uma praça e uma aficion que parece que vai aos toiros para se divertir, para ser emocionada, e deixar que a empolguem com arte, e entrega. E a Feira de Hogueras em Alicante, foi uma fogueira que aqueceu a Festa.

 

Do Norte, com um abraço

José Andrade