Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

BAIÃO…23 AGOSTO 2019 - SORAIA COSTA… LIDOU UM POR DOIS, E TRIUNFOU!

24.08.19 | António Lúcio / Barreira de Sombra

23 de Agosto de cada ano, é o dia do Santo Padroeiro de Baião, S. Bartolomeu, o orago que esconjura os medos. Dia de festa na vila, dia de tourada. Casa cheia garantida, que os baianenses não são gente a quem a tradição e o passado criem complexos e tiques urbanos. Se a inclusão da corrida de toiros, de à uns anos a esta parte, deixou de ter mencionada ou fazer parte do cartaz onde se publicitam todas as iniciativas das Festas do Concelho, isso não apaga a memória, a história, muito menos faz diminuir a tradição. É uma retirada que só desmerece quem a tal obrigou, e fê-lo, mais por taticismo politico eleitoral, que por convicção ou devoção, aliás, como se comprova pela meia dúzia de barulhentos ‘torturadores caseiros de animais’, que com a dita ‘liberdade de minoria’, sempre neste casos aparece para ‘fazer prova de vida’ e sacar uns euros à autarquia.

antis.jpg

Aliás, ao que apuramos, um dos cabecilhas animadores, tem lugar agora garantido na folha de salários da autarquia local. Mas essa exclusão do ‘programa oficial das festas’, não fez diminuir a presença e participação das gentes Baião, quer nos actos religiosos, de animação folclórica, ou na ‘ida aos touros’. Tem gente para tudo, e uns tantos, muitos, que vão a todos. E o único medo que por aqueles lados preocupa quem lá vive, é o de ataques de estupidez que, diga-se, ao que se sabe, não é a especialidade nas invocações e esconjuros de S. Bartolomeu. Daí que o chefe da força da GNR que no local era responsável, não possa também pedir ajuda ao Santo, para o livrar do medo que teve em impor respeito pelo direito que os cerca de dois e quinhentos espectadores que pagaram o seu bilhete, num espectáculo devidamente autorizado, licenciado, e dirigido por um representante do Poder Central, que, ao que também soubemos, pediu ao dito ‘agente da ordem pública’, como gostam de ser tratados, que fosse respeitado o silêncio devido a quem tinha pago o seu bilhete, e não tem de suportar insultos e barulhos que ferem a audição. Pedido que aquele, dito ‘agente da autoridade’, entendeu por bem, fazer ouvidos de mercador.

 

Se o senhor ‘guarda’ não gosta de touradas, tinha aqui uma boa razão para mostrar ao que anda. Não pode é querer ganhar o gratificado, e fazer de conta que não está lá, no mínimo. Esperamos que o Relatório da Senhora Directora da corrida, Sandra Strech, que esteve muito atenta e dirigiu com muito acerto e cuidado o espectáculo, está de parabéns, reflita também este aspecto. Se as touradas, as corridas de touros, a tauromaquia, é um acto cultural, tradicional, legal, Constitucional, e tem de ser presidido por um representante do Poder Central, é de boas práticas, e bom serviço público, que os Ministérios se organizem, coordenem, e sobretudo, não exponham os seus agentes a situações de menoridade perante agentes desordeiros, só porque as ‘minorias’ também têm direito. E o direito das maiorias que lhes pagam o seu bilhete, sustentam o sistema, lhes permitem as mordomias? Juízo senhores políticos, ou candidatos a isso! Enquanto têm tempo.

P1050139.JPG

Mas foi uma agradável tarde de toiros a que neste dia de S. Bartolomeu se viveu em Baião. O cartel assim o prometia. Está de parabéns o Luís Pires, antigo cabo dos Amadores de Coimbra, Grupo de Forcados que ali também actuavam, que montou uma corrida com todos os ingredientes para agradar. Cartel tão agradável e apelativo, que motivou a deslocação do Porto, de um Grupo de Aficionados do Norte, que já tinham marcado presença também em Tomar. Corrida à Portuguesa, isto é, só com cavaleiros, actuaram, Marcos Bastinhas, Miguel Moura, e a cavaleira praticante, Soraia Costa, que lidaram toiros de duas ganadarias, S. Martinho, o (1º. e o 5º), e de António Valente, os (2º., 3º. E 4º), com as pegas a cargo dois Grupos de Forcados, os Amadores de Coruche, e de Coimbra, capitaneados por José Pedro Tomás e Pedro da Silva.

Com Marcos Bastinhas em duas actuações a cumprir o que os toiros de duas distintas procedências deixavam, mas com comportamento semelhante, brindou a concorrência com entrega, cravou ferragem com preparação e variada, não faltando o ‘par a duas mãos’ e, se mais não foi possível, agradou e saiu agradado com o carinho que premiou a sua passagem por esta praça que seu querido pai tantas vezes empolgou.

A actuação de Miguel Moura, que lidou também toiros das duas ganadarias presentes, não foi de molde a animar. Cumpriu no primeiro que lhe coube em sorte, atacando, tomando a iniciativa, com ferros antecedidos de ladeios, que resultam muito bem se o diâmetro da arena for de grandes dimensões, e o toiro tiver entrega, que neste caso serviu para rememorar lides com a marca Moura. Na lide do último da tarde, por razões que a Razão não entende, foi de menos a menos, sem garra, a cumprir, com um desentendimento que contabilizou umas quantas batidas nos quartos traseiros dos cavalos.

Aqui não foi confirmou o ditado de ‘não há 5º. mau’. Foi o terceiro da ordem. O único da tarde destinado à cavaleira praticante Soraia Costa. E Soraia mostrou, e demonstrou, porque está cada vez mais no top da arte de lidar toiros a cavalo. Desenvolvendo uma lide em crescendo, soube entender o desafio que tinha pela frente, da casa António Valente, adequando o andamento, os terrenos e as sortes, numa lide que teve dois bons compridos, e seis ferros curtos, a merecer bem ter sido a triunfadora desta agradável tarde de toiros de Agosto em Baião. Uma nota mais para a forma como cada vez conduz melhor os seus cavalos, que denotam serem companheiros de muito trabalho de casa, e merecerem cuidados de apuro e atenção dos tratadores.

Nas pegas, o 1º. da ordem, foi pegado à segunda tentativa por Luís Carvalho, dos Amadores de Coruche, que também pegaram o 4º. ao primeiro intento, por Tiago Gonçalves. Aos Amadores de Coimbra coube pegarem o 2º. Da ordem, por Edgar Graciano, à primeira, e o 5º. Também à primeira, por André Macedo, um jovem do Norte, de Barcelos. Gesto simpático, o do Grupo de Coruche, que convidou o de Coimbra para, num misto, participarem na pega do 3º. da tarde, pega só concretizada, a sesgo à quarta tentativa, pelo jovem Eduardo Pereira.

Conduziu esta tarde de toiros, com acerto, serenidade e muita atenção, a delegada do IGAC, Sandra Strech, que teve no dr. Carlos Santos o responsável pela parte veterinária.

 

Texto e fotos: José Andrade