Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

A TEMPORADA 2014 - AS EMPRESAS QUE ORGANIZARAM OS ESPECTÁCULOS ONDE ESTIVEMOS PRESENTES

26.10.14 | António Lúcio / Barreira de Sombra

Estivemos em quase 30 praças de toiros ao longo desta temporada de 2014 e apenas 5 empresas organizaram 3 ou mais espectáculos e mais de metade daqueles a que assistimos. Se tivermos em conta esta short list de empresas, podemos apresentar o seguinte quadro:

Empresa

Praças

Nº de Espectáculos

Sociedade Campo Pequeno

Campo Pequeno (Lisboa)

9

 

Póvoa de Varzim

1

Aplaudir

Montijo

2

 

Póvoa de Varzim

1

 

Santarém

4

 

Moita

4

Tauroleve

Coruche

3

 

Vila Franca de Xira

3

 

Samora Correia

1

Jorge Carvalho

Arruda dos Vinhos

3

Junta de Freguesia de Abiul

Abiul

3

 

  1. Aplaudir (11espectáculos)

A empresa responsável pela gestão de praças como a Moita, Montijo (em parceria com a Bravura e Tradição), Santarém e uma corrida na Póvoa de Varzim, dispersou a sua actividade pelo País e montou bastantes espectáculos de 6 cavaleiros (naqueles onde estivemos presentes), permitindo diversidade mas diminuindo as reais possibilidades de triunfos confirmados na segunda lide.

Cuidou bem da questão toiro, em termos gerais, com alguns toiros de boa nota e bem apresentados, o que é de enaltecer.

No caso da Praça da Moita, o tempo instável e chuvoso prejudicou nitidamente a feira e obrigou à anulação de 2 dos 5 espectáculos.

Outra nota positiva foi a manutenção de preços baixos em todas as praças.

Nota final: 11 valores

  1. Sociedade Campo Pequeno (10 espectáculos)

A empresa que gere o Campo Pequeno em Lisboa e outras praças, entre elas a Póvoa de Varzim (espectáculos acompanhados por José Andrade, teve o mérito de conseguir 3 lotações esgotadas em Lisboa, o que atesta bem da qualidade desses cartéis e da sua capacidade de convocatória, registando-se nos espectáculos a que assistimos que apenas 2 tiveram toureio a pé, o que soube a pouco. Até porque a novilhada teve muita qualidade.

Repetiu alguns artistas quando podia ter aberto o leque a outros que justificaram na anterior temporada a sua chamada e alguns que mostraram ter valor e dariam uma lufada de ar fresco. Os Forcados, no geral, proporcionaram bons momentos.

No aspecto toiro, nem sempre as coisas rodaram pelo melhor, com algumas reses de escassa presença e trapio, ainda que cumprissem os pesos regulamentares. Pela sua qualidade destacamos o novilho de Murteira Grave que lidou José Garrido.

Nota final: 14 valores

  1. Tauroleve

A presença do toiro-toiro, com idade, peso e trapio, foi nota dominante nas suas organizações, mas no final, em Vila Franca falharam alguns toiros.

Teve o mérito de reaproximar o público à praça de toiros em Vila Franca. Em Coruche houve prestações razoáveis e o festival de Samora Correia teve momentos interessantes.

Destaque para a seriedade dos toiros lidados a pé no Colete Encarnado em Vila Franca.

Nota final: 12 valores

  1. Junta de Freguesia de Abiul

A nova equipa directiva da Junta de Freguesia levou por diante um conjunto de espectáculos com muito nível e mantendo a tradição do toureio a pé, aumentando o número de espectadores e com cartéis bem montados.

O toiro teve presença e os preços mantiveram-se inalterados.

Nota final: 13 valores

  1. Jorge Carvalho (Arruda dos Vinhos)

O nível de espectáculos foi mantido, tal como a tradição. Manteve o apoio aos jovens toureiros com um espectáculo de variedades taurinas e em Agosto com toureio a pé e concurso de ganadarias.

Nota final: 12 valores