Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

A NORTE… ONDE A FESTA TEM OUTRO ENCANTO

10.05.19 | António Lúcio / Barreira de Sombra

P1040989.JPGA Norte… onde a Festa tem outro encanto.

As reuniões, mais ou menos informais e menos numerosas têm sido uma constante, e são uma parte do modo de dar corpo aos preparativos para a anunciada corrida de toiros na Invicta Cidade do Porto. Desta vez o grupo de aficionados que anima e pretende levar por diante na Cidade do Porto o respeito pela diversidade de gosto, onde a Festa dos Toiros , a sua Cultura, Arte e Tradição, fazem parte da História e memória das gentes do Norte, promoveu um jantar, com debate, naturalmente sobre a Festa, em que a convidada foi, a única Cavaleira Tauromáquica do Norte, Soraia Costa.

O Club Thyrsense, palco de algumas das manifestações culturais da cidade de Santo Tirso, e que merecia melhor empenho das entidades autárquicas na preservação e manutenção daquele centenário espaço, foi o local de encontro de cerca de cinquenta aficionados que até ali se deslocaram vindos de diferentes destinos, com relevância para os do Porto, Guimarães, Póvoa de Varzim, e naturalmente os aficionados locais, que merecem um aplauso pela organização e recepção.

Mais que um encontro de convívio entre pessoas com os mesmos gostos pela Festa dos Toiros, sua Cultura, Tradição e Arte, o Club Thyrsense testemunhou uma manifestação de respeito pelo gosto e Liberdade de quem gosta ou não da Festa dos Toiros. O direito à diferença em Liberdade.

E se a Liberdade esteve presente na forma como os diferentes aficionados entendem a Festa dos Toiros, respeitando aqueles que, aproveitando a Liberdade, querem a querem coarctar, restringir, aos que não ‘sinifem’ o seu gosto. Ou porque não entendem, ou dizem não ser moda.

Recompostos os estômagos, que não era o que ali os levara, foi uma delicia ouvir Soraia Costa falar com desenvoltura, conhecimento e carinho, de cavalos, cavaleiros, toiros e tauromaquia. Mais uns tantos artistas deste quilate, mais umas tantas iniciativas deste tipo, e mais interesse, conhecimento e desinteressadas contribuições/manifestações de gosto pela Festa, e se a maioria ainda tem a ‘tourada’ como um bem imaterial cultural de raiz tradicional portuguesa, a manter e preservar, tudo ficaria menos guethizado e barulhento.

Soraia Costa, a ‘nossa menina’ do Norte, como foi carinhosamente por alguém apelidada, com a sua simplicidade, gentileza e serenidade, mostrou que ainda é possível continuar a alimentar o gosto pela Festa dos Toiros, e a Arte de tourear a cavalo em Portugal. Afinal só somos pequeninos, quando deixamos que nos incomodem, sem nos querermos incomodar. Ou então, quando confundimos urbanidade no tratamento social, com urbanos desenraízados.

Como diria aquele brasileiro, ‘foi bonita a festa pá’! Foi mais um bom momento de exaltação ao Gosto e à Liberdade, com gosto e liberdade pelos outros.

Joaquim Filipe Mesquita, o ‘rosto’ deste ajuntamento de aficionados do Porto, que dinamiza os encontros onde a Festa dos Toiros é celebrada, nas breves palavras que proferiu, , renovou o anuncio da realização de uma corrida de toiros no Porto, estando já o cartel definido, o curro escolhido, faltando apenas o local e o dia. ‘Da nossa parte, podemos assegurar que o Porto vai ter este ano uma corrida de toiros’, reafirmou, e ‘se por motivos óbvios, não pode ser o mítico Palácio de Cristal, será em outro local apropriado. ‘Claro que tudo faremos para que Soraia Costa faça parte do cartel’.   Rui Porto Maia, a ‘alma mater’ do Movimentos em Favor da Festa dos Toiros na Povoa de Varzim, indicado para presidir ao Clube Taurino Povoense, um processo de transição que se arrasta, presente, voltou também a comunicar, que em breve, será tornada pública, a data da anunciada corrida de 2019 no concelho da Póvoa de Varzim, cujo processo  legal/administrativo está à responsabilidade da PróToiro. 

Encontro para ouvir e falar de toiros, este convívio em Santo Tirso, foi mais que uma oportunidade para juntar forças, a Norte, com o Sul ausente. Uma ausência concreta e pertinente, que o louvável ânimo da Associação das Tertúlias Tauromáquicas de Portugal, na pessoa só seu presidente, dr. Luís Capucha, ou da PróToiro, telegraficamente tentam desanuviar.

Com o próximo encontro, em data a marcar, na Póvoa de Varzim, registe-se os os agradecimentos aos aficionados de Santo Tirso presentes, obreiros nas condições de realização do encontro, e no fervor com que a divulgação da Festa.

Texto e fotos: José Andrade