Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

100919 moita - mjmh.jpg

A resposta única que encontro é, por cá “tudo como dantes quartel-general em Abrantes”! Num momento tão crítico como o que acontece, com a tauromaquia a agonizar, parada, sem apoios e sem resposta do Estado que a deveria proteger enquanto cultura, como resulta da legislação em vigor e da própria Constituição da República.

Por cá censura-se, tenta-se por todos os meios não pronunciar as palavras touradas e tauromaquia, como se viu recentemente com a Ministra da Cultura na Assembleia da República. António Costa, que em tempos idos frequentava as barreiras do Campo Pequeno e até agraciava o cabo dos Forcados Amadores de Lisboa e batia palmas ao lado do seu companheiro de partido Elísio Summavielle, verga-se agora, demonstrando a sua falta de tudo, às vontades dos antis e responde que para a tauromaquia não haverá nenhuma excepção… Também não é o que se pretende. Apenas que se respeite e que haja um tratamento igual aos dos restantes agentes culturais impedidos de exercer as suas funções.

Em Espanha os toureiros e demais agentes do mundo taurino, reuniram-se e marcaram um importante conjunto de manifestações para o próximo domingo, tendo Sevilha como palco central e já um importante conjunto de localidades se lhes juntou para manifestarem a sua indignação contra a censura a que o Governo espanhol, do socialista Pedro Sanchez, manietado pelos acordos que lhe permitiram ascender a primeiro-ministro, votou a tauromaquia.

Os toureiros vêm para a rua manifestar-se, mas em Espanha. E os jornais de referência, como o ABC destacam entrevistas com o novo Presidente da UCTL, António Bañuelos e o matador de toiros Luís Francisco Esplá com titulares como estas que destacamos e que poderá ler na íntegra em https://www.abc.es/cultura/toros/#vca=menu&vmc=abc-es&vso=portada.portada&vli=portada

El mundo del toro exige la dimisión de Uribes: «Llevamos demasiado tiempo censurados»

Bañuelos: «Los ganaderos vivimos tiempos muy difíciles, con pérdidas de casi 80 millones»

Esplá: «Caminamos hacia el bolivarismo absoluto y el toreo le pica como un sarnazo»

Por cá, António Tereno volta a colocar o dedo na ferida com uma precisão cirúrgica em mais um excelente artigo de opinião em www.toureio.pt intitulado “A morte de mão beijada “, mas aos quais, autor e texto, poucos ligarão e darão a devida importância. Lamentavelmente.

Falta coragem e capacidade de decisão e de união para programar em Lisboa, em Vila Franca, em Évora, em Alcochete, encontros de gente do Mundo Taurino que sirvam para mostrar aos poderes públicos que existimos, somos portugueses com os mesmos direitos dos restantes e uma importante força cultural, social e económica? Se calhar, porque é bem mais cómodo estar em casa num grupo de whatsapp ou no facebook do que enfrentar a dura realidade.

Vão acabar connosco por via de um vírus e vamos permitir que isso aconteça por inoperância? Se calhar está na altura de sermos o eixo de uma nova revolução. O tempo urge e não está nosso favor.

Texto: António Lúcio

Foto: Maria Mil-Homens