Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

BARREIRA DE SOMBRA 30 ANOS (1987/2017)

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

BARREIRA DE SOMBRA 30 ANOS (1987/2017)

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

A FESTA BRAVA EM SOBRAL (VI) - DÉCADA DE 80

09.09.10 | barreiradesombra

Dos anos 80 e 90 do século passado, a festa de toiros em Sobral de Monte Agraço teve também eco nas páginas do jornal regional “Vida Ribatejana”.

 

No ano de 1981 realizaram-se mais espectáculos, pois para além dos habituais das Festas e Feira de Verão, em Setembro, no domingo de Pascoela, 26 de Abril, houve uma novilhada que marcou a estreia oficial do Grupo de Forcados Amadores de Agualva-Cacém. Nesta novilhada em que se lidaram reses de Dias Coutinho, actuaram os cavaleiros Rui Rosado, José Paulo, Carlos Arruda e Paulo Brazuna, com as pegas a cargo dos Forcados de Agualva e de Vila Franca de Xira.

 

Em Setembro, nas Festas, uma corrida mista no dia 13 com as presenças dos matadores de toiros Mário Coelho e Ricardo Chibanga ao lado dos cavaleiros Manuel Jorge de Oliveira e Varela Crujo, com as pegas a cargo dos Forcados Amadores de Vila Franca e uma novilhada mista no dia 14 com os cavaleiros Rui Rosado, José Paulo, Paulo Brazuna e Paulo Amaral e os novilheiros Carlos dos Santos e Pedro dos Santos e os Forcados Juvenis de Vila Franca e Amadores de Agualva-Cacém. Lidaram-se no primeiro dia toiros de Varela Crujo e Irmãos e no segundo dia novilhos de José Lico e Francisco de Goes.

 

António Quintino, em “Paisagem Portuguesa”, coluna por si assinada na edição nº.3169 de 5 de Novembro de 1982, fala das Festas e Feira de Verão em Sobral.

 

“Sobral de Monte Agraço e as suas festas de verão. (...)Bodas de Ouro da Praça de Toiros

Ao Sobral de Monte Agraço acorreu muita gente durante estas festas de 1982, sendo a sua afluência muito grande nos dias 13 e 14 de Setembro. Muitos  quiseram assistir, como é costume todos o anos, às corridas de toiros que se realizaram na monumental praça daquela vila. Caso curioso, podemos registar que esta praça de toiros vistoriada pela primeira vez, em 7 de Setembro de 1932 (...), completou este ano as suas bodas de ouro, pois foi inaugurada no dia 12 de Setembro de 1932, pelas 17 horas, pelo Governador Civil de Lisboa de então, tendo este assistido a uma importante corrida de toiros.(...)”

 

Na semana que antecedeu as Festas e Feira de Verão de 1983 (Vida Ribatejana nº.3209, de 16 de Setembro de 1983), novo espaço dedicado ao Sobral, desta feita sem nome do autor.

 

“Mestre de Avis deu o mote. Sobral de Monte Agraço: sete dias de festa rija. Dois cortejos e duas toiradas, mais um Museu de alfaias agrícolas.

(...) A alvorada de segunda-feira de manhã abriu uma jornada que a Banda de Música de São Tiago de Riba-Ul (Oliveira de Azeméis) abrilhantaria até ao almoço e que, de tarde, teve o seu ponto alto com uma corrida à portuguesa em que alternaram os cavaleiros Luis Miguel da Veiga, Emídio Pinto e Manuel Jorge de Oliveira, bem como os forcados amadores de Vila Franca de Xira e de Alcochete. O curro era do alhandrense Manuel César Rodrigues. (...)”

 

Em Março de 1984 o relevo vai para as obras efectuadas pela empresa “Os Três Tércios” na praça de toiros de Sobral:

 

“Os Três Tércios ficam com Alcácer do Sal e melhoram Sobral

A sociedade tauromáquica “Os Três Tércios”, composta por José Agostinho dos Santos, Laureano dos Santos e Manuel Jacinto, (...) fez obras avaliadas em cerca de quatro mil contos, na de Sobral de Monte Agraço, que explora há várias épocas. Na praça do Sobral, a empresa aumentou as bancadas, retocou os curros e pintou as paredes exteriores. (...) – Vida Ribatejana nº.3234, de 16 de Março de 1984.

 

Mais tarde, e de novo na coluna de tauromaquia do jornal Vida Ribatejana, a indicação das datas para as corridas de toiros em 1984 na vila de Sobral.

 

“Uma organização para valorizar a Festa – “Três Tércios”: Chamusca a abrir e Sobral de Monte Agraço a fechar

As organizações taurinas “Os Três Tércios” (...) vão oferecer-nos dez corridas esta temporada. A sua actividade (...) fechará no dia 11 de Setembro, no Sobral de Monte Agraço, por ocasião das festividades locais. (...) A empresa dará corridas (...) em Sobral de Monte Agraço nos dias 10 e 11 de Setembro. (...)” – edição nº.3237, de 6 de Abril de 1984

 

A 7 de Setembro de 1984 o jornal indica quais os cartéis da feira.

 

“Sobral do Monte Agraço: Veiga, Sommer e Pinto na corrida de 2ª.feira

Luis Miguel da Veiga, Sommer de Andrade e Emídio Pinto são os cavaleiros contratados para o primeiro de dois espectáculos das tradicionais Festas e Feira de Verão do Sobral de Monte Agraço, já na próxima segunda-feira, a partir das 5 horas da tarde. Os toiros são de José Luís Dias, de Salvaterra de Magos, e das pegas incumbir-se-ão dois grupos de forcados: Vila Franca e de Portugal, capitaneados por José Dotti e Rafael Oliveira respectivamente. No dia seguinte (...) «Córdoba Taurina» vindo directamente de Madrid com anões toureiros e «Cantinflas de Madrid».”

 

O ano de 1985 marca a denominada primeira Feira Taurina de Sobral, com a realização de três espectáculos tauromáquicos, e o “Vida Ribatejana” volta a destacar as festas e as corridas de toiros, na sua edição de 6 de Setembro (nº.3309).

 

“De Domingo a 3ª.Feira I Feira Taurina do Sobral de Monte Agraço

A praça do Sobral de Monte Agraço será palco da sua I Feira Taurina entre domingo e terça-feira, com artistas para todos os gostos, a pé e a cavalo. Três grandiosos espectáculos assinalarão este certame, de iniciativa das Organizações Taurinas “Os Três Tércios”. Domingo, grande novilhada nocturna (a partir das 22 horas) com Carlos Pamplona e Paulo Brazuna, a cavalo, e Celso Ortega e José Luis Gonçalves, a pé. Forcados de Agualva-Cacém (chefiados por José Espinheira) ante seis novilhos-toiros dos Herdeiros de Manuel César Rodrigues. Na segunda-feira, o principal espectáculo, uma corrida à portuguesa com Emídio Pinto, Manuel Jorge de Oliveira e Rui Salvador, ante seis toiros de Irmãos Dias, de Salvaterra, com os Forcados de Vila Franca e de Portugal nas pegas. Terça-feira, dia 10, também ás cinco horas da tarde, quatro jovens cavaleiros num espectáculo de variedades taurinas: Mário Bray (de Sobral), Pedro Franco (Penedos de Alenquer, Labrugeira), Luis Nortada (Praia das Maçãs) e Alexandre Gaspar (Azambuja), ante reses de José Luis Dias, mais os Forcados Juvenis de Portugal, comandados por José Filipe Miguel.”

 

Em 1987 as Festas e Feira de Verão tiveram, de novo, três espectáculos taurinos: domingo, segunda e terça-feira. No domingo, dia 13, à noite, um espectáculo de toiros e fado, com a presença do consagrado fadista Nuno da Câmara Pereira e três cavaleiros amadores – Mário Bray, Júlio Vilhena e João Paulo – que lidaram três novilhos de José Luis Dias com as pegas a serem efectuadas pelos Forcados de Agualva. Na segunda-feira, 14, teve lugar a corrida à portuguesa que contou com os cavaleiros Luis Miguel da Veiga, António Telles e Frederico Carolino. Pegaram os Forcados de Vila Franca, de José Dotti, e os de Portugal, de José Filipe Miguel. Os toiros eram da ganadaria de José Luis Dias. E, finalmente, na terça-feira, dia 15, à tarde, teve lugar um espectáculo cómico-taurino com “El Gran Tótó” e os cavaleiros Marta Manuela, Elena Gayral e José Manuel Duarte. Os Forcados eram os Juvenis de Vila Franca e as reses de José Luis Dias.

 

Corria o ano de 1988 quando o jornal Vida Ribatejana volta a referir-se às festas de verão e às corridas de toiros em Sobral de Monte Agraço. Foi na semana anterior às Festas (2 de Setembro – edição nº.3463).

 

“Monte Agraço: festas e toiros

Uma corrida de toiros – à portuguesa – e um espectáculo cómico-taurino constituem as atracções tauromáquicas das tradicionais festas e feira de verão de Sobral de Monte Agraço que decorrerão nesta vila em 12 e 13 do corrente numa organização de “os Três Tércios”.

Os cavaleiros Joaquim Bastinhas, Rui Salvador Frederico Carolino e João Salgueiro são os artistas da corrida de dia 12, a partir das 17 horas, os quais lidarão seis toiros da Sociedade Agrícola de Santo Estevão que serão pegados pelo Grupo de Forcados Amadores do Ribatejo, capitaneados por Rui Barreiros.

No dia 13, a partir das 5 da tarde, terá lugar o espectáculo cómico-taurino com «Toronto»(...) Serão ainda lidadas reses (...) pelos cavaleiros Marta Manuela e (...) José Manuel Duarte. Os Forcados Juvenis Amadores da Chamusca estarão nas pegas.”

 

Em 1989 voltaram a realizar-se dois espectáculos tauromáquicos, mantendo-se as datas de segunda e terça-feira. Em Vida Ribatejana, edição de 1 de Setembro, vem destacado, de novo, a realização das festas e das corridas de toiros.

 

“Sobral de Monte Agraço: Festas e Feira com uma corrida

Uma corrida mista no dia 11 e uma tarde de variedades taurinas, no dia imediato, preenchem os cartéis das Festas e Feira do Sobral de Monte Agraço, naqueles dois dias (...)

José Júlio é o único artista a pé desta feira, fazendo a sua despedida da Praça de Toiros de Sobral de Monte Agraço com dois toiros da Sociedade Agrícola de Santo Estevão. A cavalo actuarão Joaquim Bastinhas, Rui Salvador e Frederico Carolino. Pegarão os Forcados do Grupo de Montemor, chefiados por Paulo Vacas de Carvalho.

No dia 12, dia da festa (...), os anões toureiros e Cantinflas de Madrid (...) preencherão com variedades taurinas a primeira parte do espectáculo. A segunda mostrar-nos-à os jovens cavaleiros Marco José, Rui Santos e Ana Batista na lide de cinco reses de Sociedade Agrícola de Santo Estevão, serão pegados pelos Forcados Juvenis Amadores da Chamusca.”

 

A 22 de Setembro, o crítico taurino João Antunes, escreveu que

 

“Sobral de Monte Agraço com Festa e Feira. Forcados estiveram á altura. Cavaleiros também corresponderam.

“Os forcados (Amadores de Montemor) estiveram á altura, os cavaleiros corresponderam, por ocasião da tradicional festa e feira de verão de Sobral de Monte Agraço. Os cavaleiros foram Bastinhas, Salvador e Carolino. Como único espada, e fazendo a sua despedida desta praça (...) actuou José Júlio. O espectáculo dos espectáculos foram Bastinhas, com as bandarilhas a duas mãos, e Rui Salvador pela qualidade que imprimiu ao seu segundo toiro(...).

José Júlio, o único matador de serviço, não teve a mesma sorte que os seus pares a cavalo, dos dois, difíceis e incertos, que lhe saíram para a lide a pé.(...)” – Vida Ribatejana, nº. 3518

 

Aqui vos deixo uma série de cartazes dos anos 80.