Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

ESTAMOS NO FINAL DO ANO… O QUE PEÇO PARA 2014

26.12.13 | António Lúcio / Barreira de Sombra

O ano de 2013 está quase a finar-se e a temporada tauromáquica portuguesa  há muito que terminou. Foram feitos balanços, análises, deram-se prémios a torto e a direito ou por tudo e por nada, tal como nas nossas corridas as voltas a cavalo e a pé se tornaram de tal forma banais que já quase ninguém reclama… Mas como o ano está praticamente no final, e apesar de não ter podido estar lá, entendo que o evento “Feira de Campo” na Torrinha foi o único que trouxe inovação e alguma dose extra de criatividade à temporada, aproximando o grande público ao campo, aos cavalos, aos toiros e a todas as actividades que giram em torno desses dois animais e do seu espaço. Espero que, no ano que está prestes a nascer, a organização volte a empenhar-se para seja de novo uma realidade.

 

Quando, em 2012, se apresentou o ciclo de novilhadas de promoção, todos pensávamos que, com a empresa do Campo Pequeno envolvida, as várias Escolas de Toureio, Associações de classe representadas, que esse ciclo teria continuidade em 2013 e serviria para o lançamento dos novos valores e, acima de tudo, para criar novos aficionados. Pura ilusão pois em 2013 tudo ficou em águas de bacalhau. Espero que em 2014 esta iniciativa seja retomada, com o esforço de todos, para bem do futuro da Festa Brava.

 

Em 2013 a RTP abandonou a temática taurina como quem abandona um cão tinhoso. E não me venham com a história de que transmitiram, em ano de grandes dificuldades financeiras, três corridas de toiros e assim mantiveram o serviço público de TV e até porque a TVE (congénere pública espanhola) só transmitiu uma corrida… Pois é, mas todas as semanas a TVE mantém o seu «Tendido Cero», programa de tauromaquia, no ar enquanto que por cá o «Arte & Emoção» de José Cáceres foi pura e simplesmente banido da grelha da RTP/2. Alguns protestos, pouco veementes, e a 2 da RTP sacudiu a água de um capote que lhe era incómodo por ultrapassar, em muito, as médias de audiências do canal… Desejo que volte em força em 2014 e, de preferência, acompanhado de bastantes transmissões de corridas de toiros.

 

O toureio a pé, em 2013, teve escassas oportunidades. Apesar disso, e em especial na Moita, meteu gente e houve quem vibrasse, nas poucas praças de datas, com bons momentos de toureio. A corrida mista deveria ser uma realidade para ajudar a fomentar a afición e levar mais gente às praças e espero que em 2014 as empresas se lembrem de alguns toureiros que tiveram de sair do seu País para poderem tourear com alguma regularidade. Matadores e novilheiros temos, com qualidade também, e não levam menos gente às praças que alguns cavaleiros em algumas datas.

 

No campo ganadeiro, temos ganadarias de classe, toiros com peso e trapio para preencher os grandes cartéis da temporada. A verdade do toiro-toiro é imprescindível para que o público sinta emoção e perigo e valorize o que os toureiros fazem na arena. Espero, também, que 2014 continue a marcar essa seriedade que algumas empresas puseram na escolha dos toiros e que os toureiros compreendam que só assim o público voltará a acreditar e a pagar a entrada para esgotar as praças de toiros.

 

Finalmente, e no campo da comunicação social taurina, com duas revistas e um jornal, estamos bem servidos. No capítulo das novas tecnologias – internet -, os blogues e sites deveriam ser avaliados pelos aficionados e pelos empresários, não apenas porque servem de correia de transmissão de algumas ideias, de favorecimento de empresas e toureiros, ou porque colocam vídeos e fotos na hora, mas pelo trabalho sério e consciente dos que neles colaboram, pelo qualidade das crónicas e do seu português, pelos conhecimentos técnicos das sortes do toureio, do toureio e do comportamento dos toiros; pelo valor das fotos colocadas on-line; em suma, há que separar o «trigo do joio». Ao nível da rádio, e quando já somos poucos os que mantêm programas de tauromaquia, que se mantenham todos no ar em 2014.

 

A todos quantos fazem a nossa tauromaquia, e em especial àqueles que se mantém fiéis seguidores do espectáculo e preenchem as bancadas das praças, desejo um Ano de 2014 com muitas boas faenas.