Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

SEM OVOS... NÃO SE FAZEM OMELETES. TOUREIROS ESFORÇADOS MAS FOI TIRAR ÁGUA DE POÇO SECO

06.09.13 | António Lúcio / Barreira de Sombra

Praça de Toiros do Campo Pequeno – 05.09.13 – Corrida à Portuguesa

Director: Pedro Reinhardt – Veterinário: José M. Lourenço – Lotação: quase cheia

Cavaleiros: António Telles, Pablo Hermoso de Mendoza, Miguel Moura

Forcados: Amadores de Lisboa e Évora

Ganadaria: Passanha

 

SEM OVOS... NÃO SE FAZEM OMELETES. TOUREIROS ESFORÇADOS MAS FOI TIRAR ÁGUA DE POÇO SECO

 

A continuar a aposta nesta linha de toiros a Festa Brava vai rapidamente cair no buraco pois não há quem aguente espectáculo tão enfadonho, toiros mansos e sem vontade de investir, pagando bilhetes caríssimos para ver as figuras e com vontade de sair do seu lugar ainda antes da sexta lide. Foi mau o comportamento dos seis irrepreensivelmente apresentados toiros de Passanha e os toureiros bem se esforçaram por tentar tirar alguma água de um poço completamente seco de casta e de bravura.

 

António Telles cumpriu no seu primeiro com um terceiro comprido de muito boa nota bem preparado e um segundo ferro curto entrando bem de frente, face a um toiro que sempre procurou adiantar-se e adivinhar o caminho das montadas. No quarto da noite foi uma lide clássica, sem concessões à bancada, com sobriedade e valor na forma como se colocou para as sortes e deixou a ferragem, de boa nota, em sortes frontais.

 

Pablo Hermoso de Mendoza esteve francamente bem no seu primeiro, com boa brega e sortes bem desenhadas quer nos compridos quer nos curtos, com alguns momentos de boa nota e bons ferros entrando nos terrenos do toiro.  O quinto, um manso de solenidade, parado e na defensiva, não ligava às montadas ainda que estas rodassem na sua cara a palmos de distância. Pablo cravou-lhe os ferros, sem chama e sem sabor e houve assobios, prolongados no momento da recolha de morlaco.

 

Miguel Moura atacou ambos os toiros com sortes cambiadas, umas mais ajustadas que outros, saindo de vários pontos do redondel e cravando assim a ferragem curta. Duas actuações também prejudicadas pela pouca ou quas e nula colaboração dos toiros.

 

Dois Grupos de Forcados Amadores apresentaram-se para pegar estes Passanhas: Lisboa e Évora. O Grupo de Lisboa mandou para a cara do primeiro Gonçalo Gomes que recuou muito bem e consumou ao primeiro intento tal como Daniel Batalha e Manuel Guerreiro, este a demonstrar enorme decisão pela ncessidade de provocar cara a cara a investida ao mansíssimo quinto. Pelos Amadores de Évora e frente ao segundo da noite esteve com muita decisão Gonçalo Pires que se fechou à 2ª; seguido de Manuel Rovisco à terceira e João Pedro Oliveira numa boa cara ao primeiro intento.

 

Na direcção de corrida esteve Pedro Reinhardt assessorado pelo veterinário José Manuel Lourenço, com praça cheia.