Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

TRÊS GRANDES TOIROS DE ANTÓNIO SILVA; BRITO PAES E SÓNIA MATIAS DESTACAM-SE EM LISBOA

21.06.13 | António Lúcio / Barreira de Sombra

Praça de Toiros de Lisboa – Campo Pequeno – 20.06.13 – Corrida à Portuguesa

Director: Pedro Reinhardt – Veterinário: Jorge M. Silva – Lotação: ½ casa

Cavaleiros: Sónia Matias, Brito Paes, Duarte Pinto, Tiago Carreiras, Marcelo Mendes (confirmação de alternativa), David Oliveira (praticante)

Forcados: Amadores de Santarém, Amadores de Montemor

Ganadaria: António Silva

 

TRÊS GRANDES TOIROS DE ANTÓNIO SILVA; BRITO PAES E SÓNIA MATIAS DESTACAM-SE EM LISBOA

 

Os três primeiros toiros da ganadaria de António Silva que saíram à arena lisboeta traziam, nas suas investidas e na sua qualidade, os ingredientes para os toureiros cozinharem triunfos maiores, de impacto. Foram toiros que, em diversos graus, tiveram bravura, mobilidade, nobreza, codícia. E o segundo e o terceiro foram ovacionados pelo público ao regressarem aos currais. Os outros três foram a menos em todas as condições que destacamos nos primeiros mas, ainda assim, com qualidades para o trunfo. E quem melhor os aproveitou foram Brito Paes e Sónia Matias. Merecida a chamada da representante da ganadaria à arena após a lide do segundo.

 

A corrida começou com a cerimónia de confirmação de alternativa de Marcelo Mendes, a quem Sónia Matias cedeu a lide do toiro nº 216, de nome “Lustroso” e com o peso de 560 kilos, que Marcelo recebeu bem para cravar 2 compridos. Depois, para a série de curtos, não entendeu a qualidade do toiro que tinha por diante e apenas o terceiro ferro foi de boa nota, de frente e com viagem templada. O cavalo escorregou na preparação para o ferro seguinte, foi agarrado pelo toiro mas felizmente sem consequências e o cavaleiro cravou ainda mais um ferro. Não foi uma noite feliz mas...

 

Sónia Matias lidou um toiro imponente, com uma córnea desenvolvida e a lembrar toiros de antigamente. A lide foi de boa nota, com Sónia a encontrar bem as distâncias e a procurar os cites frontais para abordar bem o toiro nas sortes e deixar ferragem aplaudida. Rematou a sua actuação com um de plamo e outro ferro em sorte de violino. Passagem agradável por Lisboa.

 

António Maria Brito Paes está a fazer uma boa temporada e confirmou-a nesta sua actuaçao frente ao nobre terceiro da ordem. Uma actuação pausada, com boa brega, medida exacta para os adornos e bons ferros curtos para além de um comprido de muito boa nota. Uma lide premiada com fortes aplausos e que, para nós, foi a melhor da noite.

 

Duarte Pinto teve um toiro menos franco mas entendeu-se bem com ele quer na brega quer na cravagem. Boa abordagem para os curtos, em sortes onde os quarteios permitiram boas cravagens, templando nas viagens em que se deixou ver sempre a encurtar distâncias para que o toiro se não adiantasse. Em plano de lidador.

 

Tiago Carreiras podia ter assinado um importante triunfo porque o quinto da noite assim o teria permitido. Bastava-lhe ter diminuído os andamentos nos cites, templando mais as viagens, pois o toureio quere-se devagar para ter impacto e qualidades superiores. Os dois ferros em que atacou, de praça a praça, o toiro, se executados em viagens templadas, teriam sido superiores. Mas é apenas a opinião do escriba e o público aplaudiu com força, sinal de que gostou.

 

O praticante David Oliveira lidou um toiro fracote de mãos mas que não incomodava nas sortes. Precisava que lhe pisassem os terrenos e o cavaleiro de Bucelas mostrou ter capacidade para resolver, de forma positiva, a papeleta. Deixou a ferragem da ordem em quarteios bem marcados perante o agrado do público.

 

No capítulo da forcadagem exibiram-se dois Grupos de muitos pergaminhos: Santarém e Montemor. João Torres Vaz Freire à 1ª, António Grave de Jesus à 1ª e João Brito também à 1ª foram os forcados que consumaram as pegas de caras dos Amadores de Santarém e Frederico Caldeira à 3ª,  João Caldeira à 2ª e José Maria Cortes à 1ª marcaram a noite pelos Amadores de Montemor.

 

Com cerca de meia casa preenchida, a direcção de corrida esteve a cargo de Pedro Reinhardt assessorado pelo veterinário Jorge Moreira da Silva.