Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

BOA TARDE DE TOIROS EM ENCARNAÇÃO COM TRIUNFOS DE MOURA E MARCELO MENDES

03.06.10 | António Lúcio / Barreira de Sombra

A tarde apresentou-se fresca e sem sol e o público quis render homenagem póstuma a Nuno Raposo um jovem entusiasta da festa brava, e a uma bonita moldura humana corresponderam os toureiros e os forcados com exibições de muito bom nível, pautadas pela seriedade e peloa frontalidade do toureio praticado e com o praticante Marcelo Mendes a não se inibir perante o consagrado maestro João Moura, dando ambos uma boa tarde de toureio a cavalo.

 

João Moura, quando menos se espera destapa o frasco das essências. Entendeu na perfeição os dois novilhos-toiros de Cunhal Patrício que, como os restantes, cumpriram. Bons momentos na brega, cites vistosos e a encontrar toiro em todos os terrenos, permitiram ao maestro cravar uma série de curtos de muito boa nota, encurtando distâncias e provocando as investidas aos toiros. O primeiro comprido no segundo do seu lote é excelente pela viagem e pela forma como aborda o toiro e crava o ferro e dois curtos, em sortes frontais são também de muito boa nota em cada uma das lides. Rematou com os de palmo entre o forte entusiasmo popular.

 

Marcelo Mendes jogava cartada importante face ao alternante que tinha. E triunfou também mercê da sua entrega e da boa escolha dos terrenos para cravar a ferragem, o que fez com nível, rematando bem as sortes e deixando os oponentes colocados para o ferro seguinte. Deu distâncias para se deixar ver no cite e provocar a investida e soube encurtar as distâncias quando o andamento dos toiros diminuiu. Bons ferros curtos em ambos os toiros, culminando com um excelente par de bandarilhas a duas mãos sob fortes aplausos do público.

 

Os dois Grupos de moços de forcado não tiveram dificuldades de maior para pegarem os 4 exemplares de Cunhal Patrício. Assim, pelos Amadores do Ribatejo foi o cabo João Machacaz quem abriu praça com uma boa pega ao primeiro intento, secundado por Mário Gouveia também bem na cara do novilho-toiro e a consumar à primeira. Pelos Amadores de São Manços foram caras André Azeda numa boa intervenção ao primeiro intento e Nuno Leão consumou à segunda outra boa pega de caras.

 

Direcção de Pedro Reinhardt, muito preocupado com o cronómetro, assessorado pelo médico-veterinário José Manuel Lourenço. No início da corrida foi prestada homenagem, no centro da arena, a Nuno Raposo.