Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

JOVENS TOUREIROS SEMEIAM A ESPERANÇA ENTRE OS AFICIONADOS. LEO VALDÉS, DO MÉXICO, TRIUNFADOR DO V ENCONTRO INTERNACIONAL DE ESCOLAS DE TOUREIO

06.02.12 | António Lúcio / Barreira de Sombra

A predisposição dos jovens toureiros, alunos das seis Escolas de Toureio presentes neste V Encontro Internacional de Escolas de Toureio que teve lugar em Arruda dos Vinhos e no Campo Pequeno, deixaram abertas as portas da esperança na continuidade do espectáculo, na vertente toureio a pé e com alguns dos portugueses a destacarem-se também e a mostrarem tenacidade e decisão frente às complicações que algumas reses patentearam.  Gostámos do que vimos e a pergunta que fica é de que quando é que se repetem estas aulas práticas para todos podermos desfrutar e aprender um pouco mais.

 

Teve lugar na tarde de domingo, 5 de Fevereiro, na arena do Campo Pequeno a final do V Encontro Internacional de Escolas de Toureio da qual se sagrou triunfador o mexicano Leo Valdés (Aguascalientes), enquanto que os restantes prémios foram destinados a Pedro Cunha, da Escola de Toureio José Falcão – Melhor lide de capote – e Victor Talon da Escola de Madrid – Melhor Faena. Lidaram-se erales e novilhos de São Torcato, alguns complicados e com génio, e a anteceder o espectáculo foi realizada uma homenagem a Felipe Diaz Murillo, fundador da Escola de Toureio de Madrid, enquanto que no Salão Nobre do Campo Pequeno, pelas 15h30 teve lugar uma palestra do coronel José Henriques sobre Carlos Arruza e Manuel dos Santos.

 

A Escola de Toureio de Madrid fez-se representar nesta final por Victor Talon e Luis Pasero, com o primeiro a estar muito bem de capote por verónicas e num quite por chicuelinas, quite que Pasero repetiria mas sem grande impacto. Com a muleta exibiu-se em bom plano Victor Talon, nomeadamente no toureio pelo lado direito, com alguns muletazos de muito boa nota e uns quantos naturais aplaudidos. Luis Pasero, mais verde ou menos inspirado, sacou alguns muletazos soltos e sem conseguir impor-se ao novilho.

 

Por Salamanca Alberto Escudero mostrou boas maneiras com o capote e sacou passes com interesse por ambos os pitons, ligando bem alguns deles, mas com um final algo comprometido.

 

A Escola de Toureio José Falcão, de Vila Franca, mostrou-nos um Pedro Cunha em plano de novilheiro, decidido e entregue em busca do triunfo. À porta-gaiola foi receber o seu novilho com uma larga cambiada de joelhos e depois outra junto a tábuas, com algums verónicas neste quite. Ante um novilho brusco, manso, de arreões, o pior dos lidados, Cunha entregou-se, conseguindo uns quantos passes de muito mérito e exposição, com uma decisão e mentalização que deixam antever boas prestações- O seu colega Pedro Noronha não esteve acertado com o capote, onde João Silva “Juanito” foi fortemente aplaudido num quite. Pedro Noronha mostrou depois bons modos com a muleta, aqui e ali com bons pormenores e podendo com o novilho.

 

Leo Valdés e Diego Emilio representaram a Escola de Aguascalientes. E o primeiro é todo um caso. Com postura, serenidade, placeado, com decisão e determinação, esteve muito bem a lancear á verónica rematadas com expressiva rebolera e Diego Emilio num quite por chicuelinas. Com a muleta esteve Leo Valdés muito expressivo, bem colocado, trazendo o novilho bem embebido na muleta e a tourear com classe e profundidade. Foram dele alguns dos melhores momentos da tarde. Diego Emilio desenvolveu labor positivo com a muleta.

 

Pela Escola de Toureio da Moita actuaram Diogo Damas e João Rodrigues, ambos com poucas hipóteses no toureio de capote ante a brusquidão do novilho que melhorou um pouco após as bandarilhas. Enquanto Diogo Damas cumpriu razoavelmente com a muleta enquanto João Rodrigues conseguiu alguns bons naturais e foi a mais ao longo da lide.

 

Em sexto lugar actuaram os alunos da Academia do Campo Pequeno António Fernandes e Diogo Peseiro, o primeiro a revelar menos desenvoltura quer com o capote quer com a muleta e o segundo a conseguir destacar-se do seu colega na faena de muleta. Contudo estes são os jovens menos placeados e viram-se com agrado.

 

Foi mais uma jornada interessante e de verdadeira promoção da Festa Brava e em especial do toureio a pé.