Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

 

Com o Salão Nobre quase cheio, a conferência de imprensa da Sociedade Campo Pequeno para balanço da temporada de 2011 ficou marcada pela declaração de Rui Bento, director de actividades tauromáquicas, que afirmou nomeadamente que teriam havido «investidas mansas» e que colocava o seu lugar à disposição da administração sobre a sua continuidade enquanto director de tauromaquia, posição que terá surpreendido a maioria dos presentes, dado ser um lugar de grande importância.

 

Mas a sessão começou com as palavras do Dr. Henrique Pina Borges sobre as praças de que Campo Pequeno rege – Campo Pequeno, Arruda dos Vinhos, Nazaré e Figueira da Foz – e do êxito que foram a maioria dos espectáculos e colocando o acento tónico nas dificuldades que se avizinham mas que com a colaboração de todos pretendem continuar na senda dos últimos anos, realçando o papel de Rui bento na organização e na obtenção dos resultados de toda uma equipa liderada pelo antigo matador de toiros.

 

Paulo Pereira, das Relações Públicas e Comunicação, apresentou os dados da temporada sendo de realçar que a SRUCP realizou um total de 30 espectáculos nas suas 4 praças, com a  seguinte distribuição:

Praças e espectáculos

  • Campo Pequeno
    • 15 corridas de toiros, 1 novilhada popular, 1 festival, 1 capeia arraiana, 1 aula prática de toureio
  • Nazaré
    • 5 corridas de toiros, 1 espectáculo de arte equestre
  • Figueira da Foz

    • 3 corridas de toiros
  • Arruda dos Vinhos

    • 2 corridas de toiros

Ganadarias

 

No capítulo das reses lidadas em espectáculos organizados pelo Campo Pequeno, foram utilizadas 172 reses das quais 152 toiros (Campo Pequeno, 97; Nazaré, 31; Figueira da Foz, 12, e Arruda dos Vinhos, 12), 19 novilhos (Campo Pequeno) e 1 vaca (Campo Pequeno), sendo que as ganadarias que mais lidaram foram:

  1. Pinto Barreiros – 19
  2. Vinhas – 16
  3. São Torcato – 13
  4. Passanha – 13
  5. Maria Guiomar Moura – 12
  6. Grave – 12

E no que toca a média de pesos esta atingiu os 540.89 Kg (média de 547.75 para os lidados a cavalo e 503.21 para os lidados a pé) enquanto que a média de peso dos novilhos foi de 462.14 Kg.

 

Artistas por categoria e nacionalidade

 

Neste campo, actuaram em praças geridas pela Sociedade Campo Pequeno:

  • Cavaleiros Profissionais:  26
    • Portugueses: 24
    • Espanhóis: 2
  • Matadores de Toiros: 8

    • Portugueses: 4
    • Espanhóis: 3
    • Colombianos: 1
  • Novilheiros: 4

    • Portugueses: 2
    • Espanhóis: 1
    • Mexicanos: 1
  • Novilheiros Praticantes

    • Portugueses: 6
    • Espanhóis: 10
    • Mexicanos: 3
    • Peruanos: 1
  • Grupos de Forcados: 26

Estreias no Campo Pequeno

  • Ganadaria de Rêgo Botelho, a 19 de Maio
  • Matador de toiros Luis Bolívar, a 19 de Maio
  • Cavaleiro João Mª. Branco, a 16 de Junho
  • Forcados Amadores de Coimbra, a 16 de Junho
  • Matador de toiros Leandro Marcos, a 21 de Julho

Homenagens realizadas em 2011

 

Campo Pequeno

    1. 28 de Julho – à Figura dos Forcados Portugueses
    2. 11 de Agosto – ao matador José Falcão, no 37º aniversário da colhida mortal em Barcelona, e ao cavaleiro José Varela Crujo, colhido a 11 de Agosto de 1983 no Campo Pequeno
    3. 26 de Agosto – ao matador Vítor Mendes pela passagem do 30º aniversário da sua alternativa

 Nazaré

    1. 16 de Julho – a Mestre David Ribeiro telles

Confirmações de alternativa

 

Foram duas: João Cerejo a 4 de Agosto e Tito Semedo a 11 de Agosto.

 

Avançando nos dados referentes à temporada de 2011, Paulo Pereira passou de seguida à análise das corridas transmitidas pela RTP (5) e pela TVI (3), seus shares e audiências, valores que apresentamos de seguida:

 

Data

Praça

Audiência Média (%)

Share (%)

2 junho

Campo Pequeno

5.8

19.3

7 julho

Campo Pequeno

6.6

37.3

23 julho

Figueira da Foz

6.2

33.6

4 agosto

Campo Pequeno

6.5

40.3

18 agosto

Campo Pequeno

4.4

15.2

27 agosto

Figueira da Foz

4.2

16.0

8 setembro

Nazaré

4.2

13.9

29 setembro

Campo Pequeno

3.9

14.1

 

 

 

 

 

Estas corridas geraram receitas adicionais de 100 mil euros (direitos de imagem) distribuídos da seguinte forma: Associação Nacional de Toureios (Fundo de Assistência) 76 mil euros e Associação de Criadores de Toiros de Lide 24 mil euros.

 

No que se refere a assistência média por corrida em Lisboa ela atingiu 5180 espectadores com uma taxa média de ocupação fixada entre os 75 e os 77%, o que regista alguma descida em relação ao ano anterior, enquanto na Nazaré e na Figueira da Foz as taxas de ocupação se fixaram na ordem dos 85%.

 

Paulo Pereira teceu ainda considerações quanto ao total de abonados (que aumentaram para 432), quanto a colaborações com outras entidades e projectos futuros, não deixando de forcar a importância da Academia de toureio que tem cerca de 35 alunos e funciona com o apoio do matador José Luis Gonçalves, do cavaleiro Rui Salvador e do bandarilheiro Américo Manadas.

 

A ANÁLISE DE RUI BENTO – DIRECTOR DE ACTIVIDADES TAUROMÁQUICAS

 

Rui Bento iniciou a sua análise aos factos da temporada de 2011 com o tema da «porta grande» do Campo Pequeno e com a necessidade de ser reformulada a sua abertura para triunfos sonantes, pedindo à Administração do Campo Pequeno que analisasse o assunto face à ausência de posição da IGAC.

 

Falou das questões polémicas das substituições de vários toureiros – Talavante, Cartagena e Cayetano – frisando que os dois últimos não deixaram margem para dúvidas quanto à natureza das lesões e que o primeiro não veio porque não quis e porque toureava em Madrid no dia seguinte ao previsto para Lisboa… Apesar disso, a temporada em Lisboa teve emoção, houve toiros com mobilidade e que permitiram o espectáculo e o triunfo dos toureiros e que o público desfrutasse de bons espectáculos.

 

Rui Bento colocou depois o “dedo na ferida” ao referir que para a descida do total de espectadores e apesar das 3 lotações esgotadas (5 em 2010), muito haviam contribuído 5 corridas com jovens toureiros e uma delas com 3 Grupos de Forcados de primeiro plano: em 2 de Junho a corrida dos 6 cavaleiros de dinastia, a 21 de Julho com a saída de Cayetano do cartel, a 28 do mesmo mês na homenagem aos forcados, a 11 de Agosto na homenagem a José Falcão e Varela Crujo e no cartel de juventude de 1 de Setembro. Recordou que muitas vezes, com jovens toureiros e com as imposições de toiros e os cachets pedidos, tal se torna incomportável e a necessitar de urgente reformulação de posturas por parte dos apoderados e toureiros pois não levam tanta gente à praça como os cavaleiros que têm mais de 20 anos de alternativa e continuam a encher as bancadas. Um alerta muito interessante, afirmamos nós.

 

O Campo Pequeno continua, segundo Rui Bento, empenhado na promoção do toureio a pé e recordou os nomes do que tourearam em Lisboa e do apoio á parceria com a tertúlia “Piriquita” de Arruda no encontro internacional de escolas de toureio, para além da própria academia de toureio que lançaram.

 

Realçou o papel do nome Campo Pequeno nas outras praças que gerem e aos resultados alcançados e terminou com um agradecimento à Administração com quem tem trabalhado nestes 6 anos e colocando o seu lugar á disposição.

 

Após um período destinado a perguntas e respostas, usou da palavra o Dr. João Borges cujas declarações terão lugar de destaque no nosso blogue ainda esta semana. No final foi entregue o cheque à Fundação L.Vida com os resultados líquidos do festival de 13 de Outubro, no montante total de 76321 euros.

 

Fotos: Emílio