Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

A afición da região Oeste da Estremadura vibra de forma intensa com a Festa Brava e não regateia aplausos aos toureiros quando lhes reconhecem entrega e vontade de triunfo. Foi o que aconteceu em Ponte de Rol, concelho de Torres Vedras, na tarde de sábado 15 de Maio, com boas actuações dos quatro cavaleiros, a entrega do veterano maestro José Júlio e a presença dos novilheiros Daniel Nunes e Júlio Antunes, este menos placeado, ante reses de diversas proveniências.

 

Joaquim Bastinhas abriu praça frente um toiro de Dias Coutinho com problemas de visão e manso, dificultando alide ao veterano cavaleiro alentejano que, com o saber da experiência e sentido toureiro lhe cravou uns ferros por dentro e com boa brega o procurou deixar colocado para as sortes e os últimos curtos foram de muito mérito, de frente um e a sesgo o último, bastante aplaudidos pelo público.

 

Sónia Matias, com um toiro de Rio Frio que foi mansote, assinou um bom triunfo neste festival mercê da sua garra e entrega, muito bem na brega e com a série de curtos em crescendo, onde o terceiro é de muito boa nota em sorte frontal bem executada, a deixar-se ver no cite e a encurtar as distâncias para cravar de alto a baixo e rematar esta sua boa exibição com dois de violino. Volta muito aplaudida no final.

 

Marcos Tenório também esteve em bom plano com um toureio frontal de viagens muito rectas e com bonitos e bem conseguidos remates das sortes frente a um toiro cumpridor de Santa Maria. Quatro curtos de muito bom nível, a partir para o toiro e a cravar como mandam as regras, rematando esta triunfal actuação com um de palmo de muito boa execução.

 

Marcelo Mendes, que lidou um novilho de Felicidade Dias que serviu, não esteve acertado com os compridos mas melhorou nos curtos, subindo de tom, muito bem na brega e nas preparações para as sortes e com dois curtos de muito boa execução, a sesgo o primeiro e de frente a deixar-se ver em cite bonito o outro, rematando com um de palmo.

 

O veterano maestro vilafranquense José Júlio não teve desta vez no toiro de Dias Coutinho o colaborador que lhe permitisse expressar a sua imensa afición. Com ganas recebeu de capote e sacou-lhe passes pelos dois pitons, tendo que percorrer a circunferência da arena procurando os terrenos em que o toiro pudesse investir com alguma franqueza, o que não aconteceu. Valeu pela sua imensa afición.

 

Daniel Nunes substituiu o anunciado Sanchez Vara. Desenhou alguns lances de capote ante um complicadote novilho de Ortigão Costa e com a muleta teve alguns passes meritórios por ambos os pitons em faena larga mas que no conjunto careceu de ligação.

 

Em último lugar e com um novilho de Jorge Carvalho que pedia meças, esteve Júlio Antunes que se mostrou verde e com poucas ganas para sacar partido do novilho.

 

Quanto aos moços de forcado, os alentejanos dos Académicos de Elvas pegaram por intermédio de Roberto Ameixa, à 1ª, e de Bernardo Dias à 2ª, enquanto que pelos do C.T. Alenquerense foram caras Carlos Miguel à 2ª e Diogo Oliveira à 1ª.

 

Direcção acertada de António Garçôa coadjuvado pelo veterinário José Manuel Lourenço.