Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

Dia 13 de outubro, os taurinos, deram valente bofetada, de luva branca, aos anti-taurinos, os persistentes "Quixotes". A SRUCP, toureiros, forcados, ganaderos, autoridades tauromáquicas,o cornetim, pessoal dos curros e de arena, a banda, enfim, todos colaboraram graciosamente num evento com objectivos humanitários. Angariar fundos para que a fundação de solidariedade social L.VIDA, pudesse continuar a prestar assistência a uma zona de Moçambique onde a fome se faz sentir intensamente.
 
A ideia do evento partiu de Helena Ribeiro Telles, Presidente da Fundação L.Vida. Sem ser essa a finalidade, serviu no entanto, para se avaliar a boa formação da FAMÍLIA TELLES, os seus bons sentimentos. Conhecendo bem o seu  patriarca,  foi grande satisfação verificar que as suas qualidades perduravam em toda a sua descendência. Helena, António,Manuel e João Ribeiro Telles, seus filhos e seus netos, em boas maneiras e sentimentos, mostrarm-se à sua altura.
 
O prestígio de que desfruta o nome Ribeiro Telles, encontrou eco na  pronta  disponibilidade de Ruiz Miguel, toureiro espanhol de invulgar carreira.  Mostrando o prazer com que colaborava num projecto solidário, não contente com a primeira actuação, dispôs-se a tourear mais um ( OLÉ!). Vítor Mendes nome grande da nossa Tauromaquia, sempre presente em acções deste tipo e Pedrito de Portugal, deram concretização ao projecto. O público, quase esgotando a praça, compensou bem todo o esforço feito:CONSEGUIU-SE GANHO SUFICIENTE PARA, DURANTE 24 MESES; ALIMENTAR 250 CRIANÇAS DE MOÇAMBIQUE.
 
Bastava este facto anunciado aos microfones para TODOS -assistentes e artistas saírem satisfeitos e orgulhosos do que tinham feito, mas foi um espectáculo calmo e agradável o que também ajudou. Assistiu-se até a mais um pormenor sensibilizante. Quando João Ribeiro Telles foi convidado pelo filho a cravar um ferro. Bom bonito de ver. Para mais o ferro foi bem cravado. À antiga.
 
Ora enquanto tudo isto se processava, em frente à praça de toiros, a turba do costume provocava e insultava quem se dirigia ao espectáculo, apesar deste ter uma finalidade  beneficente.Estarão os animais acima dos humanos? Pode não se acudir ao sofrimento de crianças para se evitar o sofrimento dos toiros? ( sofrimento de que falaremos noutra ocasião e que é mais imaginado que real).
 
O sucesso do espectáculo foi uma autêntica bofetada de luva branca para esses irresponsáveis e praguejantes "Quixotes". Embora sem muita esperança, espero que tenham aprendido alguma coisa com este exemplo. Pelo menos a não serem tal agressivos e mal criados.
 
Carlos Patrício Álvares (Chaubet)