Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

SALVATERRA DE MAGOS- CONFRONTO GANADEIRO NA COMEMORAÇÃO DO CENTENÁRIO

31 DE JULHO – TEIXEIRAS E SILVAS DISPUTAM TROFÉU ALIRAÇÕES PARA A MELHOR GANADARIA

06.07.21 | António Lúcio / Barreira de Sombra

Salvaterra 31 de Julho.JPG

Os toiros estão de volta a Salvaterra de Magos a 31 de Julho, pelas 21 horas, para comemorar o centenário de tão emblemático ruedo ribatejano.

Cumprindo todas as exigências de Segurança sanitária, para que possa assistir a um grande espectáculo onde estarão em confronto duas importantes ganadarias que dispensam apresentações: Veiga Teixeira e Dr. António Silva que disputam o Troféu Alirações para a melhor Ganadaria.

Para lidarem os seis toiros destas ganadarias estarão em praça os cavaleiros Luís Rouxinol, João Ribeiro Telles e Francisco Palha. Os Forcados serão os Amadores de Alcochete e do Aposento da Moita.

Venda antecipada (dentro dos limites de lotação permitida actualmente) pelo
telefone 926762046, de segunda-feira a sexta-feira das 11 às 19 horas.


A Cultura é SEGURA. A Tauromaquia é SEGURA. Venha a Salvaterra dia 31.

Tauromaquia volta a ser discriminada no desconfinamento

05.07.21 | António Lúcio / Barreira de Sombra

A PROTOIRO repudia profundamente a Resolução do Conselho de Ministros que permite os espectáculos culturais dos concelhos de risco mas exclui a actividade tauromáquica. Touradas estão permitidas nos restantes concelhos. 

O Governo promoveu novamente uma discriminação inaceitável e arbitrária contra a tauromaquia, em relação às outras áreas culturais, neste caso na Resolução do Conselho de Ministros n.º 74-A/2021, permitindo a realização de espectáculos culturais em concelhos de risco elevado, mas proibindo a actividade cultural tauromáquica nestes concelhos, mantendo-se permitida a realização de touradas nos restantes concelhos.

Depois da publicação desta resolução foi feito um pedido de esclarecimento à IGAC e ao Ministério da Cultura sobre a sua aplicação às salas multiusos nos concelhos de risco elevado, como são as praças de toiros cobertas. Chegou agora a confirmação de que os espectáculos tauromáquicos estão proibidos em todas as salas/praças nos concelhos de risco elevado. Ou seja, para cúmulo do absurdo, por exemplo, a Praça de Toiros do Campo Pequeno encontra-se, e bem, a realizar concertos musicais, mas a mesma praça não pode realizar o fim para que foi construída, dar corridas de toiros! Não existe racional que possa explicar esta aberração legal.

 

Este é mais um dos reiterados actos discriminatórios do Governo para com os aficionados e o setor da tauromaquia, impedindo o trabalho e sustento de muitos milhares de pessoas que dependem deste setor, que já se encontram em situações muito difíceis.

 

Nenhuma razão pode justificar esta situação. A cultura é segura e a tauromaquia mostrou, com elogio das autoridades, o cumprimentos das normas da DGS específicas do setor, que são ainda mais exigentes que noutros espectáculos, não tendo existido nenhum foco de contágio em corridas de toiros.  

 

O setor tem sido extremamente sensível à evolução da pandemia e tem adiado e até mesmo cancelado espectáculos, mas não pode aceitar uma situação de discriminação e tratamento desigual perante as restantes áreas culturais. 

 

Perante esta situação, não podemos aceitar que os profissionais do setor e os mais de 3 milhões de portugueses que se afirmam aficionados sejam tratados como cidadãos de segunda, nem com menos direitos que os demais. 

 

Não admitimos qualquer discriminação e não descansaremos até que a igualdade seja reposta. 

 

PROTOIRO

Federação Portuguesa de Tauromaquia

COMUNICADO DA EMPRESA OVAÇÃO E PALMAS: ALTERAÇÃO DE DATAS DA TEMPORADA LISBOETA

REGRAS DO DESCONFINAMENTO OBRIGAM A ADIAR CORRIDAS

05.07.21 | António Lúcio / Barreira de Sombra

ovaç.jpg

A empresa Ovação e Palmas, de Luís MiguelPombeiro, emitiu hoje o seguinte ccomunicado:

 
"Serve o presente para informar V. Exas do seguinte:
- A IGAC decidiu não autorizar a realização da Corrida de Toiros da Inauguração da Temporada, prevista para a próxima sexta feira, dia 9 de Julho, baseando-se que os Espectáculos Tauromáquicos estarão proibidos por lei e até novas directrizes "em praças de toiros, locais ou instalações tauromáquicas."
- Sendo o Campo Pequeno uma Sala de Espectáculos, consideramos uma absurda discriminação esta decisão, pois se estivesse em causa um qualquer outro espectáculo cultural, o mesmo poderia realizar-se!
- Além de estarmos na luta contra a pandemia, voltamos ainda a ter que resistir a estas incongruências, a estes ataques encapotados de “legalidade”, contra uma actividade cultural que a grande maioria do povo português apoia, respeita e defende.
- Repudiamos qualquer tipo de ditadura do gosto e tudo faremos para que, de uma vez por todas, as discriminações, sejam elas quais forem, não façam parte do dia a dia do nosso país.
 
- As novas datas e horários do abono passam a ser as seguintes:
 
Dia 22 de Julhoquinta-feira, às 20 horas, a Corrida já anunciada com Luís Rouxinol, Pablo Hermoso de Mendoza e João Moura Caetano;
 
Dia 5 de Agostoquinta-feira, às 20 horas, a corrida adiada de dia 9 de Julho, "Património Cultural de Portugal" com o mesmo cartel;
 
Dia 26 de Agosto, quinta-feira, em hora a definir, a Corrida dos Toiros Murteira Grave / Forcados Amadores de Santarém e Montemor;
 
Dia 9 de Setembro, quinta-feira, em hora a definir, Corrida de Homenagem a Vitor Mendes e incluída na Feira Taurina de Lisboa com o mesmo cartel já anunciado;
 
Dia 10 de Setembro, sexta-feira, em hora a definir, Feira Taurina de Lisboa;
 
Dia 23 de Setembro (data sujeita a confirmação), com Cartel e hora a definir.
 
Os bilhetes já adquiridos são válidos para as novas datas
 
Os cartazes actualizados sairão ainda hoje.
 
Estamos igualmente a conjugar esforços e datas, para que, eventualmente, possamos realizar outros espectáculos durante a corrente temporada!
 
Resistiremos! 
 
Contem connosco na defesa da nossa Cultura! 

GOVERNO DEFINE REGRAS: DESCONFINAMENTO NÃO AVANÇA

01.07.21 | António Lúcio / Barreira de Sombra

Com base no crescimento de casos, subida de incidência e de Rt, o Conselho de Ministros decidiu não avançar com o desconfinamento e com algumas situações em que os concelhos abrangidos retrocedem.

Existem mais 16 concelhos (são agora 19) na situação de risco muito elevado. São eles: Albufeira, Almada, Amadora, Barreiro, Cascais, Constância, Lisboa, Loulé, Loures, Mafra, Mira, Moita, Odivelas, Oeiras, Olhão, Seixal, Sesimbra, Sintra e Sobral de Monte Agraço

Nestes concelhos aplicar-se-ão a partir de amanhã, 6ª feira dia 2 de julho as seguintes regras:

  1. Limitação da circulação na via pública a partir das 23h00.
  2. Teletrabalho obrigatório quando as atividades o permitam;
  3. Restaurantes, cafés e pastelarias podem funcionar até às 22h30 durante a semana e até às 15h30 ao fim de semana e feriados (no interior, com um máximo de 4 pessoas por grupo; em esplanada, 6 pessoas por grupo);
  4. Espetáculos culturais até às 22h30;
  5. Casamentos e batizados com 25 % da lotação;
  6. Comércio a retalho alimentar até às 21h00 durante a semana e até às 19h00 ao fim de semana e feriados;
  7. Comércio a retalho não alimentar e prestação de serviços até às 21h00 durante a semana e até às 15h30 ao fim de semana e feriados;
  8. Permissão de prática de modalidades desportivas de médio risco, sem público;
  9. Permissão de prática de atividade física ao ar livre até seis pessoas e ginásios sem aulas de grupo;
  10. Eventos em exterior com diminuição de lotação, a definir pela DGS;
  11. Lojas de Cidadão com atendimento presencial por marcação.

 

Aumentou de 14 para 26 o número de concelhos de risco elevado. A saber: Alcochete, Alenquer, Arruda dos Vinhos, Avis, Braga, Castelo de Vide, Faro, Grândola, Lagoa, Lagos, Montijo, Odemira, Palmela, Paredes de Coura, Portimão, Porto, Rio Maior, Santarém, São Brás de Alportel, Sardoal, Setúbal, Silves, Sines, Sousel, Torres Vedras e Vila Franca de Xira

Nestes concelhos aplicam-se as seguintes regras:

  1. Limitação da circulação na via pública a partir das 23h00.
  2. Teletrabalho obrigatório quando as atividades o permitam;
  3. Restaurantes, cafés e pastelarias podem funcionar até às 22h30 (no interior, com um máximo de 6 pessoas por grupo; em esplanada, 10 pessoas por grupo);
  4. Espetáculos culturais até às 22h30;
  5. Casamentos e batizados com 50 % da lotação;
  6. Comércio a retalho alimentar, não alimentar e prestação de serviços até às 21h00;
  7. Permissão de prática de todas as modalidades desportivas, sem público;
  8. Permissão de prática de atividade física ao ar livre e em ginásios;
  9. Eventos em exterior com diminuição de lotação, a definir pela Direção -Geral da Saúde (DGS);
  10. Lojas de Cidadão com atendimento presencial por marcação.

 

Existem 26 concelhos em alerta: Alcochete, Alenquer, Arruda dos Vinhos, Avis, Braga, Castelo de Vide, Faro, Grândola, Lagoa, Lagos, Montijo, Odemira, Palmela, Paredes de Coura, Portimão, Porto, Rio Maior, Santarém, São Brás de Alportel, Sardoal, Setúbal, Silves, Sines, Sousel, Torres Vedras e Vila Franca de Xira.

Para estes concelhos em alerta e os outros que compõem o restante território continental nacional, excepto os que estão situação de risco elevado e muito elevado mantêm-se as actuais regras:

  1. Teletrabalho recomendado nas atividades que o permitam;
  1. Restaurantes, cafés e pastelarias (máximo de 6 pessoas no interior ou 10 pessoas em esplanadas) até à meia-noite para admissão e 1h00 para encerramento;
  2. Comércio com horário do respetivo licenciamento;
  3. Transportes públicos com lotação de dois terços ou com a totalidade da lotação nos transportes que funcionem exclusivamente com lugares sentados;
  4. Espetáculos culturais até à meia-noite;
  5. Salas de espetáculos com lotação a 50%;
  6. Foras das salas de espetáculo, com lugares marcados e com regras a definir pela DGS.
  7. Escalões de formação e modalidades amadoras com lugares marcados e regras de acesso definidas pela DGS;
  8. Recintos desportivos com 33% da lotação;
  9. Fora de recintos aplicam-se regras a definir pela DGS.

Proibição de circular de e para a Área Metropolitana de Lisboa:  a proibição de circular de e para a Área Metropolitana de Lisboa (AML) vai ser aplicada entre as 15:00 de sexta-feira e as 06:00 de segunda-feira, com as exceções previstas na lei. Como é do conhecimento geral, a AML é composta por 18 municípios da Grande Lisboa e da Península de Setúbal, designadamente Alcochete, Almada, Amadora, Barreiro, Cascais, Lisboa, Loures, Mafra, Moita, Montijo, Odivelas, Oeiras, Palmela, Seixal, Sesimbra, Setúbal, Sintra e Vila Franca de Xira.

HOJE TOUREIO EU: TEMPOS DIFÍCEIS (MAIS AINDA) SE AVIZINHAM…

01.07.21 | António Lúcio / Barreira de Sombra

IMG_0426.JPG

A nova e forte vaga de casos Covid que se tem vindo a verificar nos últimos dias e levado ao encerramento das entradas e saídas da Área Metropolitana de Lisboa, com alguns concelhos a recuarem nas etapas do desconfinamento – é um novo confinamento quer se queira quer não – já levou ao adiamento de muitos espectáculos como os que estavam previstos para Vila Franca no passado fim de semana e agora os 3 do Colete Encarnado, a corrida do Montijo deste sábado 3, a de Coruche de dia 10, e a ver vamos se ficamos por aqui em termos de adiamentos. Não esqueçamos que dia 9 está programada a abertura da temporada lisboeta e que poderá ficar seriamente comprometida se se mantiver esta ordem de encerramento da AML de sexta á tarde até 2ª de manhã…

Apesar da vacinação de uma parte importante da população, ainda não se chegou aos 50% de vacinados com as  doses completas (que podem se ruma no caso dos recuperados de Covid ou 2 nos restantes casos); apesar de já haver certificados digitais de vacinação que permitem alguma liberdade de movimentos, a verdade é que há concelhos com elevados valores de infectados com COVID e Lisboa é um deles.

A Cultura, comos e afirma recorrentemente, é segura; existe distanciamento físico nos lugares ocupados, ao contrário por exemplo dos transportes públicos e até das viagens de avião… Não há conhecimento de surtos ocorridos nos espectáculos culturais do ano passado e deste ano. Mas o Governo é pouco sensível a isso como à sobrevivência da generalidade dos espectáculos culturais. Por isso mantém abertos todos os dias e com poucas limitações os grandes centros comerciais, os hipermercados…

Fui criado numa época em que não se trabalhava ao sábado à tarde – fechavam ás 13h- a não ser nos cafés e restaurantes, e ao domingo, dia sagrado. Durante a semana o comércio em geral encerrava portas às 19h. E a economia funcionava e ninguém ficava sem bens essenciais em casa. Provavelmente uma das soluções para evitar males maiores e um confinamento mais apertado e onde todos perdem mais, era voltar aos anos 80 em termos de horários de comércio: todos os dias encerramento às 19h; aos sábados às 13h e encerramento total ao domingo. Proibir ajuntamentos na via pública depois das 22h. Durante 15 dias poderíamos fazer uma experiência deste tipo e veríamos se tinha ou não resultados positivos já que o Governo é incapaz de na AML fazer o que se fez no primeiro grande surto em Ovar: cerca sanitária. Ninguém entra e ninguém sai a não ser por motivos ponderosos. Mas é preciso coragem para tomar uma medida desta dimensão.

Muito mais fácil é abrir e fechar portas ao fim de semana e em algumas localidades. Algumas autoridades sanitárias em face dos surtos mandaram muitos alunos para casa. É preferível assim e deviam ter essa consciência ainda que não de acordo com o Governo que funciona tipo catavento.

Na tauromaquia vivemos uma fase muito complicada, muito difícil e os tempos que se avizinham não serão fáceis, corridas adiadas umas atrás das outras, dificuldades na reprogramação para não haver coincidências de datas e de cartéis, muitos já estafados… Preços que sobem nas bilheteiras, público que não esgota o 1/3 ou 50% da lotação permitida.

Sem vacinação massiva e sem consciencialização das mentes menos receptivas ao dramatismo da situação e que não compreendem que as regras são para cumprir até à exaustão pois só assim as coisas poderão melhorar, continuaremos neste limbo: abre, fecha parcialmente, fecha completamente, reabre aos poucos… Não é solução!

Acham que vai melhorar? Eu acho que não.

António Lúcio

Pág. 4/4