Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

olivenza 2019 (1).jpg

Foi apresentada ontem a edição 2019 da Feira Taurina de OLivenza, composta por 5 espectáclos taurinos onde estarão presentes as maiores figuras do momento.

Os cartéis são os seguintes:

Sexta - 8 de março: José Garrido, Luís David e Toñete (El Tajo y La Reina)

 

Sábado  - 9: Matinal: Juanito, Diego San Román e Carlos Domínguez (Várias ganadarías)

 

Sábado 9: Vespertina: Diego Ventura, Enrique Ponce e El Juli (Maria Guiomar C. Moura y Garcigrande)

 

-Domingo 10: Matinal: Antonio Ferrera, Sebastián Castella e Emilio de Justo (Zalduendo)

 

-Domingo 10: Vespertina: Morante de la Puebla, Roca Rey e Ginés Marín (Victoriano del Río)

 

 

ANA RITA

FORCADOS DE MONSARAZ

PEPE LUÍS VÁSQUEZ

OCTÁVIO CHACÓN

NUNO CASQUINHA

ROMÁN

MANUEL VÁSQUEZ

 

Praça de Toiros “Libânio Esquível” – Mourão – 01.02.19 – Festival Taurino

Director: Agostinho Borges – Veterinário: Matias Guilherme – Lotação: 60%eir

Cavaleiro: Ana Rita

Forcados: Amadores de Monsaraz

Matadores: Pepe Luís Vásquez, Octávio Chacón, Nuno Casquinha, Román

Novilheiro: Manuel Vásquez

Ganadaria: Murteira Grave

IMG_7885.JPGOCTÁVIO CHACÓN, O PRIMEIRO TRIUNFADOR DA TEMPORADA PORTUGUESA

Estamos, vimos, contamos o que sentimos. E na fria, quase gélida tarde, onde por vezes a chuva marcou presença, muitos aficionados fizeram como nós e rumaram a Mourão indiferentes á adversa climatologia. E o festival que começou com uma actuação intermitente e com alguns passes isolados de alguma qualidade a cargo de Pepe Luís Vásquez, teve em Octávio Chacón o grande triunfador.

 

Octávio Chacón aproveitou, e de que maneira, as grandes qualidades do novilho de Murteira Grave, que investia com raça e focinho pelo chão. Desenhou bons muletazos por ambos os pitóns, com bom gosto, correndo e baixando nem a mão, levando o novilho bem embebido na muleta. Houve passes para todos os gostos numa faena que foi larga mas cheia de interesse.

 

Nuno Casquinha esteve em bom plano no capote e deixou 2 pares de bandarilhas, muito bom o 2º a quiebro. Com a muleta o diestro vila-franquense esteve seguro frente a um erale que teve alguma qualidade, com bons passes pelos dois lados e rematando com naturais pelos dois lados que chegaram com força ás bancadas.

 

Román demorou a centrar-se com um erale que não era fácil e esperava um pouco. A faena de muleta foi de intermitências, alternando bons passes com outros de menor valia. Mostrou-se com disposição ao triunfo, que não chegou.

 

Manuel Vásquez, jovem novilheiro, ainda com pouca rodagem pouco pode com um erale que media e exigia bastante. Alguns passes isolados com qualidade, pormenores que mostraram que pode ir mais além.

 

Encerrou o festival a cavaleira Ana Rita frente a um novilho que cumpriu. Ana Rita tinha o problema do piso escorregadio e antes de iniciar a série de curtos teve uma queda, felizmente sem consequências. Segundo e terceiro curto forma bons e terminou com dois muito aplaudidos ferros de palmo. Mauro Carrilho, dos Amadores de Monsaraz, pegou com facilidade ao primeiro intento.

 

O espectáculo foi dirigido por Agostinho Borges, que se esqueceu dos lenços… assessorado pelo veterinário Matias Guilherme.

Texto e foto: António Lúcio

COMUNICADO

A Escola de Toureio e Tauromaquia da Moita , vem agradecer o convite que lhe foi endereçado para participar no chamado “ dia da Tauromaquia “ , no entanto informa que não participará no referido evento.

Não iremos porque nos parece que as escolas de toureio não foram respeitadas na elaboração do vastíssimo programa.

Entendemos que pelo menos um aluno, de uma qualquer escola devia tourear o festival, ou então, e melhor solução, que na manhã do espectáculo as aludidas escolas repartissem 2 ou três bezerras numa aula prática. Se , e muito bem se conseguem dois toiros para os recortadores se exibirem ,seria tão difícil que as escolas toureassem ?????
E o futuro??????
Com os melhores cumprimentos
Pedro Brito de Sousa

Pág. 5/5