Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

AS FOTOS DA CORRIDA DE QUINTA-FEIRA 19/07/18 - LISBOA - POR ANTÓNIO LÚCIO

20.07.18 | António Lúcio / Barreira de Sombra

A MARCHA DA MOURARIA

LUIS ROUXINOL

FILIPE GONÇALVES

FRANCISCO PALHA

FORCADOS AMADORES DO RIBATEJO

FORCADOS AMADORES DA CHAMUSCA

FORCADOS AMADORES DE CASCAIS

 

COMO O TOIRO-TOIRO TUDO MUDA. GRANDE TRIUNFO DA GANADARIA DE PINTO BARREIROS NO CAMPO PEQUENO

20.07.18 | António Lúcio / Barreira de Sombra

Praça de Toiros do Campo Pequeno – Lisboa – 19/07/18 – Corrida de Toiros

Director: Tiago Tavares – veterinário: Jorge Moreira da Silva – Lotação: 2/3

Cavaleiros: Luís Rouxinol, Filipe Gonçalves, Francisco Palha

Forcados: Amadores do Ribatejo, Chamusca e Cascais

Ganadaria: Pinto Barreiros

 

COMO O TOIRO-TOIRO TUDO MUDA. GRANDE TRIUNFO DA GANADARIA DE PINTO BARREIROS NO CAMPO PEQUENO

IMG_9820.JPG

Falamos muitas vezes que o toiro é o eixo fundamental da Festa, que sem ele não existiriam as corridas e vice-versa. Queixamo-nos muitas vezes de que não sai o toiro com idade, peso e trapio, com bravura, casta, mobilidade que proporcionam a emoção nas bancadas e obrigam os toureiros a aplicarem-se a fundo. Na verdade, quando sai o toiro-toiro que reúne estes predicados nem todos têm argumentos para se impor ou apenas em contadas vezes em cada lide o são capazes de fazer. E ferros bons nesta noite no Campo Pequeno, os dedos das duas mãos chegam para os contar… Triunfo forte da ganadaria de Pinto Barreiros e de Joaquim Alves, ganadeiro experiente e conhecedor e que conseguiu recuperar os atributos que fizeram desta ganadaria um caso sério de sucesso no século passado. Dois toiros de elevada nota, segundo e quinto, nos quais deu volta com o cavaleiro e escutou fortes ovações, foram a cereja no topo do bolo de uma corrida muito bem apresentada, com boas condições de lide no geral e onde apenas o terceiro nos pareceu a menos na qualidade devido a prováveis problemas de visão que se foram acentuando ao longo da lide. Parabéns pelo magnífico curro apresentado em Lisboa.

 

IMG_9872.JPG

No capítulo das lides a cavalo, podemos afirmar que Luís Rouxinol se apresentou com ganas de triunfo e que esteve melhor no segundo do sue lote. Um bom par de bandarilhas e bons remates foram o culminar de uma prestação com a chancela do cavaleiro de Faias, Pegões.

 

O algravio Filipe Gonçalves teve por diante dois toiros para um triunfo gordo, daqueles de sair em ombros pela Porta Grande. Aliás os dois toiros em que o ganadeiro foi premiado com voltas á arena! Abusou da velocidade e das muito pronunciadas batidas ao pitón contrário quando os toiros exigiam cites, provocar a investida e aguentar até ao limite dando-lhe primazia na investida. Filipe teve dois bons curtos e um par de bandarilhas de mérito.

 

Francisco Palha não conseguiu manter a elevada bitola exibicional a que nos vinha habituando. Uma grande sorte de gaiola, com um excelente remate que fez o público levantar-se das bancadas não teve continuidade apesar de dois ferros de melhor nota. Francisco manteve-se fiel ao seu estilo, melhorou na lide do que encerrou praça mas não rompeu como se esperava.

 

Competição forte existiu entre os três Grupos de Forcados Amadores que disputavam o troféu para a melhor pega: Ribatejo, Chamusca e Cascais. O júri, composto por Jorge Faria, Nuno Mata e um elemento do Real Clube Tauromáquico deveria ter tido mais atenção ao que se passava na arena em cada pega e premiar aquela que, efectivamente, foi a pega tecnicamente mais correcta, a melhor das seis que se realizaram nesta corrida, a de Bernardo Borges dos Amadores da Chamusca ao bravo segundo da noite, citando bem, mandando na investida, recuando bem e a fechar-se com garra, muito bem ajudado por todo o Grupo. A primeira pega da noite coube a Pedro Espinheira, cabo os Amadores do Ribatejo que esteve correcto e se fechou bem ao primeiro intento. Ainda pelo Ribatejo João Espinheira consumou uma dura cara ao primeiro intento mas com o toiro a sair “a su aire”. Francisco Borges consumou, pelos Amadores da Chamusca, outra boa pega de caras à primeira tentativa. Os Amadores de Cascais levaram para casa o troféu devido à pega de Ventura Doroteia, com raça, ao primeiro intento no que encerrou praça. Carlos Dias, á segunda tentativa, pegou o terceiro toiro.

 

Na direção da corrida esteve Tiago Tavares assessorado pelo veterinário Jorge Moreira da Silva, sendo de referir a actuação da Marcha da Mouraria antes das cortesias, acto bastante celebrado e aplaudido pelo público.

 

Texto e foto: António Lúcio