Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

BADAJOZ, 23 DE JUNHO - A CLASSE E O MAGISTÉRIO DE PONCE FIZERAM TODA A DIFERENÇA

24.06.18 | António Lúcio / Barreira de Sombra

Praça de Toiros de Badajoz – 23/06/18 – Corrida de Toiros

Matadores: Enrique Ponce (orelha – orelha com petição de 2ª), António Ferrera (orelha – ovação), Ginés Marin (2 orelhas – palmas)

Ganadaria: Zalduendo

IMG_8549.JPGA CLASSE E O MAGISTÉRIO DE PONCE FIZERAM TODA A DIFERENÇA

Regressei a Badajoz e á sua praça, no final da Avenida de Pardaleras, para assistir ao cartel mais rematado de uma fraca feira de San Juan, a anos-luz de algumas a que ali tive o privilégio de assistir. Por isso também, e apesar do interesse do cartel, a presença de público não chegou para preencher 2/3 da lotação da praça que já necessita também de algumas obras de recuperação.

 

Ver actuar Enrique Ponce é sempre uma garantia para os aficionados pois a sua classe e magistério, o seu poderio e capacidade de «ler» os toiros, fazem dele um predestinado e sempre nos premeia com alguns momentos para mais tarde recordar. Ponce mostra toda a sua enorme classe desde que inicia o paseíllo, na forma como saúda o público ou como recolhe os aplausos e, sobretudo, na forma como lida os toiros, acariciando as suas investidas desde os lances iniciais de capote. No que abriu praça, templadas e suaves foram as verónicas rematadas de meia. A faena de muleta, que não brindou, foi bem desenhada pelos dois lados, predominando os derechazos e uma série de ajudados, metendo sempre o toiro na muleta e terminando com vários passes de joelho flectido antes de receitar uma bela estocada que ainda necessitou de um golpe de descabelho para despachar o de Zalduendo que teve pouco de bravo mas se rendeu à flanela de Ponce que passeou a primeira orelha da tarde.

 

No quarto da ordem e que foi mansote, Ponce voltou a lancear à verónica e rematou com duas meias. Começou a faena de muleta com poncinas e aguentou uma barbaridade numa delas em que o toiro se parou a meio do muletazo. Ponce teve uma extraordinária série de derechazos, muito ligados em redondo e com o toiro sem ter por onde se escapar da muleta. Três molinetes abriram a série seguinte que foi de classe e muito temple, aplaudida pelo público. Uma faena de arte e classe rematada de estocada quase inteira, com o toiro a demorar algo a cair. Orelha com forte petição de segunda e uma bronca ao presidente.

 

António Ferrera regressava à praça de Badajoz e não teve sorte com o seu lote, ambos a “meterem-se” pelo pitón direito. Toureou à verónica e com a muleta teve uma faena com interesse pelo lado esquerdo ora com ajudados ora com naturais. Depois de submeter o toiro e de lhe ter sacado algumas tandas, mostrou que era possível obrigar o toiro a investir pelo lado direito, ainda que também tenha tragado quando o toiro se parou a meio de um muletazo. Finalizou com alguns passes por baixo e matou de estocada de rápido efeito, passeando depois uma orelha.

 

No quinto da calorosa tarde (+ de 36 graus), Ferrera não se pode luzir de capote mas na muleta teve alguns bons momentos, nomeadamente no toureio ao natural, onde conseguiu os seus melhores momentos face a um toiro de escassa mobilidade e nula transmissão. Matou de estocada descaída e dois golpes de descabelho e foi ovacionado.

 

Em terceiro lugar actuou Ginés Marin, um jovem toureiro que vai toureando em todas as feiras importantes e que tem interesse para o aficionado. Esteve francamente bem no terceiro da tarde que teve alguma qualidade na muleta. No capote frenava-se ao segudno lance e não deu muitas hipóteses. O labor muleteril de Marin foi de boa nota e teve os melhores naturais da tarde. Alguns desplantes nos finais das séries e que o público aproveita para aplaudir. Matou de estocada que fez o toiro rodar sem puntilha e foi premiado com 2 orelhas.

 

O que encerrou praça foi o pior dos Zalduendos, manso, sem casta e parado, obrigou o jovems toureiro a expor-se na faena de muleta já que de capote apenas duas ou três verónicas conseguiu sacar. Faena de alinho e de alguma exposição referendada de estocada traseira e tendida. Escutou palmas.

 

No final Ponce e Marin saíram em ombros.

Texto e foto: António Lúcio

CAMPO PEQUENO - AS FOTOS DA CORRIDA DA OPORTUNIDADE

24.06.18 | António Lúcio / Barreira de Sombra

MARCO JOSÉ

GILBERTO FILIPE 

GONÇALO FERNANDES

MARCELO MENDES

PARREIRITA CIGANO

VERÓNICA CABAÇO

FORCADOS AMADORES DE COIMBRA

1ª PEGA

2ª PEGA

FORCADOS AMADORES DE MONSARAZ

1ª PEGA

 

2ª PEGA

FORCADOS AMADOTRES DO CARTAXO

1ª PEGA

2ª PEGA

 

MARCELO MENDES TRIUNFA NA “OPORTUNIDADE” E NÃO DESPERDIÇOU UM BOM VEIGA TEIXEIRA

22.06.18 | António Lúcio / Barreira de Sombra

Praça de Toiros do Campo Pequeno – Lisboa – 21/06/18 – Corrida de Toiros

Director: Manuel Gama – Veterinário: Jorge Moreira da Silva – Lotação: +- 60%

Cavaleiros: Marco José, Gilberto Filipe, Gonçalo Fernandes, Marcelo Mendes, Parreirita Cigano, Verónica Cabaço (praticante)

Forcados: Coimbra, Monsaraz, Cartaxo

Ganadaria: Veiga Teixeira

 

MARCELO MENDES TRIUNFA NA “OPORTUNIDADE” E NÃO DESPERDIÇOU UM BOM VEIGA TEIXEIRA

IMG_8315.JPGEstas denominadas “Corridas de Oportunidade” servem muitas vezes para queimar cartuchos sem obter qualquer benefício claro pela participação num elenco onde alguns estão vistos e andam cá há muitos anos e outros pelas poucas corridas que levam toureadas nem sempre têm argumentos para se imporem e se destacarem para poder tourear mais algum espectáculo. Também se sabe que a generalidade do público que vai a estas corridas tem os seus toureiros preferidos e vai ao espectáculo numa de apoiar a qualquer custo sem ter em conta muitas vezes o que foi feito. O que é preciso é que as farpas fiquem cravadas no toiro…

 

Este cartel tinha como principal aliciante o curro de toiros de Veiga Teixeira e que, á excepção do que tocou em segundo lugar a Marco José, deu bom jogo, com destaque para 1º, 4º e 6º da ordem, motivando a justa chamada do ganadeiro à arena após lide do sexto. Foram bons colaboradores para os toureiros que vieram a Lisboa em busca de uma oportunidade.

 

E Marcelo Mendes foi o que melhor soube aproveitar as boas investidas do quarto da noite para se sagrar triunfador da corrida. Esteve bem na brega, cravou bem os compridos com destaque para a tira em que deixou o terceiro. E com os curtos, foi o autor dos dois melhores ferros da noite, entrando recto e pelo toiro dentro no terceiro curto, levantando o público das bancadas. Houve bons momentos de brega e, para rematar esta sua passagem pela arena lisboeta, um de palmo montando o “Único” que assim se despediu das arenas.

 

Gonçalo Fernandes, o cavaleiro de Seia, seguiu-se-lhe em ordem de méritos. Confirmou  a alternativa com uma lide com alguns motivos de interesse aguentando bem a carga inicial do toiro que recebera à porta dos curros deixando 2 bons compridos. Na ferragem curta foi de mais a menos, perdendo algum do fulgor inicial frente a um bom toiro que teve mobilidade e foi codicioso.

 

Marco José lidou um manso que só queria tábuas e deu-lhe a volta conseguindo alguns ferros de nota acima da média. Rematou com um de violino.

 

Gilberto Filipe veio ao Campo Pequeno mostrar a sua classe como equitador estando bem na brega, nas preparações e nos remates das sortes, rematando a sua actuação com um de violino e outro de palmo.

 

Parreirita Cigano não teve a sua noite e a sua prestação foi de fraco nível não se impondo ao toiro.

 

Verónica Cabaço foi de menos a mais na sua lide pois se os compridos foram fracos, conseguiu subir de tom nos curtos e agradou nesta sua prestação.

 

Três Grupos de Forcados para pegarem os seis Teixeiras. E se houve muitas tentativas falhadas foi mais por culpa dos forcados do que pela dureza das investidas. E neste campo triunfou com largo destaque sobre os outros dois Grupos o dos Amadores do Cartaxo com duas grandes pegas de caras ao primeiro intento por intermédio do cabo Bernardo Campino e de Fábio Beijinho. Por Coimbra abriu para Ricardo Matos que consumou à segunda e com o cabo Pedro Silva a consumar apenas à terceira e em curto. Os Amadores de Monsaraz tiveram como forcados de cara Carlos Polme e André Mendes ambos a consumarem apenas à 3ª tentativa.

 

Direcção acertada de Manuel Gama assessorado pelo veterinário Jorge Moreira da Silva.

 

Texto e foto: António Lúcio

GABINETE DE R.P. E COMUNICAÇÃO DA C. M. PÓVOA DE VARZIM DIVULGA A DECISÃO ANTI-TOURADAS

20.06.18 | António Lúcio / Barreira de Sombra

sem nome (2).png

sem nome1 (1).png

Póvoa de Varzim declara-se Anti-Touradas

Póvoa de Varzim, 20.06.2018

A Póvoa de Varzim virou, em definitivo, uma página da sua História.

O Presidente da Câmara Municipal da Póvoa de Varzim, Aires Pereira, já tinha anunciado, na passada semana, que a Praça de Touros, uma vez feito o investimento de cinco milhões de euros previsto para transformar aquele espaço num pavilhão multiusos, deixaria de acolher touradas. Ontem, o autarca declarou “o corte inevitável com uma tradição que, tendo feito o seu caminho e prosseguido o seu objetivo, não tem, nos nossos dias, razão de ser” e declarou o concelho anti-touradas.

Depois de proibir a utilização de animais selvagens em espetáculos de circo (mesmo antes de ser proibido por lei), de criar mais condições para a população canina, quer no nosso Centro de Recolha Oficial de Animais de Companhia (onde se não fazem abates), quer nas instalações d’“A Cerca” (associação de voluntários com foi estabelecido protocolo de suporte à sua atividade), e depois de, com esta associação e os Bombeiros Voluntários, ter criado a Ambulância Animal para socorro de animais em sofrimento na via pública, a Câmara Municipal da Póvoa de Varzim aprovou, por unanimidade, a interdição de corridas de touros ou outros espetáculos que envolvam violência sobre animais a partir de 1 de janeiro de 2019.

Lembramos, porém, que em 2017 a cedência da Praça de Touros já tinha deixado de ser gratuita.

Aires Pereira explicou que “com a progressiva perda de público dos espetáculos tauromáquicos (mais acentuada a norte que a sul), refletida numa queda global de 50% nos últimos 7 anos, as praças de touros do norte passaram a ter um uso residual.

Disse ainda que, ultimamente, apenas se realizavam duas touradas por ano naquela praça e que a sociedade "se tem vindo a posicionar de forma diferente" em relação a essas corridas: "há uma outra sensibilidade em relação às touradas, as novas gerações olham-nas de forma diferente, este ano já não se fizeram garraiadas nas festas académicas e a Câmara decidiu dar um novo uso àquela praça", referiu.

sem nome2.png

in

http://www.cm-pvarzim.pt/noticias/povoa-de-varzim-declara-se-anti-touradas

PRÓTOIRO PROCESSA CÂMARA DA PÓVOA DE VARZIM

20.06.18 | António Lúcio / Barreira de Sombra

Proibição de touradas no concelho é um ataque ao direito e à Cultura

Autarquia viola Constituição da República Portuguesa.

 

Lisboa, 20 de junho de 2018 – A PróToiro – Federação Portuguesa de Tauromaquia vai avançar com uma queixa na Justiça contra a Câmara Municipal da Póvoa de Varzim, contra o autarca Aires Pereira e contra todos os que estejam associados a esta proibição de touradas no concelho.

A intromissão da autarquia na liberdade dos espetáculos culturais no concelho revela uma postura antidemocrática, uma desclassificação e desrespeito pelos cidadãos poveiros e um ataque feroz à legislação, principalmente, à Constituição da República Portuguesa.

A Lei é clara e nos termos da Constituição da República Portuguesa as touradas devem ser protegidas. O Estado deve garantir o acesso de todos os cidadãos – se estes assim o quiserem – à cultura, neste caso às touradas.

Refere o nº2 do artigo 43º da CRP: “O Estado não pode programar a educação e a cultura segundo quaisquer diretrizes filosóficas, estéticas, políticas, ideológicas ou religiosas”. O nº 1 do artigo 73º: “Todos têm direito à educação e à cultura”. E os nºs 1 e 2 do artigo 78º: “Todos têm direito à fruição e criação cultural, bem como o dever de preservar, defender e valorizar o património cultural” e “Incube ao Estado (…) Promover a salvaguarda e a valorização do património cultural, tornando-o elemento vivificador da identidade cultural comum”.

Também o Decreto-Lei nº 89/2014 define que a “tauromaquia é, nas suas diversas manifestações, parte integrante do património da cultura popular portuguesa”.

“É a lei que reconhece a Tauromaquia enquanto manifestação cultural, pelo que o Estado está obrigado a promover e assegurar o acesso dos seus cidadãos à Tauromaquia. Nem os municípios, nem nenhum outro órgão, têm poderes para proibir a cultura, a não ser que vivêssemos numa ditadura. Qualquer decisão tomada no sentido de limitar ou proibir o acesso a um espetáculo cultural é ilegal e inconstitucional”, defende Hélder Milheiro, da PróToiro.

Esta postura é ainda altamente danosa para a cidade e a região, como bem disse Aires Pereira em 2014: "Não está em causa se eu gosto ou não de touradas, mas sim o que representam para o município em termos de turismo. É a única praça de raiz ativa no norte do país, não é por acaso que tem imensa procura. Sempre disse que estes espetáculos iam continuar a ser realizados na Póvoa, mesmo respeitando quem tem opinião contrária.”

Aires Pereira já devia ter percebido, com o exemplo de Viana do Castelo, que o poder local não pode impedir a realização de uma atividade cultural. Com esta tentativa de proibição, o presidente da câmara está a dizer aos poveiros que existem cidadãos de primeira e de segunda.

É com o sentido de denunciar a falta de transparência política e na defesa dos cidadãos que a PróToiro vai avançar com a ação na Justiça.

SEMANA DA CULTURA TAUROMÁQUICA EXALTA A LIGAÇÃO DE VILA FRANCA DE XIRA À FESTA BRAVA

20.06.18 | António Lúcio / Barreira de Sombra

A 29.ª edição da Semana da Cultura Tauromáquica vai decorrer de 29 de junho a 05 de julho em Vila Franca de Xira. Esta é uma iniciativa da Câmara Municipal de Vila Franca de Xira que conta com a colaboração de ganadarias, tertúlias, associações e personalidades individuais ligadas à Festa Brava, na organização de um programa cultural de elevada qualidade que inclui exposições, colóquios e espetáculos tauromáquicos.

Destacamos a Exposição “Revisitando a Ganadaria Palha”, que inaugura a 30 de junho, pelas 17h00, no Salão Nobre dos Paços do Concelho de Vila Franca de Xira e que assinala os 170 Anos da Ganadaria Palha. Esta mostra expõe elementos representativos do seu percurso até aos dias de hoje, permitindo um breve olhar sobre uma das mais antigas e importantes ganadarias portuguesas com uma forte projeção além-fronteiras.

O programa da iniciativa conta ainda com a abertura de mais duas exposições, “A Tauromaquia e Arte do Ex-Líbris” no Museu Municipal de Vila Franca de Xira e o “Universo Taurino”, na Galeria GART no Jardim Municipal da cidade. As três exposições estarão patentes de 30 de junho a 08 de julho.

O programa da Semana da Cultura Tauromáquica conta ainda com a realização de colóquios com personalidades que debatem esta expressão cultural, um Treino dos Forcados aberto ao público pelo Grupo de Forcados Amadores de Vila Franca de Xira, uma Novilhada com a Escola de Toureio José Falcão, com entrada livre, a promoção de tertúlias no Jardim Municipal, a Esperita (atividade dirigida ao público infantil) e muita animação.

Consulte o Programa completo da Semana da Cultura Tauromáquica.

MAIS UMA DECISÃO CONTRÁRIA Á TRADIÇÃO: PÓVOA DE VARZIM ANTI TOURADAS

20.06.18 | António Lúcio / Barreira de Sombra

Enquanto uns se preocupam com os recortadores no final de uma corrida televisionada, outros assumem o seu papel de anti-touradas - que não de defensores dos animais - e o Presidente da Câmara Municipal da Póvoa de Varzim, apresentou uma prposta em sessão camarária que saíu vencedora determinando que o Concelho da Póvoa de Varzim será anti-touradas a partir de 1 de janeiro de 2019.

A RTP tem prevista a transmissão da sua corrida RTP/Norte a 20 de Julho nessa praça. Queremso ver qual vai ser a atitude que irá tomar, assim como os toureiros e respetivas associações de classe quanto a esta decisão cuja notícia poderá ler na íntegrea clicando no link abaixo, enviado pelo nosso colega José Andrade.

https://maissemanario.pt/reuniao-de-camara-decide-povoa-de-varzim-e-concelho-anti-touradas/