Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

Baião – 23/08/2017

Tradicional corrida integrada nas Festas de São Bartolomeu

Director: Rogério Joia – Veterinário: Carlos Santos

Lotação: Quase esgotada

Cavaleiros: Rui Salvador, Bastinhas Jr, David Gomes

Forcados: Amadores de Arronches e Amadores de Monsaraz

Ganadaria: José Luís Pereda, La Dehesa e La Rosaleda (sobrero)

 

Baião, pela mão do empresário José Brás, voltou este ano, e após incontáveis obstáculos levantados pelos ‘novos reguladores de consciência’, a ver cumprida uma tradição, a realização, incluída nas Festas em Honra de São Bartolomeu, padroeiro da terra, da sua corrida de toiros. À portuguesa, como faziam questão de esclarecer os programas distribuídos e afixados. E foi uma boa corrida de toiros, só que com rezes espanholas, como se comprovava no edital afixado na entrada da praça, compostos de figura e, que cumpriram com boa nota. Embora com ferros de duas ganadarias, todo o curro cumprir por igual, com pata e entrega. E, quando durante uma lide, recheada de muitos ferros, com intuição e conhecimento, consentida pelo Senhor Director de Corrida, os toiros, numa tarde de Agosto, com Sol e calor abrasador, chegam às pegas, com a boca fechada, e com força suficiente para permitirem mostrar que pegar toiros é mais que ‘agarrar o dito pelo cachaço’, está esclarecida a qualidade em termos de resistência, já que diligentes na lide o foram.

 

Como cavaleiro mais antigo em alternativa, abriu praça Rui Salvador.

Rui Salvador que ultrapassado o compasso inicial de entender o exemplar da La Dehesa que lhe coube em sorte, cumpriu a cravagem dos compridos algo descoordenada. Mudança de montada, e mudança de nível. Curtos com boa preparação e cravagem, e nova mudança de montada, para rematar esta primeira amostragem, com um ferro de violino, ou parecido como tal, algo que fez vibrar a concorrência. Pegou à primeira, recuando e mostrando garra, Tiago Policarpo, muito bem ajudado pelo grupo, dos Amadores de Arronches.

 

Embora mais equilibrada, na sua segunda prestação na tarde, onde lidou um exemplar de J.L Pereda, Rui Salvador, desenvolveu uma lide menos emotiva, deixou boa ferragem, com boas preparações e entradas de frente dignas, não foi todavia capaz de ‘agarrar’ o público, como é seu timbre. Pegou este 4º. da tarde, à 1ª. Paulo Cardoso, dos Amadores de Monsaraz, com o grupo a mostrar coesão na ajuda.

 

Bastinhas Júnior, ou seja, Marcos Bastinhas, em nova versão, iniciou a lide um ritmo já habitual, mostrando logo nos compridos quem conduzia e mandava. E teve um oponente Pereda à altura, que não poupou, mas também não facilitou. Não poupou bons ferros, mas o oponente também não o poupou. O publico agradeceu. Pegou, à 1ª. O cabo, Ricardo Cardoso, dos Amadores de Monsaraz, numa pega rija e com muito valor. Mas se no seu primeiro Bastinhas Júnior que lidou um exemplar da casa Pereda, nesta segunda intervenção, teve de se entender com um da casa La Dehesa. Agradou, cumprindo, nesta segunda exibição, embora de nível idêntico à primeira, foi uma lide sem história, sem marca, de destaque o ferro de palmo com que rematou. Pegou à primeira, um pequeno grande forcado, com alma e saber, Duarte Gato, dos Amadores de Arronches.

 

Diferente no modo de como encara a lide, desde o seu inicio, David Gomes, escolheu para esta sua apresentação em Baião, ir buscar o exemplar de J.L.Pereda à porta dos sustos. Uma ‘porta-gaiola’ que fez empolgar a praça, e mostrou que no percurso profissional que o obrigou, e obriga, a ter de enfrentar outros públicos, Espanha, França e Estados Unidos, ensinou que, tudo numa lide, desde que se transpõem a porta de entrada, tem de ser feito com saber e atenção. O público é que enche as bancadas, paga o bilhete, justifica a carreira e o suor.

 

Procurando não deixar fugir o tempo, nem esfriar a concorrência, David Gomes, desenhou duas lides muito ritmadas, equilibradas e com ferros de boa nota, na preparação, cravagem e recorte, que lhe valeram ter conseguido as melhores lides dos cavaleiros em praça. Soube dar do ‘ladeio’ a cavalo nota que cria expectativa, e dos ferros a duas mãos, uma emoção distinta. Pegou o 3º., à primeira, numa pega com mando e boa ajuda, André Mendes, dos Amadores de Arronches, e o 6º. e último, o único que não foi pegado à primeira, mas à 3º. tentativa, por Fábio Mileu, também dos Amadores de Arronches.

 

Dirigiu com acerto, cuidada atenção, muito saber e aficion, Rogério Joia. Aquele pormenor de indicar que o ajuda devia dar a volta com o forcado e cavaleiro no 5º. da tarde, foi de mestre.

Crónica de José Andrade

Por mútuo acordo e mantendo a sua relação de amizade, Rafael Vilhais e Jacobo Botero comunicam que terminaram nesta data a relação de apoderamento que mantinham desde o início da passada temporada.

Rafael Vilhais deseja ao jovem rejoneador as maiores felicidades na nova etapa da sua vida profissional.

Samora Correia, voltou a vestir as cores de festa e a compor a portátil praça de touros, de um público aficionado e que vá lá bem perceber-se, todos os anos ali acorre em massa…

Praça cheia à vista, para a sua tradicional data de segunda-feira, à noite…

Em cartel, frente a toiros Alves Inácio, um elenco composto pelos cavaleiros Rui Salvador, Sónia Matias e Marcos Bastinhas, bem como pelos Grupos de Forcados Amadores do Ribatejo e Alcochete, capitaneados por Pedro Espinheira e Nuno Santana, respectivamente.

Não saíram fáceis, nem tão pouco extremamente colaborantes os toiros de Alves Inácio. O menos potável, coube em sorte a Marcos Bastinhas, naquele que foi o primeiro do seu lote. Marcos cravou a ferragem da ordem, sem alardes de maior, mas bem… Ainda assim, frente ao segundo, desenvolveu uma boa actuação. Recebeu bem o oponente, deixando-lhe
bons curtos e dois bons pares de bandarilhas, numa prestação alegre e comunicativa.

Sónia Matias actuava em ‘casa’ e isso notou-se até na disposição da toureira. As suas duas prestações foram de bom-tom, deixando com acerto as bandarilhas da praxe. Sónia andou com ritmo e boas maneiras frente aos de Alves Inácio.

Como ‘cabeça de cartaz’, surge o veterano Rui Salvador. Salvador, destacou-se na sua primeira actuação. Frente ao astado que abriu praça, andou desembaraçado e com correcto conceito de lide. Frente ao segundo, evidenciou-se mais instável, mas ainda assim, cumpriu.

No sector das jaquetas de ramagens, tudo muito equilibrado.

Pelos mais antigos de fundação, os Amadores do Ribatejo, foram caras, João Espinheira, Rafael Costa e André Martins, em consumações ao primeiro intento (primeira pega) e ao terceiro (as restantes), respectivamente.

No que concerne aos Amadores de Alcochete, foram caras, , Pedro Gil e Francisco Garcia, em efectivações ao primeiro, terceiro e quarto intentos, respectivamente.

Dirigiu com acerto, o Sr. João Cantinho.

Crónica de Solange Pinto - www.touroeouro.com

Fotos de João Dinis - www.touroeouro.com

 

18623017_1372056939548275_866462549_n.jpg

Desta feita mais 3 corridas e mais 3 triunfos extraordinários:

 

18 - Macotera – Salamanca – 2 toiros x 4 orelhas e rabo, saiu em ombros pela Porta Grande.

19 – Aroche – Huelva 2 toiros x 4 orelhas + 2 orelhas cóleras, saiu em ombros pela Porta Grande.

21 – Astorga – 2 toiros x 3 orelhas, saiu em ombros pela Porta Grande.

 

Ana Rita até ao momento leva 13 corridas feitas, com 27 reses lidadas obtendo 37 orelhas e 4 rabos, destas corridas 2 foram realizadas em França, (Portuguesa), onde saíu pela Porta grande nas duas, as restantes 11 todas elas realizadas em Espanha."

A Grande Corrida LUX, uma das mais emblemáticas da temporada do Campo Pequeno, realiza-se a 7 de Setembro, com um Cartel de Triunfadores.

Regressa ao Campo Pequeno o matador de toiros espanhol Juan Jose Padilla que a 6 de Abril, na Corrida Inaugural desta Temporada, saiu em ombros. Três presenças no Campo Pequeno, três saídas em ombros, três triunfos retumbantes que o convertem em ídolo da aficion portuguesa. Alternará com o português Manuel Dias Gomes, jovem matador de toiros, revelação da temporada de 2016 nesta praça. Lidarão 4 toiros da ganadaria Manuel Veiga triunfadora em 2016, no Campo Pequeno.

A lide a cavalo estará a cargo de Luís Rouxinol, triunfador nas corridas de 20 de Julho e na dos 125 anos do Campo Pequeno e que esta temporada comemora 30 anos de alternativa.

Pega o Grupo de Forcados Amadores de Santarém, capitaneado por João Grave, que repete depois do triunfo de 20 de Julho.

Os toiros para a lide a cavalo (dois), pertencem à prestigiada ganadaria de Mário e Herdeiros de Manuel Vinhas.

Pensava eu, talvez na já longa e empedernida fé e crença nos homens de boa vontade, que ao primeiro sinal de problemas de quem meteu ombros em levar por diante a realização de uma corrida de toiros em Viana do Castelo, uma tradição das Festas da Agonia, ou da Senhora d’Agonia, todos os ‘taurinos’, a começar pelos artistas, apoderados, empresários e comunicação social especializada, todos os que se dizem ‘aficionados encartados’, de uma forma ou de outra, dariam um passo à frente. Não para dobrarem na pega o ‘valente Durães’, mas para ajudarem, rabejando, se preciso fosse, a estupidez de meia dúzia de ‘novos censores de gosto e consciência’. Seria uma prova de ‘solidariedade’, não com o Durães, mas para com a ‘FESTA’, aquela coisa que juram ‘amar’, de que se dizem, ‘apaixonados’. Demonstrariam a sua solidariedade e indignação, gestos bonitos, salvadores de almas e dignidades em tempo de crise.

 

Isso pensava eu, que do Norte, tenho talvez uma visão deturpada da ‘fina flor’ da tauromaquia mais Sul, nos corredores do reino. Daí a minha estupefacção, que aqui verto, por ver que passadas mais de 48 horas sobre o infausto despacho do Tribunal de Braga, que impediu a concretização do espectáculo, sabe-se lá em nome de quê e por amor de quem, na comunicação social especializada que a Internet prodigamente nos oferece, e onde uns tantos se deleitam em ‘juras de amor taurino’, nem uma breve citação apareceu. Possivelmente foi por culpa da sobrecarga em seleccionar os ‘famosos’ que repetidamente aparecem nas crónicas sociais das touradas. Ou então, como sobre a corrida que na próxima quarta-feira está anunciada para Baião pesa igual teia de ‘burocracia justicialista’, claro, sempre acoberto da dignidade de uma decisão sancionatória, o melhor é fazer dois em um, ou fazer de conta que nada se passou. Afinal, eram tão só duas corridas. Ainda por cima no Norte.

 

Penso não ser demasiado cruel, se disser que não tardará, e veremos os ‘artistas’, que já se queixam de poucas e mal pagas oportunidades, a passearem só terem oportunidade de mostrarem que existem, passeando os cavalos na feira da Golegã. Mas isto sou eu, numa de crueldade adivinhatória. A realidade pode bem ser pior.

 

Mas ‘hei-de ir a Viana’… e a Baião. Como já fui a Estarreja, Mira, Vagos, Beiriz, Sanguinhal, Oliveira-de-Frades, Cinfães, Trofa, Barcelos, Ucha, etc. Fui, mas já não pude voltar a ir.

 

José Andrade

João D'Alva toureou ontem 20 de Agosto em Maubourguet(França), no primeiro novilho da ganadaria de Sánchez Arjona palmas por falhar com a espada no segundo novilho de Sánchez Fabres  cortou uma orelha de lei, depois de uma grande estocada. 

 

Ficha da novilhada 

 

3 Novilhos de Javier Sanchez Arjona 

3 Novilhos de Sanchez Fabres 

 

Hector Gutierrez  (México) Orelha e Volta

 

João D'Alva  (Escola José Falcão) Palmas e Orelha

 

Yon Lamothe  (França) Silêncio e 2 Orelhas

20170820_200621.jpg

Informa: José Manuel Rainho 

No próximo sábado, 26 de Agosto pelas 22:00 a praça de toiros Coliseu da Figueira da Foz recebe uma corrida de toiros de exaltação ao forcados amador, no qual se lida um imponente curro de toiros da ganadaria Higino Soveral.

 

No ano que se assinala o 25º aniversário da sua estreia, a divisa dos campos do Mondego estará presente na Corrida Concurso de Pegas e onde fará sair à arena do emblemático tauródromo um curro de elevado trapío. Para disputar o Troféu Coliseu Figueirense estarão em praça os grupos de forcados amadores de Tomar, Cascais e Redondo.

 

A Corrida Correio da Manhã Centro contará igualmente com os cavaleiros António Telles, Sónia Matias, João Moura Caetano, Marcos Bastinhas, Marcelo Mendes e Parrerita Cigano.

 

Sábado, dia 26 de Agosto pelas 22:00, Venha aos Toiros ao Coliseu da Figueira da Foz e Presencie a Emoção da Festa Brava!!!

 

Fotos: Florindo Piteira