Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

ROCA REY: “TENHO GRANDE DESEJO EM TOUREAR NO CAMPO PEQUENO”

04.04.17 | António Lúcio / Barreira de Sombra

O diestro peruano Andrés Roca Rey, que se estreia esta quinta-feira, no Campo Pequeno como matador de toiros confessou o seu “grande desejo por debutar na capital do toureio em Portugal”.

“É uma praça onde qualquer matador de toiros sonha tourear, pois o ambiente é único e estamos perante um público conhecedor e aficionado”, refere.

Com apenas 21 anos de idade, Roca Rey é já uma das grandes figuras mundiais do toureio da actualidade, posição que vem conquistando, desde tenra idade, à custa de muito trabalho e muita de dedicação.

Em 27 de Fevereiro de 2011, apresentou-se no Campo Pequeno, pela mão do antigo matador de toiros José António Campuzano, num Encontro Internacional de Escolas Taurinas, onde deixou apontamentos de grande classe e valentia.

Roca Rey define assim o seu processo de aprendizagem, um processo que ele considera aberto e em constante evolução: “Tem sido uma evolução contínua, sempre dando passos em frente”.

Toureiro de entrega, é como Roca Rey se auto-denonina, ao afirmar:”Não gosto de me definir como toureiro” e acrescenta: “Cada vez que entro em praça é para me entregar a cem por cento e jogar a vida, pois quero que o publico se emocione quando me vê na arena”.

Andrés Roca Rey tem múltiplas ligações ao mundo taurino pois o seu avô foi administrador da praça Acho (Lima), o seu tio, José António, foi rejoneador e o seu irmão mais velho Fernando, é matador de toiros retirado.

Debutou em público na praça Acho, a 4 de Novembro de2007, num festival com Vítor Mendes, Vicente Barrera, Eduardo Gallo, David Galván e o seu irmão Fernando.

Depois de uma campanha triunfal como novilheiro, em Espanha, França e América Latina, tomou a alternativa em Nîmes, a 19 de Setembro de 2015.

Premiado nas grandes feiras de Espanha e da América Latina, ganhou por duas vezes o “Escapulário de Oro” (2015 e 2016) em Lima e, na presente temporada, saiu em ombros em Valência. 

A corrida inaugural do Abono de 2017 no Campo Pequeno tem no seu cartel o cavaleiro João Moura, os matadores Juan José Padilla e Roca Rey e os forcados amadores de Vila Franca de Xira, capitaneados por Ricardo Castelo, sendo lidados seis toiros , dois dos quais a cavalo , da ganadaria de Mário e Herdeiros de Manuel Vinhas e quatro para a lide  a pé, dos Herdeiros de Varela Crujo.

JOÃO MOURA NO CAMPO PEQUENO PARA TRIUNFAR

03.04.17 | António Lúcio / Barreira de Sombra

Insaciável no que a triunfos respeita, obtidos ao longo de uma carreira de mais de 40 anos, o cavaleiro João Moura apresenta-se esta quinta-feira no Campo Pequeno para triunfar.

 

Expoente máximo do toureio a cavalo, João Moura tem sempre como meta triunfar na próxima corrida, independentemente de tourear no Campo Pequeno, onde mais uma vez inaugura a temporada, Madrid, Nîmes ou Praça México.

 

João Moura confessa a sua satisfação por fazer parte do cartel de 6 de Abril que ele classifica como “verdadeiramente extraordinário”.

 

“É uma grande satisfação e uma grande responsabilidade integrar este cartel, sobretudo quando se está perante um público carinhoso sim, mas muito exigente no que respeita, sobretudo, ao toureio a cavalo”, lembra e acrescenta: “De mim o público só pode esperar entrega total e um desejo único: triunfar! É para isso que estarei esta quinta-feira, no Campo Pequeno”.

 

Artista tranquilo e consciente do seu legado ao toureio a cavalo, mostra essa tranquilidade quando fala do que conseguiu transmitir aos seus filhos (João e Miguel), ambos cavaleiros de alternativa e nos quais considera ter assegurado a continuidade do seu toureio.

 

O Maestro tem ainda um sonho por cumprir: “Tourear no Campo Pequeno com os meus três filhos João, Miguel e João Tomás”, actualmente com 8 anos.

 

João Moura foi considerado o cavaleiro triunfador da temporada de 2016, no Campo Pequeno e irá alternar com os matadores Juan José Padilla (espanhol) e Roca Rey (peruano) e os forcados amadores se Vila Franca, capitaneados por Ricardo Castelo, triunfadores, tal como Padilla, da temporada de Lisboa. Roca Rey, por seu turno, impôs a sua classe e valentia, logo na primeira temporada como matador de toiros, o que faz dele a figura do momento, em todo o mundo taurino.

 

Os toiros (dois) para a lide a cavalo são da ganadaria de Mário e Herdeiros de Manuel Vinhas e os da lide a pé (quatro), à ganadaria dos Herdeiros de Varela Crujo.

APRESENTAÇÃO DA QUADRA DA CAVALEIRA ANA RITA

03.04.17 | António Lúcio / Barreira de Sombra

Ana Rita prepara a temporada de 2017 com muito trabalho e ilusão, acreditando que fruto do trabalho realizado em anos anteriores, e agora com a nova dupla de apoderados D. José Luis Cazalla e o matador de touros López Diaz, tudo indica ser um ano muito bom, até porque contratações para Espanha e França, já as há em agenda.


Ana Rita tem uma quadra consolidada, no entanto o desejo de ser figura obriga-a sempre a melhorar, fruto desse desejo é a preparação que diariamente leva a efeito com novos cavalos, que vão com certeza enriquecer ainda mais a sua quadra.

Seguidamente se apresenta toda a sua quadra:

Saída

Engraçada, 8 anos, cruzada, ruça, ferro João Dinis

Dakar, 9 anos, cruzado, palomino, ferro Soc. Ag. Oliveira Martins

 

Cavalos de Banderilhas

Figaro do Vale, 7 anos, pslusitano, baio, sem ferro

Don quixote, 9 anos, pslusitano, ruço, ferro Inácio Ramos

Castuera, 11 anos, cruzado, ruço, ferro Soller Garcia

Ás de Ouros, 12 anos, cruzado, ruço, ferro Soc. Agricula Oliveira Martins

Zaquero, 13 anos, cruzado, mosqueado, ferro Soc. das Silveiras

 

Ultimo Tércio

Fandi, 7 anos, cruzado, ruço, ferro Soc. Ag. Oliveira Martins.

Ás d'Ouros.jpg

Castuera.jpg

Dakar.jpg

Don Quixote.jpg

Engraçada.jpg

Fandi.jpg

 

Informa: Fernando Borges

Roca Rey reaparece no Campo Pequeno

03.04.17 | António Lúcio / Barreira de Sombra

O matador de toiros peruano Roca Rey reaparecerá no Campo Pequeno, na próxima quinta-feira, segundo o próprio confirmou ao Director de Actividades Tauromáquicas do Campo Pequeno, Rui Bento, através do seu representante, José António Campuzano.

 

Roca Rey, após um período de repouso absoluto, em consequência de uma lesão sacro-coxígea sofrida há cerca de um mês em Andújar, já regressou ao campo para treinar e, no domingo, tentou na ganadaria de Juan Pedro Domecq.

 

José António Campuzano, antigo matador de toiros e mentor de Roca Rey, transmitiu a Rui Bento que o diestro “está recuperado fisicamente, com uma ilusão tremenda para reaparecer, e feliz por essa reaparição ser no Campo Pequeno”.

 

Roca Rey alternará com o matador espanhol Juan José Padilla e o cavaleiro português João Moura, estando as pegas a cargo do grupo de forcados amadores de Vila Franca de Xira, capitaneado por Ricardo Castelo.

 

Lidam-se dois toiros para cavalo da ganadaria de Mário e Herdeiros de Manuel Vinhas e 4 para pé de Varela Crujo, Herd.s.

Pág. 6/6