Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

A marca Touradas lança a campanha #partilhaatuapaixao 

03.10.16 | António Lúcio / Barreira de Sombra
 

Depois do lançamento da marca esta é a sua primeira campanha. Trata-se de uma campanha online onde todos são desafiados a partilharem fotos daquilo que os apaixona, no site Touradas, e construir uma ação de promoção da tauromaquia em conjunto com a marca. 

 
Podem ser fotos de touradas, cavalos, fotos com os amigos nos toiros, o sol, a praia, o campo… o que quiserem. À medida que as fotos forem sendo partilhadas no site, vai começar a surgir o logo da marca Touradas preenchido com as fotos partilhadas. Quando o toiro estiver completo, termina a campanha, e irá ser feita uma ação na cidade de Lisboa, com todas as fotografias partilhadas.
 
A 12 de Outubro irão ser sorteados 5 bilhetes duplos, entre os participantes da campanha, para a corrida de Gala à Antiga Portuguesa no Campo Pequeno. No final da campanha vão ainda ser sorteados os primeiros produtos de merchandising da marca Touradas que irão parar, em exclusivo, às mãos de 10 sortudos. 
 
De que está à espera? Entre já em www.touradas.pt/noticia/partilhaatuapaixao e participe!

 

 Campanha #partilhaatuapaixao.png


 

COMEÇAM A PERCEBER O QUE FAZ FALTA???

03.10.16 | António Lúcio / Barreira de Sombra

A temporada de 2016 está quase no final e deu evidentes sinais de cansaço de algum tipo de cartéis que não levam público ás bancadas nem transmitem a emoção e o risco que esta arte tem inerente. Ao invés. Nalguns cartéis que foram diferentes - e falamos dos que tiveram toureio a pé – a grande maioria do público foi porque houve essa diversidade que faz a diferença e porque algo de novo se lhe apresentava.

 

É importante que os empresários entendam esta mudança de paradigma. E que entendam, também, que com alguns nomes sonantes á cabeça, o toureio a pé irá ser a fonte de renovação que o nosso espectáculo carece. Ainda que alguns continuem a dizer que não (entendemos perfeitamente a sua preocupação: apoderam artistas sem capacidade convocatória nas bilheteiras).

 

Bem organizados, os cartéis de corridas mistas podem voltar a ter a importância que tiveram no século passado, com a sua clientela bem definida e a voltar a encher praças. Este ano viu-se essa mudança, em especial no Campo Pequeno, e com bons espectáculos e público virado para o toureio a pé em muitas outras.

 

Lisboa foi ponto de mudança com El Juli o ano passado. Lembram-se da sua passagem pela arena lisboeta e histórica saída em ombros? Juan José Padilla na Moita… António João Ferreira e Pedrito de Portugal nas Caldas da Rainha… E este ano: Lisboa com Morante de la Puebla, com Padilla, Finito e Dias Gomes e o primeiro a voltar a sair em ombros; com El Fandi em Abiul e Moita. António João Ferreira em Vila Franca, e o festivais que por aí se realizaram, nomeadamente os de Mourão, de Sobral de Monte Agraço, da Fundação LVida em Lisboa.

 

Onde é que houve tão grande emoção e envolvimento do grande público? Onde é que viram o público a aplaudir de pé com tão grande intensidade?

 

Será preciso mais evidências de que o toureio a pé está aí, de novo, com capacidade convocatória e, mais ainda, com capacidade para provocar a revolução nos cartéis e trazer de volta a corrida mista dos tempos de Diamantino Vizeu e Manuel dos Santos entre tantos outros???

 

Com a presença de algumas figuras de Espanha, França, México e os portugueses Pedrito de Portugal, Nuno Casquinha, António João Ferreira, Manuel Dias Gomes e alguns dos jovens novilheiros como Diogo Peseiro, vêm dizer que não há qualidade suficiente para esse desiderato?

 

O próximo ano terá de ser de consolidação desta alternativa. Apesar de uns quantos que não conhecem a história… Cá estaremos para ver e analisar!

António Lúcio

MANUEL TELLES BASTOS NO LUGAR DE ANA BATISTA DIA 7 NA CHAMUSCA

03.10.16 | António Lúcio / Barreira de Sombra

071016 - CHAMUSCA.jpg

 

Esta Corrida de Toiros Mista, com o particular de uma Homenagem das “Gentes da Parreira” a Mestre David Ribeiro Telles, passa a ter a inclusão do cavaleiro Manuel Telles Bastos, neto de Mestre David Ribeiro Telles, rematando assim de forma muito apropriada ao acontecimento, esta imprevista substituição.

 

Assim o cartel passará a ser o seguinte:

 

Cavaleiros:

- António Telles

- Manuel Telles Bastos

 

Matador:

- Pedrito de Portugal

 

Forcados:

Amadores da Chamusca

Aposento da Chamusca

 

Toiros:

- 4 de Fontembro (lide a cavalo)

- 2 de Torrestrella (lide a pé)