Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

AS FOTOS DA CORRIDA DE 13 DE SETEMBRO NA MOITA DO RIBATEJO

14.09.16 | António Lúcio / Barreira de Sombra

Veja todas as fotos da corrida nas galerias que se seguem. Basta clicar nas setas para avançar ou retroceder.

 

LUIS ROUXINOL

 DIEGO VENTURA

JOÃO MOURA CAETANO

FORCADOS DO APOSENTO DA MOITA

SOCIAL

 

FEIRA DA MOITA: MELHOR COMEÇO ERA IMPOSSÍVEL

14.09.16 | António Lúcio / Barreira de Sombra

Praça de Toiros “Daniel do Nascimento” – Moita do Ribatejo – 13.09.16 – Corrida de Toiros

Director: Pedro Reinhardt – Veterinário: Hugo Rosa - Lotação: 65%

Cavaleiros: Luís Rouxinol, Diego Ventura, João Moura Caetano

Forcados: Aposento da Moita

Ganadaria: Maria Guiomar Moura

cortesias.jpg

MELHOR COMEÇO ERA IMPOSSÍVEL

Esta é a frase que de melhor forma resume a primeira corrida da Feira da Moita/2016. Começou da melhor forma com uma tarde de toiros que satisfez o público, que permitiu os triunfos, que fez aficionados ao toureio a cavalo e às pegas superiormente executadas pelos forcados do Aposento da Moita que se encerram com os seis toiros. Faltou um pouco de sal e pimenta nas investidas dos “Guiomar” para que fosse perfeito.

 

De ninguém é desconhecida a forma como investem os “Murubes” de Maria Guiomar Moura, aliás bem dentro das características do encaste. Um bom tranco de galope, nobreza e suavidade nas investidas para os cavalos, permitindo os ladeios e uma proximidade enorme entre a montada e o toiro e, depois, a investida para o cavalo. E aqui é que faltou um pouco de sal e pimenta pois esse toque teria feito com que muitas dessas investidas fossem perfeitas e permitissem a maior emoção que se queria pois a estética do movimento e a geometria de toureio que permitem, essa estava lá. Houve toiros de muita qualidade para o toureiro e estavam excelentemente apresentados.

 

Diego Ventura foi, claramente, o triunfador desta corrida. Recebeu com enorme decisão o seu primeiro com um ferro em sorte de gaiola que rematou superiormente com o cavalo a parar-se na cara do toiro após o ferro. E assim continuou com excelentes momentos de brega, de domínio total da montada e do toiro, sempre com a “cara” junto ao estribo. Os ferros que cravou no seu primeiro foram de alto calibre e o público aplaudiu fortemente. E no que foi quinto da tarde/noite, Ventura deu show. A sua actuação é extraordinária do ponto de vista estético, da forma como se colocou de largo para aguentar a investida e cravar como mandam as regras. Sempre a mais na sua lide: na brega, nas sortes, nos remates. Fez com que o público se rendesse por inteiro e, no final, duas voltas á arena. Um triunfo sonoro e importante pelo toureio que fez na arena da “Daniel do Nascimento”.

 

Luís Rouxinol abriu praça frente a um toiro que não foi tão colaborador quanto os restantes mas onde o toureiro de Pegões colocou a sua raça para sacar uma actuação de alto nível. Esteve muito bem a lidar, procurou os melhores terrenos, ladeou nos remates e cravou belos ferros que o grande público soube premiar. Mas foi no quarto da tarde que Rouxinol subiu de tom a sua actuação e teve momentos extraordinários montando a égua “Viajante”. Muita proximidade na brega e muita distância para a ferragem, colocando-se bem de largo, citando, provocando a investida e aguentando ao máximo para cravar grandes ferros. Uma grande actuação de Rouxinol frente a um bom toiro.

 

João Moura Caetano, que comemora 10 anos de alternativa, reapareceu na Moita e em grande nível. Uma vez mais “apertado” num cartel com duas figuras, Moura Caetano mostrou decisão e sentiu-se a gosto frente aos dois toiros que teve de lidar. No terceiro da tarde, uma actuação de classe quer na brega quer na forma como abordou as sortes. Toureio de frente, de entradas vibrantes na cara do toiro e ferros bem deixados, superando a aparente sonseria do toiro que teve por diante. E porque “melhor era impossível”, uma grande actuação a encerrar praça. Uma lide que roçou a perfeição. De largo, de praça a praça, aguentou as investidas para cravar os dois primeiros compridos. A brega foi excelente e a série de curtos de elevado quilate no geral. Entradas ao pitón contrário muito bem marcadas, na justa medida para ter o morrilho do toiro à disposição para a cravagem de ferros de muito boa nota. Toiro muito bem colocado, sempre, para que as sortes fossem desenhadas com rigor e as reuniões resultasse templadas, tal como os remates. Uma grande actuação fortemente aplaudida.

 

Os Forcados Amadores do Aposento da Moita encerraram-se em solitário e foram triunfadores com pegas de enorme valor. Abriu praça Miguel Fernandes que consumou com facilidade ao primeiro intento; Salvador Pinto Coelho fechou-se bem no segundo também ao primeiro intento e João Ventura encerrou a primeira parte da corrida com uma rija cara à primeira. Na segunda metade da corrida pegaram de caras Ruben Serafim numa rija cara á segunda; o cabo José Maria Bettencourt na pega da tarde aguentando fortes derrotes na fase final da pega e Bernardo Cardoso que se fechou com raça e decisão à primeira no que encerrou praça.

 

Dirigiu o espectáculo Pedro Reinhardt assessorado pelo veterinário Hugo Rosa e com quase dois terços da lotação preenchida.