Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

47.jpg

N.º 1 – ALAMAR – (3.11.2011)

 

Toiro negro mulato, ligeiramente chorreado. Grande, todo ele alto, com muito esqueleto, cara aberta. Sempre teve um comportamento tranquilo no campo evitando lutas com os companheiros. No entanto, nas duas últimas semanas tem tido mais interacção com os outros e já se candidata a alguma briga...

Se é verdade que não sou fã de toiros grandões, não deixo de ter esperança que pode ser, no comportamento, também um grande toiro como é no físico. Em tamanho, é o maior toiro da corrida.

 

 

N.º 15 – GAONA – (18.8.2011)

 

Toiro negro, listón, bragado corrido, salpicado. Toiro baixo, mãos curtas, cornillano. Calmo, por vezes isolado, preguiçoso quando toca a correr a roçar o molengão...talvez a guardar a energia para Almeirim...

 

 

N.º 27 – PATACO – (5.12.2011)

 

Toiro negro, listón, bragado meano. Boas hechuras, tamanho médio, com cara, sem ser ofensivo. Tocado (a meio, direcção dos cornos para cima) apertando um pouco a cara a mostrar a pala dos pitones.

Toiro conflituoso no relacionamento com os companheiros, berreando com frequência e mirando muito.

 

TOIRO 47 DE ALMEIRIM

 

 

N.º 47 – CAMINANTE – (5.12.2011)

 

Toiro negro. Boas hechuras, comprido, de perfil subconvexo, cara aberta e tocado. Como o seu irmão n.º 27, sai um pouco do tipo de toiro da ganadaria. Não está muito rematado, parecendo em boas condições físicas para aguentar uma lide exigente se quiser investir.

 

Joaquim Grave

160616 - Campo Pequeno.jpg

Andy Cartagena, o primeiro rejoneador a sair em ombros pela porta grande de Las Ventas (Madrid) na presente feira de Santo Isidro, bem como o Grupo de Forcados Amadores de Vila Franca de Xira, que pegarão os seis imponentes toiros de Canas Vigouroux em solitário, são as principais surpresas do cartel da “Corrida Surpresa” do próximo dia 16 de Junho, no Campo Pequeno.

 

No cartel estão também o primeiro triunfador desta temporada em Lisboa, João Ribeiro Telles Júnior e Rui Salvador, um cavaleiro cuja prestigiada carreira é, por si só, uma garantia de êxito.

 

Andy Cartagena reencontra-se com o Campo Pequeno, aureolado pelo triunfo de 9 de Maio, em Madrid, onde cortou as orelhas ao seu segundo toiro e conquistou a sua décima porta grande em Las Ventas.

 

O Grupo de Forcados Amadores de Vila Franca de Xira, um dos mais prestigiados da história da tauromaquia, comandado por Ricardo Castelo, vem pela primeira vez ao “Novo Campo Pequeno” pegar seis toiros, de exemplar apresentação, da ganadaria Canas Vigouroux, uma das mais importantes e respeitadas da actualidade.

 

Prosseguindo a politica definida pela empresa do Campo Pequeno de repetir quem triunfa, eis o porquê de, neste cartel surpresa, figurar o nome do cavaleiro João Ribeiro Telles, o triunfador da corrida de inauguração da presente temporada.

 

Há figuras do toureio pelas quais o tempo não passa e esse é o caso de Rui Salvador que, após 32 anos de alternativa, continua a ser um dos cavaleiros mais respeitados pelo grande público e aficionados.

 

São estes os “ingredientes” com os quais a empresa do Campo Pequeno brinda o público nesta “Corrida Surpresa” que irá marcar a temporada de Lisboa.

jandrade1.jpg

Tenho seguido, através da televisão, necessáriamente, tudo o que de bom e mau tem acontecido durante o longo folhetim da Feira de S. Isidro, em Madrid. - O que por cá vai acontecendo, muito mais a Sul, fico-me pela opinião sempre responsável do meu Amigo António Lúcio, do Miguel Dias, da Solange Pinto, e mais um outro aficionado/comentador. Não serei pessimista se disser que me preocupou conhecer o resultado final da corrida inaugural da temporada no Campo Pequeno. Foi desolador demais para que não se junte dois mais dois, na soma das tardes já realizadas, ou não, esta temporada.

 

Do que de  bom aconteceu em Madrid, que quer se queira ou não. Madrid ainda é a Meca do toureio a pé. Como local de culto e negócio, quer como referência histórica e tradicional, o meu destaque, sintético, fica tão só pelo despontar de novos e promissores toureiros.

 

Assim, do que ali sucedeu, ou tem sucedido, na parte artistica destaco, a confirmação do bom naipe de novos valores, no toureio apeado, já que rejoneo, tenho diferente opinião. São jovens novilheiros, produto das muitas escolas que cultivam a arte de ensinar cultura e tradição. São valores a despontar, gente que já por aqui havia alertado, e que em diferentes ocasiões tinham mostrado e destacado na arena, a sua vontade e empenho de ser figura. Gente jovem, técnicamente bem preparada, fisicamente atrevida e corajosa, valente e destemida. - Que temos massa critica, e parece-me que da boa, não tenho dúvidas.

 

Mas para que hajam bons toureiros, é necessário que existam bons toiros. Daí que do mau, direi mesmo de muito mau, frustrante, que tem preenchido as tardes de Las Ventas, superando o tempo incerto, têm sido os toiros. infelizmente, renovo também aquilo que já tenho destacado. Os toiros, que Madrid faz questão de sejam, grandes e  pesados, têm sido um verdadeiro e grande pesadêlo, de frustrações incontáveis.

Com tantas experiências e ensaios, é desolador testemunhar que a menos de uma semana do fecho da longa Feira de S.Isidro de 2016, se existiram três ganadarias que cumpriram o aceitável, é o tanto. E até nem foram as mais propagandeadas. Enfim!

 

Mas, no lado mau, uma coisa não posso, nem quero, também, aqui e agora, mais uma vez, voltar a salientar e a repudiar: - o chauvismo dos directores de corrida, exacerbado e provocatório! Um exemplo? Só um. Pode não ser o mais eloquente, mas o mais recente, o que se passou na corrida do passado sábado com Diego Ventura. Injustiça e preconceito. E eu até não gosto das actuações em que o toureio é confundido com desfiles de cavalos. Mas mais casos deste tipo de comportamento, sob o mais diferentes despropósitos, tem ocorrido e acontecido. Exigência?! Sim! Mas também humildade e pedagogia. Não sou daqueles que defende que “o povo é quem mais ordena”, até porque a vida já me ensinou a quanto mau leva a prática da aplicação deste bonito principio democático, além de abominar a demagogia e estupifidicação, mas...

 

Mas enquanto uns de calam, silenciam, outros, menos dependentes e respeitáveis, lá vão remando contra a maré. A deliberação tomada pela autarquia da Póvoa de Varzim, aqui neste espaço já tratada, é um, mais um sinal a reter e a alertar. E agora não se pode dizer que a autarquia é ‘rosa’, ou ‘levemente vermelha’.

 

Quando se trata de caçar porcos, muda o tipo de caçador, mas a técnica é a mesma. E claro, mudam os porcos a caçar. Com pedigree, ou não, pouco importa.

 

Por hoje é tudo. Do Norte com um abraço, 

José Andrade

CORTESIAS

cortesias.jpg

cabos.jpg

forcados.jpg

AS SEIS PEGAS DA TARDE

JOSÉ PEDRO PIRES DA COSTA

pega 1 - 1.jpgpega 1 - 2.jpg

troca jaquetas.jpg

JOSÉ MARIA BETTENCOURT

pega 2 - 1.jpg

 

pega 2 - 2.jpg

 

pega 2 - 3.jpg

 

pega 2 - 4.jpg

 

 

 JOÃO RODRIGUES

pega 3 - 1.jpg

 

pega 3 - 2.jpg

NUNO INÁCIO

pega 4 - 1.jpg

 

pega 4 - 2.jpg

 RUBEN SERAFIM

pega 5 - 1.jpg

 

pega 5 - 2.jpg

LEONARDO MATHIAS

pega 6 - 1.jpg

 

pega 6 - 2.jpg

OS CAVALEIROS

LUIS ROUXINOL

l rouxinol.jpg

SÓNIA MATIAS

s matias.jpg

FILIPE GONÇALVES

f gonçalves.jpg

MARCOS BASTINHAS

m bastinhas.jpg

ANTÓNIO D'ALMEIDA

ant almeida.jpg

MARA PIMENTA

mara pimenta.jpg

OS SEIS TOIROS

1 toiro.jpg

 

2 toiro.jpg

 

3 toiro.jpg

 

4 toiro.jpg

 

5 toiro.jpg

 

6 toiro.jpg

 

 

 

 

Praça de Toiros “Daniel do Nascimento” – Moita do Ribatejo – 22.05.16

Director: Pedro Reinhardt – Veterinário: Carlos Santos – Lotação: + ½ casa

Cavaleiros: Luís Rouxinol, Sónia Matias, Filipe Gonçalves, Marcos Bastinhas, António D’Almeida, Mara Pimenta

Forcados: Aposento da Moita

Ganadaria: José Luís Vasconcelos e Souza d’Andrade

 

A AFIRMAÇÃO DO ESPÍRITO DO FORCADO. TARDE INESQUECÍVEL PARA O NOVO CABO DOS AMADORES DO APOSENTO DA MOITA

forcados.jpg

As despedidas são sempre marcadas por uma emoção diferente e extraordinária. Termina um percurso, uma etapa e outra se inicia. A tarde foi de sol e de emoções fortes pela dureza dos toiros na forma com o investiram para os forcados e pela prestação que estes tiveram e onde mostraram toda a essência do que é ser forcado. A entreajuda, o espírito de grupo, a capacidade de sacrifício demonstrada, foram enormes. E na pega do novo cabo até um antigo forcado, hoje bandarilheiro, Gonçalo Veloso, tentou ajudar com uma primeira de excelência quando o bruto fugia em louca correria a todo o grupo e a tantos que saltaram à arena para tentar parar o touro. Momentos que se recordarão durante anos.

 

A tarde foi, nitidamente, dos Forcados do Aposento da Moita. A primeira pega da tarde esteve a cargo de José Pedro Pires da Costa que se despediu em grande, fechando-se com determinação e aguentando a viagem até tábuas onde o grupo conseguiu consumar. Seguiu-se a troca de jaquetas e José Maria Bettencourt, o novo cabo, em 4 estóicas tentativas , suportando fortíssimos derrotes e essa fuga descontrolada na primeira tentativa, e consumando a sesgo. João Rodrigues, que se despediu, consumou rija pega de caras à 3ª tentativa enquanto Nuno Inácio se fechou com a habitual raça e galhardia à segunda tentativa. E para terminar da melhor forma, Ruben Serafim aguentou um duro derrote e fechou-se à primeira, tal como Leonardo Mathias com uma soberba intervenção à primeira e encerrando assim, com chave de oiro, esta actuação do Grupo de Forcados Amadores do Aposento da Moita.

 

E se emoção houve nas seis pegas de caras, os cavaleiros sentiram as dificuldades colocadas pelos toiros e tiveram se puxar dos galões para se imporem. Abriu praça Luís Rouxinol com uma lide em que tentou equilibrar as investidas do toiro que se metia por dentro, sem romper, à defensiva. O cavaleiro de Pegões deixou três compridos procurando interessar o toiro na montada e a série de curtos teve um segundo de muito boa nota. Rematou com meio par e um par e foi aplaudido.

 

Sónia Matias teve por diante um toiro de enorme presença e mansidão, sem querer investir e com algum perigo que passa despercebido à maioria do público mas patente na forma como media a montada e esperava. Actuação de muito esforço para cravar 2 compridos e outros tantos curtos, não dando volta no final apesar do público o querer.

 

Filipe Gonçalves também teve por diante um toiro que não deu facilidades mas que soube lidar com eficácia. Depois de dois compridos à tira, tentou colocar o toiro com uma brega laboriosa e teve 3 ferros curtos de boa nota, em sortes cambiadas que fizeram soar os aplausos. Rematou com meio par e mais um par sem grande destaque e com o toiro a defender-se.

 

Abriu a segunda parte o cavaleiro Marcos Bastinhas. Um toiro que se adiantava e ao qual procurou dar a volta com três compridos do qual o último foi o melhor. A série de curtos, regulares na sua maioria, foi rematada com um par de bandarilhas e um ferro de palmo, tendo entendido bem o toiro, as suas querenças e distâncias.

 

António D’Almeida lidou o quinto, um dos melhores da corrida, cumprindo na ferragem comprida e subindo o tom na série de curtos com dois deles de muito boa nota a quiebro, em curto, e que fizeram soar fortes aplausos.

 

A encerrar a corrida a praticante Mara Pimenta teve por diante um toiro que cumpriu e onde deixou dois curtos de muito boa nota depois de ter bregado bem e deixado o toiro bem colocado. A fase final veio a menos pois só à terceira deixou o ferro de palmo.

 

Os toiros de Vasconcelos e Souza d’Andrade, de irrepreensível presença e no tipo da ganadaria, trouxeram emoção e dureza durante as lides e as pegas, destacando-se pela positiva os dois últimos.

 

A direcção do espectáculo esteve a cargo de Pedro Reinhardt e do veterinário Carlos Santos.

Texto e fotos: António Lúcio

Coruche_Elas.jpg

No próximo sábado pelas 16:30, a Monumental praça de toiros de Coruche recebe a tradicional corrida de toiros integrada na Feira Ficor, que contará este ano com um cartel diferente!!!!

 

O regresso do toureio a pé a Coruche é um dos fatores marcantes desta corrida que será mista, e que contará com a competição quer no toureio a cavalo como no toureio a pé. Na arte de marialva confronta-se a alegria de Sónia Matias com o classicismo de Ana Batista, e no toureio a pé a quietude de António João Ferreira com o temple de Manuel Dias Gomes. Uma verdadeira corrida de competição! As pegas estarão a cargo dos forcados amadores de Coruche, capitaneados por Amorim Ribeiro Lopes, no ano de comemoração o 45º aniversário da sua fundação.

 

Para além da disputa entre artistas, a corrida terá no capítulo toiro outro fator

Coruche_Eles.jpg

marcante. Numa tarde de compromisso lidam-se 7 toiros de outras tantas ganadarias portuguesas, num magno confronto de encastes. Para a lide a cavalo sairão à praça toiros das emblemáticas ganadarias de Prudêncio, Vale Sorraia e Santa Maria, enquanto para o toureio a pé serão lidados toiros das divisas de Vinhas, Varela Crujo Herds, Falé Filipe e Passanha Sobral.

 

Um ano mais a Tauroleve aposta na diferenciação dos seus espetáculos, apostando também em encher a Monumental de Coruche com 1000 bilhetes a 5€ para menores de 18 anos, cerca de 1500 bilhetes a 10€ e mais de 2.500 bilhetes a 15€!!!

Um Espetáculo de Grandes Atrativos a entradas acessíveis para todos que já se encontram disponíveis nos locais habituais.

GTSETOR1.png

A propósito do 84º Aniversário do Grupo Tauromáquico 'Sector 1', iremos levar a cabo no próximo dia 28 de Maio, pelas 10h30m, uma visita à prestigiada ganadaria Veiga Teixeira (Triunfadora do 57º Concurso de Ganadarias realizado ontem em Évora) destinada aos sócios, seus familiares e amigos, assim como a todos os que fizeram parte doI Fórum Nacional da Cultura Taurina, organizado pelo nosso Grupo.

 

A visita é gratuita mediante inscrição, seguida de um almoço, sendo que cada um deverá levar o seu farnel.

 

A ganadaria localiza-se na Herdade do Pedrogão (Lavre – Montemor-o-Novo). 

 

Após, e aos interessados, sugere-se uma ida à corrida de toiros a realizar em Coruche, pelas 16h30m, e que conta com a presença de dois jovens matadores portugueses: António João Ferreira e Manuel Dias Gomes. Para além destes, actuam as cavaleiras Sónia Matias e Ana Batista. Serão lidados toiros de Prudêncio, Vale Sorraia e Santa Maria, enquanto para o toureio a pé serão lidados toiros das divisas de Vinhas, Varela Crujo Herds, Falé Filipe e Passanha Sobral.

 

Caso seja necessário, procederemos à reserva de bilhetes para a corrida, junto da empresa.

 

Assim, devem fazer-nos chegar até dia 26 de Maio as vossas inscrições.

 

A visita à ganadaria não pressupõe a ida à corrida de toiros, pelo que no acto da inscrição devem dar-nos a indicação se pretendem ir só à ganadaria ou também à corrida.

 

 INSCRIÇÕES:  

grupotauromaquicosector1@gmail.com