Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

MUNICÍPIO DE VILA FRANCA DE XIRA CONTRA NOVAS PROPOSTAS DE LEI SOBRE A TAUROMAQUIA

13.05.16 | António Lúcio / Barreira de Sombra

Na sequência da reunião da mesa da Secção de Municípios com Atividade Taurina (SMAT), da Associação Nacional de Municípios Portugueses, que teve lugar em Vila Franca de Xira, ontem ao final do dia, o Município de Vila Franca de Xira manifesta a sua concordância para com a posição da SMAT quanto às propostas de alteração da lei acerca da Tauromaquia.

 

É preciso não esquecer que a Tauromaquia é tutelada pelo Ministério da Cultura e está inserida no Conselho Nacional de Cultura. O acesso à Cultura é um direito previsto na Constituição da República Portuguesa e o Estado está obrigado a promover o livre acesso dos cidadãos à mesma.

 

Enquanto Município com tradições culturais tauromáquicas seculares, a Câmara Municipal de Vila Franca de Xira discorda firmemente das tentativas, após décadas de democracia, de proibir por decreto a diversidade cultural e a liberdade dos portugueses.

MONTIJO ABRE TEMPORADA ESTE SÁBADO

13.05.16 | António Lúcio / Barreira de Sombra

140516 - Montijo.jpg

A Praça de Touros Amadeu Augusto dos Santos, no Montijo, abre a sua temporada no próximo sábado, 14 de Maio, pelas 17 horas, com a realização da V Corrida de Touros Raporal/STEC.


Para lidar seis imponentes touros da ganadaria Ascenção Vaz, fazem as cortesias os cavaleiros, Rui Salvador, Gilberto Filipe, António Brito Paes, António d'Almeida, Luís Rouxinol Jr. e Mara Pimenta.


Os Forcados Amadores do Montijo e do Aposento da Moita vão repartir entre si as pegas da tarde.

ANTONIO MANUEL MORAES EXPÕE ESCULTURA TAURINA NO CAMPO PEQUENO

13.05.16 | António Lúcio / Barreira de Sombra

moraes.jpg

“Toiro & Arte” é o tema da exposição de escultura de autoria do aficionado António Manuel Moraes, que estará patente ao público de 19 de Maio a 11 de Junho, no átrio principal da Praça de Toiros do Campo Pequeno.

Composta por 27 obras, a exposição retrata a vida do touro desde o nascimento até a sua lide e morte na arena, através de trabalhos em barro e bronze.

António Manuel de Moraes, advogado de profissão, é definido pelo Presidente do Centro Cultural de Belém e reconhecido aficionado, Elísio Sumavielle, como tendo ”naturalmente interiorizada no seu ser a espessura de um espírito renascentista, que se constrói ao longo de toda uma vida que, fora do âmbito familiar e profissional, foi sempre dedicada a uma profícua sementeira das artes e das humanidades”.

“Sem ter a formação de historiador, tem um vasto percurso de investigação e obra publicada. Sem ter a formação das chamadas “Belas-Artes”, tem uma obra plástica considerável, com incidência na escultura, a qual em boa hora aqui se apresenta”, refere.

“A cultura portuguesa, nas suas tradições mais populares, o fado, a tauromaquia, é a sua musa inspiradora dominante, e já é vasta a obra realizada, como será também, e por isso mesmo, o seu contributo público para um conhecimento mais aprofundado dos temas que dedicadamente vai privilegiando em horas infindáveis de trabalho”, conclui Elísio Sumavielle.

A exposição que se integra nas comemorações do décimo aniversário da reinauguração do Campo Pequeno, será inaugurada dia 19 de Maio às 18h30 e estará patente ao público das 10h00 às 19h00, com entrada livre.

IMG_20160506_124450.jpg

 

IMG_20160506_124846.jpg

 

 

 

RUI FERNANDES: “QUANDO SE TOUREIA NO CAMPO PEQUENO, OS NÍVEIS DE RESPONSABILIDADE SÃO AINDA MAIS ALTOS QUE NAS OUTRAS PRAÇAS”

13.05.16 | António Lúcio / Barreira de Sombra

Rui Fernandes, cavaleiro que a 5 de Maio cortou duas orelhas na corrida inaugural da feira de Jerez de la Frontera, uma das mais importantes de Espanha, é uma das figuras que integra o cartel da corrida comemorativa da reinauguração do Campo Pequeno, na próxima quinta-feira.

Para o cavaleiro, “Quando se toureia no Campo Pequeno, os níveis de responsabilidade são ainda mais altos que nas outras praças. Temos de estar à altura do prestígio da praça, que é muito justamente considerada a capital mundial do toureio a cavalo. Vir tourear a corrida do 10 aniversário é para mim um motivo adicional de satisfação. É extremamente gratificante ver-me associado a estas duas efemérides e mais um acicate para me entregar ainda com mais ilusão.”

Rui Fernandes diz sentir “um enorme prazer voltar a repartir cartel com João Moura e António Ribeiro Telles” e, a esse propósito, recorda um dos seus sonhos de menino: “Ainda me lembro quando, mal sonhava em ser cavaleiro tauromáquico, no que estas figuras já representavam para mim e no desejo (nesses momentos não passava mesmo de um desejo ou de um sonho) de poder um dia vir a partilhar cartel com eles. Consegui realizar esse sonho e é sempre com enorme prazer que me encontro com estes dois colegas de profissão e amigos. Reencontrá-los neste cartel comemorativo dos 10 anos da reinauguração do Campo Pequeno é um motivo de grande satisfação. Considero-o também um estímulo para os mais novos, e aproveito para lhes deixar aqui um conselho, fruto da minha experiência vivida: Nunca desistam dos vossos sonhos, pois a festa também precisa de ser refrescada e aos jovens cabe-lhes assegurar o futuro da festa.

Ao mesmo tempo, deixa um aviso aos mais novos: ”Não se esqueçam de contar com os veteranos pois nós ainda estamos aí para dar cartas e não serão os cabelos brancos que nos farão baixar a nossa ânsia de triunfo, nem o nosso ritmo competitivo.”

Comparando o antigo Campo Pequeno, onde tomou alternativa, com o Campo Pequeno da actualidade, Rui Fernandes refere existirem diferenças substanciais entre as duas realidades. “O edifício está agora ainda mais carregado de história mas, enquanto nessa época era um edifício decadente, hoje em dia tem grandes traços de modernidade que co-existem com o seu “porte” majestoso e, ao mesmo tempo exótico”, confortável para público, artistas e para os próprios toiros e cavalos.

“Nunca será um edifício perfeito, porque a perfeição em termos absolutos não existe, mas melhorou extraordinariamente”, conclui.

O cartel da corrida comemorativa do décimo aniversário da reinauguração do Campo Pequeno é formado pelos cavaleiros João Moura, António Ribeiro Telles e Rui Fernandes e pelos grupos de forcados Amadores de Santarém e de Lisboa, que lidarão e pegarão seis toiros da ganadaria de Mário e Herdeiros de Manuel Vinhas.