Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

MADRID – SAN ISIDRO: ESTES SÃO OS CARTÉIS

16.03.16 | António Lúcio / Barreira de Sombra

PRE-FEIRA

1 de Maio (Novilhada) Clemente, Álvaro García e Miguel Ángel Silva (Conde de Mayalde)

CORRIDA GOYESCA: 2 de Maio: Miguel Abellán, Iván Vicente e Juan del Álamo (El Tajo y La Reina)

 

FEIRA DE SAN ISIDRO

6 de Maio: Toiros de Valdefresno para Miguel Abellán, Daniel Luque e Jiménez Fortes

7 de Maio: (Rejoneio) Toiros de Guiomar Cortes de Moura para Andy Cartagena, Diego Ventura e Manuel Manzanares

8 de Maio: Toiros de Montealto para Juan Bautista, Morenito de Aranda e José Manuel Mas

9 de Maio: Novilhos de El Parralejo para Álvaro Lorenzo, Ginés Marín e Varea

10 de Maio: Toiros de Robert Margé para Eugenio de Mora, Juan Bautista e El Payo

11 de Maio: Toiros de El Torero para Manuel Escribano, Iván Fandiño e Paco Ureña

12 de Maio: Toiros de El Ventorrillo para El Capea, Morenito de Aranda e Gonzalo Caballero

13 de Maio: Toiros de Núñez del Cuvillo para Sebastián Castella, Alejandro Talavante e Roca Rey, (confirma alternativa)

14 de Maio: Toiros de Flor de Jara para Fernando Robleño, Miguel Ángel Delgado e Diego Silveti

15 de Maio: Toiros de Juan Pedro Domecq para Alejandro Talavante, Roca Rey e Posada de Maravillas, (confirma alternativa)

16 de Maio: Novilhos de El Montecillo para Filiberto, Juan de Castilla e Luis David Adame

17 de Maio: Corrida de la Prensa. Toiros de Pedraza de Yeltes para Manuel Escribano, Juan del Álamo e Juan Leal, (confirma alternativa).

18 de Maio: Toiros de Fuente Ymbro para Diego Urdiales, Miguel Ángel Perera e Alejandro Talavante

19 de Maio: Toiros de El Puerto de San Lorenzo para Enrique Ponce, Daniel Luque e Román, que confirma alternativa

20 de Maio: Toiros de Alcurrucén para El Juli, Sebastián Castella e José Garrido, (confirma alternativa)

21 de Maio: (Rejoneio) Toiros de El Capea para Sergio Galán, Diego Ventura e Leonardo Hernández

22 de Maio: Toiros de Las Ramblas para El Cid, Paco Ureña e Jiménez Fortes

23 de Maio: Novilhos de El Puerto de San Lorenzo para Alejandro Marcos, Joaquín Galdós e Luis David Adame

24 de Maio: Toiros de Alcurrucén para Diego Urdiales, David Mora e Roca Rey

25 de Maio: Toiros de Jandilla para El Juli, Miguel Ángel Perera e  Alberto López Simón

26 de Maio: Toiros de Parladé para Juan José Padilla, Iván Fandiño e José Garrido

27 de Maio: Toiros de El Pilar para El Fandi, David Mora e Alberto López Simón

28 de Maio: Toiros de Benítez Cubero para Rui Fernandes, Sergio Galán e João Moura Jr

29 de Maio: Toiros de Baltasar Ibán para Iván Vicente, Alberto Aguilar e Víctor Barrio

30 de Maio: Toiros de Adolfo Martín para Rafaelillo, Sebastián Castella e Manuel Escribano

31 de Maio: Toiros de Saltillo para Sánchez Vara, Alberto Aguilar e José Carlos Venegas

1 de Junho: Corrida de la Beneficencia. Toiros de Victoriano del Río para Sebastián Castella, José María Manzanares e Alberto López Simón

2 de Junho: Toiros de Celestino Cuadri para Luis Miguel Encabo, Fernando Robleño e Rubén Pinar

3 de Junho: Toiros de Victorino Martín para Uceda Leal, Miguel Abellán e El Cid

4 de Junho: (Rejoneio) Toiros de Fermín Bohórquez para Pablo Hermoso, Leonardo Hernández e Léa Vicens, (confirma alternativa)

5 de Junho: Toiros de Miura para Rafaelillo, Javier Castaño e Pérez Mota

03-16-carteles-si.jpg

 

CARTÉIS DA FEIRA DE ABRIL EM SEVILLA 2016

16.03.16 | António Lúcio / Barreira de Sombra

Domingo de Páscoa, 27 de Março. Toiros de Garcigrande para Morante de la Puebla, José María Manzanares e Alejandro Talavante.

Abril

  1. Toiros de Benítez Cubero para Rui Fernandes, Andy Cartagena, Leonardo Hernández, Armendáriz, Manuel Manzanares e Andrés Romero.
  2. Toiros de Tornay para Esaú Fernández, Jiménez Fortes e Borja Jiménez.
  3. Toiros de Torrestrella para Miguel Ángel Delgado, Pepe Moral e Javier Jiménez.
  4. Toiros Las Ramblas para Miguel Abellán, El Cid e Joselito Adame.
  5. Toiros de El Pilar para Sebastián Castella e Alberto López Simón, mano a mano.
  6. Toiros de Victoriano del Río para Morante de la Puebla, El Juli e Miguel Ángel Perera.
  7. Toiros de Juan Pedro Domecq para Enrique Ponce, José María Manzanares e Andrés Roca Rey.
  8. Toiros de Fermín Bohórquez para Sergio Galán, Diego Ventura e Lea Vicens.
  9. Toiros de Daniel Ruiz para El Cid, David Mora e Daniel Luque.

12.Toiros de Jandilla para Morante de la Puebla, Diego Urdiales e Alberto López Simón.

  1. Toiros de Victorino Martín para Manuel Escribano, Morenito de Aranda e Paco Ureña.
  2. Toiros de Núñez del Cuvillo para Sebastián Castella, José María Manzanares e José Garrido.
  3. Toiros de Núñez del Cuvillo para Morante de la Puebla, El Juli e Andrés Roca Rey.
  4. Toiros de Fuente Ymbro para Finito de Córdoba, Juan José Padilla e El Fandi.
  5. Toiros de Miur para Rafaelillo, Javier Castaño e Manuel Escribano.

PARLAMENTO CHUMBA PROPOSTAS ANTI-CULTURA E ANTI-TAURINAS DO PAN

16.03.16 | António Lúcio / Barreira de Sombra

pan.jpg

O Partido dos Animais viu esta semana todas as suas iniciativas anti-cultura e anti-taurinas serem chumbadas pelo parlamento português, no âmbito da votação do orçamento de estado para 2016. 

O PAN, através do seu deputado André Silva, pretendia discriminar o sector cultural da tauromaquia, propondo o aumento do IVA dos bilhetes dos espetáculos tauromáquicos da taxa intermédia (13%) para a taxa máxima (23%). Esta era uma medida completamente absurda e discriminatória que o parlamento chumbou. 

O mesmo destino teve a medida discriminatória proposta pelo PAN para que os artistas tauromáquicos não tivessem direito à isenção de IVA como os restantes artistas das mais variadas áreas culturais. 

O Parlamento Português foi uma vez mais muito lúcido e não admitiu as tentativas radicais e discriminatórias propostas pelo PAN, que atentavam contra os direitos e liberdades dos artistas tauromáquicos e do acesso dos cidadãos à cultura. 

A Federação Portuguesa de Tauromaquia congratula-se com a atitude do Parlamento de salvaguardar os direitos e liberdades dos portugueses contra os ataques deste partido radical. 

Informação e foto: ProToiro

PROTOIRO RESPONDE AOS ATAQUES DO PAN CONTRA A GARRAIADA DA QUEIMA DAS FITAS DE COIMBRA

16.03.16 | António Lúcio / Barreira de Sombra

Coimbra, 15 mar (Lusa) – A Federação Portuguesa de Tauromaquia (Protoiro) rejeitou hoje eventuais alterações à garraiada da Queima das Fitas de Coimbra, proposta pelo PAN, defendendo o que considerou “uma tradição viva” enraizada na academia e na sociedade.

“A garraiada é uma tradição viva e plenamente aceite pelos cidadãos em geral e pelos estudantes de Coimbra em particular”, disse hoje à agência Lusa Helder Milheiro, ativista das atividades taurinas e membro da comissão executiva da Protoiro.

Na segunda-feira, o partido Pessoas Animais Natureza (PAN) criticou a lide de animais jovens na praça de toiros da Figueira da Foz, integrada ano após ano no cartaz da Queima das Fitas dos estudantes da Universidade de Coimbra UC), a que se juntam os colegas das demais escolas superiores da cidade.

Em comunicado, o PAN saudou o “diálogo positivo e construtivo” encetado com o Conselho de Veteranos (CV) da academia de Coimbra, o qual admitiu que o programa da garraiada possa no futuro ser alterado para salvaguardar os direitos dos animais.

Não foram ainda tomadas decisões, mas o 'dux veteranorum' João Luís de Jesus, que preside aos trabalhos do CV, disse na ocasião à Lusa que estão a ser ponderadas alterações ao programa a fim de responder “ao que a sociedade está a questionar” nas atividades tauromáquicas.

“A praça da Figueira tem sempre uma grande moldura humana” no dia do espetáculo taurino dos estudantes de Coimbra, adiantou Hélder Milheiro, realçando que importa ter em conta as opções de “muitos milhares” de pessoas que assistem à garraiada.

Na sua opinião, a iniciativa tem sido contestada “por um pequeno grupo da região que não representa a realidade” do país, já que os portugueses “estão bastante ligados ao espetáculo” taurino.

Em abono da sua posição sobre as atividades tauromáquicas integradas nas festas académicas, a Protoiro cita dados de um estudo de opinião realizado pela empresa Eurosondagem, em 2011.

“Um terço dos portugueses (32,7%) afirma-se aficionados, o que corresponde a mais de três milhões de pessoas”, disse Hélder Milheiro. Para o dirigente da Federação Portuguesa de Tauromaquia, importa ainda ter em conta que 86,1% dos portugueses “não defende qualquer proibição das corridas de toiros”.

Segundo a mesma sondagem, 32,8% dos cidadãos em Portugal não são aficionados “mas não aceitam que se retire a liberdade de escolha”, enquanto 20,6% “são indiferentes às touradas”.

“Apenas 11% são contra as touradas e defendem a sua proibição”, acentuou Hélder Milheiro.

Informa: ProToiro

Barreira de Sombra - Temporada de 2016 - 3ª. Crónica – 16/Março/2016

16.03.16 | António Lúcio / Barreira de Sombra

jandrade1.jpg

Uma explicação devida.

Com um bom numero de coisas a ter de ocorrer, e para socorrer, algumas delas muito absorventes, acabei por não poder cumprir com aquilo que me comprometi com o meu Amigo António Lúcio, isto é, não enviei a minha participação para o último programa quinzenal, aqui no barreiradesombra.blogs.sapo.pt.

 

As minhas desculpas ao António Lúcio, e naturalmente aos que por aqui nos seguem.

 

O mês que mediou entre a nossa ultima crónica e esta, foi um tempo de arranque da temporada tauromáquica. Cá, e lá.

 

Em Espanha, foi Olivença e agora Valência. Na América Latina, com as grandes feiras já realizadas, a temporada faz o natural percurso que a encaminha para  o fim.

 

Do que por cá se passou, além do que António Lúcio viu e aqui relatou, destaco como iniciativa relevante, a que por motivos incontornáveis não pude, ou posso assistir, a primeira sessão do 1º. Fórum da Cultura Taurina.

 

O 1º. Forum da Cultura Taurina, acontecimento que teve lugar na Praça de Toiros do Campo Pequeno, é uma nobel iniciativa e organização do Grupo Tauromáquico Sector 1.

 

Será, ‘falar cá dentro para fora’, mas isso não lhe diminui o mérito e o alcance. E é uma boa iniciativa, disso não duvido.

 

Pequeno passo? Talvez.

 

Mas não é de pequenos passos que se fazem as grandes caminhadas? Ou não será da soma de pequenas pedras que se erguem grandes obras? E onde todos ajudam, menos custa e mais se consegue!

 

Um Fórum aqui, uma palestra ali, um debate acolá, um atento esclarecimento além, são iniciativas, participações e contribuições, que só devem merecer louvor de quem as realiza, ou dos que nela intervêm. É que esta coisa de ‘dar uns euros’ para ajudar a causa, contribuir para as despesas, não chega! É preciso fazer o esforço de ‘ir lá, estar lá’, ver e ser visto. Se é que se gosta mesmo da Festa, de todo!

Se pessoalmente não posso ir, por ser distante, financeiramente incomportável, não deixo de ‘mover’ o que posso, e como posso, para que iniciativas deste tipo, sejam destacadas e imitadas. Repetidas em outros lados, se possível for.

 

Mas, se cá tivemos a primeira sessão do 1º. Fórum da Cultura Taurina, em Espanha, em Valência, com grande cobertura mediática, antes, durante e até depois, a defesa da Liberdade e Cultura Taurina, ficam com uma data e um momento para a história, o ‘13M’.

 

Se já reservava algum do meu tempo para através do Canal Toiros acompanhar, com redobrado interesse, o inicio da temporada em Espanha, aliás como o comprovam os resumos que escrevi aqui no Barreira de Sombra, não podia deixar de acompanhar, ainda que pela televisão, a grande infestação de que teve lugar em Valência.

 

Vi e revi.

 

E, se não me engano, e espero vem que esteja enganado, que ando a ver mal, não vi nenhum sinal, nenhuma pancarta, nenhuma bandeira portuguesa.

 

Portugal esteve ausente, Portugal desertou da luta pela Liberdade, Cultura e Tradição.

 

Que me conste, aqui por terras lusas, os ataques à Festa dos Toiros, à Cultura Taurina, à Liberdade de realização de corridas de toiros, à vivência da tauromaquia, enquanto Arte, Cultura, Tradição, sofre o mesmo tipo de ataques e violências que ‘nuestros hermanos’.

 

Será assim tão pouco importante uma simples manifestação de Solidariedade ‘inter-pares’?

 

Do Norte, com um abraço

José Andrade