Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

O INDULTO DO TOIRO - A PROVA, por Chaubet

17.11.14 | António Lúcio / Barreira de Sombra

A acusação que os manhosos oportunistas que se intitulam defensores dos animais, fazem aos taurinos, é a de se comprazerem com a forma agressiva como, numa tourada, o toiro é tratado. Ora, perante o indulto do toiro, este argumento cai pela base. Vejamos.

Quando um toiro é indultado os taurinos, em vez de protestarem por lhes ser tirada a oportunidade de continuarem a gozar o tal sofrimento que os "contra", ardilosamente, dizem ser o que eles apreciam, festejam com exuberante satisfação tal acontecimento.

Aliás o indulto e a reação do público aficionado ao mesmo, PROVA de que não é o sofrimento do toiro que o mobiliza. SUPORTAM-NO apenas por ser imprescindível para uma boa lide.

Se, (por acaso já se sabe), algum "contra", anti taurino ou anti tourada, ler este comentário, tenho curiosidade em saber qual a interpretação que faz do pedido de indulto de um toiro.

Carlos Patrício Álvares (Chaubet)

TERMINOU A FEIRA DO CAVALO NA GOLEGÃ: CONHEÇA OS GRANDES VENCEDORES

16.11.14 | António Lúcio / Barreira de Sombra

cartaz_fnc2014_288_400.jpg 

LIV Concurso Nacional de Apresentação do Cavalo de Sela FNC e XVI Concurso Nacional de Apresentação do Cavalo de Sela da Feira Internacional do Cavalo Lusitano

 

PORTUGUÊS DESPORTO – 3 Anos

1º GARGENTINUS PARISOL (Ouro) - Criador: Coudelaria Parisol – Proprietário: António Claro

2º GRIFO (Prata) – Criador: Dr. Pedro Ferraz da Costa - Proprietário: Dr. Pedro Ferraz da

Costa Prata

 

CRUZADO PORTUGUÊS – Talhe Médio – 3 Anos

1º GLOBETROTTER LOYAL (Bronze) – Criador: Casa Agrícola Victor  - Proprietário: Frias Transfialense

 

CRUZADO PORTUGUÊS – Talhe Ligeiro – 3 Anos

1º GATO BRAVO (Bronze ) - Criador Casa Gouveia - Proprietário Casa Gouveia

CAMPEÃO DE RAÇAS

GARGENTINUS PARISOL - Criador Coudelaria Parisol – Proprietário :António Claro

 

LUSITANOS - 3 anos

1º GLACIAL (Ouro) – Criador: Yeguada la Perla – Proprietário: Yeguada la Perla

2º GALILEU D’ATELA (Ouro) – Criador: Francisco Bessa de Carvalho – Proprietário: Lusitanos D’Atela

3º GUISO DAS LEZÍRIAS (Prata) – Criador: Coudelaria da Companhia das Lezírias – Proprietário: Companhia das Lezírias

4º GUADIANA DA CANICEIRA (Prata) – Criador: Herdade da Caniceira – Proprietário: Herdade da Caniceira

 

LUSITANOS - 4 anos

1º FADO DR  (Ouro) – Criador: Drª Maria de Jesus Duarte Rico – Proprietário: Drª Maria de Jesus Duarte Rico

2º FOGOSO (Ouro) – Criador: Coudelaria Torres Vaz Freire – Proprietário: Soc. Agr. de Vila

Formosa, Ldª

3º FANTASTICO (Prata) – Criador: Coudelaria Santa Barbara  - Proprietário: Coudelaria Leonel Duarte Galrão  

4º FADO (Prata) – Criador: Coudelaria Romão Tavares – Proprietário: Coudelaria Romão Tavares

5º FAISÃO (Prata) – Criador: Coudelaria Torres Vaz Freire – Proprietário: Soc. Agr. de Vila

Formosa, Ldª

6º FAQUIR DAS LEZÍRIAS – Criador: Companhia das Lezírias – Proprietário: José Brito Eusébio

 

LUSITANOS - 5 anos ou mais

1º DOLAR DO PENEDO (Ouro) – Criador: Coudelaria Resina Antunes  - Proprietário: Coudelaria Resina Antunes

2º CANABIS – Criador: Quinta dos Pedros – Proprietário: Paulo Bessa Prata

3º CARTAZ II – Criador: Coudelaria José e João Veiga Maltez  - Proprietário: Bruno Miguel Ferreira de Magalhães Pinto

4º DIHOL – Criador: Coudelaria Alter Real – Proprietário: Eduardo Ribeiro

 

CAMPEÃO DA RAÇA LUSITANA

DOLAR DO PENEDO (Ouro) – Criador: Coudelaria Resina Antunes – Proprietário: Coudelaria Resina Antunes

 

Troféu Marquês de Marialva – Concurso de Dressage Nacional – Prova Livre com Música – Nível Internacional (Free-Style) | National Dressage Competition

DRESSAGE FREESTYLE TEST INTERMEDIATE I

1º - Maria Pais do Amaral, montando GENTLEMAN

2º -  Luis Lupi, montando CARAVAGGIO

3º - Morgane Giordimaina, montando BASCO

4º - Duarte Nogueira, montando BEIRÃO

5º - Emma Franco, montando ZOLISTA

 

DRESSAGE FREESTYLE TEST GRAND PRIX

1º - Maria Moura Caetano Couceiro, montando ZINGARO

2º - Salvador Pessanha, montando XENOFONTE D'ATELA

3º - Paulo Santos montando, VERCIGETORIX

 

Prova de Equitação à Portuguesa – Prova Nível B e A | Portuguese Equitation Tests

PROVA DE EQUITAÇÃO À PORTUGUESA - NIVEL A

 1º Eduardo Almeida, cavalo: Santo

2º Nuno Tição, cavalo: Bem-Hur

3º Eduardo Almeida, cavalo:  Vitorino

4º Fábio Ventura, cavalo:  Califa

5º Luis Miguel de Sousa Pacheco, cavalo:  Ulisses II

6º Rómulo Batista, cavalo:  Sacrário

 

PROVA DE EQUITAÇÃO À PORTUGUESA - NIVEL B

1º Miguel Fonseca, cavalo:  Zaxixe

2º Nuno Tição, cavalo:  Cielo da Cartuxa

2º Miguel Fonseca, cavalo:  Badajoz

4º Gilberto Filipe Silva, cavalo:  Zinque das Lezirias

5º Manuel da Costa Alves, cavalo:  Capote

6º Barbara Bicho Borgas, cavalo:  Umbroso

7º João Batalha, cavalo:  Burladero

8º Rui Gomes, cavalo:  Banie

9º Nuno Miguel Silva, cavalo:  Zangão D'Além

10º Catarina Domingos Machado, cavalo:  Cravo

11º Daniela Leitão Vinhas, cavalo:  Bizarro

12º Rómulo Batista, cavalo:  Zumbido

13º João Manuel Santos Inverno, cavalo:  Zarco

14º Silvério Ribeiro Pacheco, cavalo:  Basílico

15º João Sousa Faustino, cavalo:  Forcado

16º Joana Maria Gomes Pinheiro, cavalo:  Roedor

17º Flávio André Vieira Araújo, cavalo:  Batoteiro

18º Abel Avelino de Paiva e Silva, cavalo:  Zeus do Zambujal

19º João Lavrador, cavalo:  X

20º Joana Bogas Martins Carvalho, cavalo:  Simpático

 

Mais resultados em http://www.fnc.cm-golega.pt/index.php/classificacoes#concurso_atrelagem

Próxima realização: Expoégua em 2015

 

cartaz_expoegua_2015.jpg

 

Tauromaquia em Viana do Castelo no centro da tempestade

14.11.14 | António Lúcio / Barreira de Sombra

Há mais de 30 anos que fui, pela primeira vez, aos toiros a Viana do Castelo. As festas em honra de Nossa Senhora da Agonia congregavam muitos milhares de locais e forasteiros e a corrida de toiros era deveras concorrida e de casa cheia até à bandeira. As gentes do Minho e também da vizinha Galiza rejubilavam com o espectáculo e não era raro vermos, na zona circundante, pessoas que cedo chegavam e ali faziam a sua refeição, em alegre e comunitário piquenique.

Com o passar dos anos, e é bom não o esquecer, até a RTP transmitiu em directo uma dessas corridas, com filas de gente a acotovelarem-se junto às portas e o com o trânsito completamente congestionado, atrasando o início do espectáculo dado que a Banda de Música também estava “presa” no trânsito. Disso não se devem recordar nem o ex-presidente Defensor de Moura nem o actual presidente Costa. Não têm memória, não têm passado…

Estes pequenos ditadores, grandes arautos da liberdade e da democracia (também não devem saber o significado de ambos), mal chegam ao poder acham que podem tudo, contra tudo e contra todos, desde que as suas luminosas ideias e dos seus apaniguados e fiéis vassalos, sejam as que prevalecem. Mesmo perdendo continuamente na Justiça (cega e imparcial)!!! E só na justiça poderão ser vencidos, com todos os custos, inclusive os do erário público, na Justiça.

Mas ao mesmo tempo tempo, e porque não vejo em nenhum dos comunicados do Movimento Vianenses pela Liberdade e também da Prótoiro qualquer referência aos antigos proprietários da Praça de Toiros, cabe perguntar: que interesses motivaram os proprietários da praça de toiros a vendê-la à Câmara então liderada por Defensor de Moura (que havia declarado Viana como cidade anti-touradas) por uma irrisória quantia de 5000 euros? Não sabiam das ideias do ex-presidente? Não tinham consciência de que, mais tarde ou mais cedo a ideia seria demolir a praça e ponto? Porque não procuraram vendê-la a um empresário taurino? Ou a outra entidade que tivesse interesse em explorá-la comercialmente?

Estas são questões que são de resposta obrigatória para que os aficionados sejam devidamente esclarecidos do que pretenderam os proprietários com a venda do imóvel à Câmara.

E importa exigir que o actual presidente da Câmara respeite a vontade da maioria dos vianenses e das gentes do Minho e redondezas que sempre tiveram corridas de toiros nas festas da Srª. Da Agonia e que se viram espoliadas de tal pelas ideias brilhantes de um democraticamente eleito presidente da edilidade!

TEMPORADA GRANDE DO MÉXICO EM DIRETO NA TOROS TV

14.11.14 | António Lúcio / Barreira de Sombra

Acompanhe no seu canal TOROS TV, nos meses de Novembro a Janeiro, os grandes festejos do México, pela primeira vez em direto. 

A TOROS TV emite 24 horas por dia, todos os dias, o que há de mais importante sobre a "festa brava".

toros.jpg

 

CARTA DO MOVIMENTO VIANENSES PELA LIBERDADE, LIDA NA ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE VIANA DO CASTELO

14.11.14 | António Lúcio / Barreira de Sombra

Carta que foi lida na tarde de hoje, 13 Novembro de 2014, na Assembleia Municipal de Viana do Castelo.

Praça de Viana.jpg

Exmo Sr Presidente,

Exmos senhores Vereadores,

Exmos Senhores membros da Assembleia Municipal,

Vianenses,

 

O Presidente deste município, o Sr. José Maria Costa, prepara-se para de uma forma dissimulada tentar demolir um dos edifícios históricos da nossa cidade: a Praça de Touros da Argaçosa, o Barracão dos Touros como é carinhosamente chamado pelos Vianenses desde há muito tempo.

 

Pretende demolir o esforço de gerações de Vianenses, que sonharam desde o século XIX dotar a nossa terra aficionada de uma praça de touros que tivesse a maior dignidade e ombreasse com qualquer outra praça de Portugal. Conseguiram-no. Foi em 1949 que o sonho ganhou forma de pedra e de uma vez por todas, depois de pelo menos 7 praças de madeira, Viana teve a praça que estava à altura dos seus pergaminhos taurinos que se perdem nos séculos.

 

História taurina da qual temos registos pelo menos desde 1609, por ocasião da transladação dos restos mortais de Frei Bartolomeu dos Mártires para a capela-mor da Igreja de São Domingos, dia em que se correram touros no Campo do Forno, a atual Praça da República.

 

Tudo muito antes de se começarem a celebrar as Festas em honra da Senhora da Agonia, que se iniciam pelo último quartel do sec XVIII, ou seja, quase duzentos anos depois do primeiro registo escrito de uma tourada em Viana do Castelo.

Mas atreveu-se o senhor José Maria Costa, tal como o senhor Defensor Moura, dizer que não existe tradição taurina em Viana? Que nos dias de hoje só se realiza uma corrida por ano. Mas quantas vezes se celebram as Festas da Agonia por ano? Dez? Vinte? Somente uma vez por ano, tal como as touradas. Quer isso dizer que as festas da Agonia não são uma tradição de Viana?

 

Haverá vergonha para dizer tal mentira, para fazer tal afronta à história da nossa cidade? Conhece o senhor presidente a história de Viana? A resposta é não, ou então, mente com outros propósitos.

 

Em 2009 a Câmara Municipal comprou a Praça de Toiros de Viana por 5 mil euros deixando-a ao abandono, numa manifestação de desrespeito pelo património e história desta cidade. Começou aí o plano que hoje nos trás aqui. Comprou-se a praça para tentar impor uma ideologia pessoal do Sr Defensor Moura, que O Sr José Maria Costa continua a alimentar.

 

Como pode o Sr. justificar este abandono perante os Viananeses?

 

A sua postura tem envergonhado Viana e os Vianenses com as suas manobras intimidatórias, indignas de um país democrático. Tenta impor a todo o custo as suas ideias pessoais sobre o património cultural Português que são as corridas de touros, atacando a liberdade, as leis do nosso país, tentando violar os direitos dos Vianenses.

 

O Sr José Maria Costa transformou as Festa da Agonia numa batalha mediática ridícula sobre touradas, retirando o sossego das gentes de Viana. Humilhou-se a si mesmo, humilhou Viana do Castelo e as suas gentes, humilhou a Festas da Agonia, com a balburdia que todos os anos cria em Viana, para de uma forma autoritária abusar da sua posição, tentando proibir aquilo para que não tem poderes, mas acima de tudo atacando a cidadania.

Atacando a nossa liberdade de enquanto Vianenses, cidadãos de um país livre e democrático, de fazermos as nossas escolhas, tentando retirar o direito de acesso à cultura que a Constituição Portuguesa define como direito fundamental. Democracia essa que o senhor parece querer esquecer.

 

Perante o autoritarismo, tiveram de ser os tribunais a colocá-lo no seu devido lugar, subjugá-lo à lei e ao direito. Porque em Viana existe um clima de medo e de intimidação de se pensar alto, de se dizer a verdade e o que se pensa, por isso tudo se permite a quem governa o município.

 

A influência da Câmara Municipal cala muitas bocas. Vergonhosamente. Mas não as nossas. Somos cidadãos de pleno direito e não nos calaremos, fiscalizamos e fiscalizaremos os seus passos e terá de prestar contas do que faz. Isso é a democracia. Isso é a vivência da liberdade.

 

Como sabe, mas não quer ouvir, a Eurosondagem fez, em 2013, um estudo de opinião no concelho de Viana sobre o tema das touradas, e os resultados não podiam ser mais claros:

 

  • 52,2% dos vianenses querem touradas em Viana e que estas façam parte do programa oficial das Festas da Senhora da Agonia. Mais de 20% à frente do não.
  • 59% dos Vianenses acha que a existência de touradas em Viana é importante para o turismo e economia do concelho.
  • 57,5% dos vianenses querem a praça de toiros de Viana do Castelo tenha touradas e outros espectáculos, sendo um espaço multiusos.

 

Ouviu bem estes números?

 

O senhor é um empregado dos cidadãos de Viana, pago com o nosso dinheiro para zelar pelos interesses do nosso concelho, para nos respeitar, para respeitar a diferença e as divergências e não para exercer um cargo público para impor uma visão pessoal aos Vianenses. Somos o povo, as pessoas a quem tem de prestar contas, não somos seus súbditos. Nunca se esqueça disso. Nunca. Quando se esquecer, nós estaremos cá para lho lembrar.

 

Depois de o Sr. José Maria Costa sair pelo terceiro ano consecutivo completamente derrotado pela força da cidadania vianense, as touradas estão de pedra e cal em Viana, como desde há séculos, mas chegou agora o momento da vingança. José Maria Costa planeia agora vingar-se executando um plano para tentar demolir a praça de touros da nossa cidade.

 

O Sr. já demonstrou ser uma pessoa sem escrúpulos, e volta a fazê-lo. Vejamos todos os passos: Tudo começou pela compra da Praça em 2009, por um preço muito estranho de 5 mil euros pelo Sr. Defensor Moura, para inviabilizar a realização de corridas. Ambos deixaram a praça ao mais completo abandono durante estes anos. O Sr fez todos os ataques e medidas intimidatórias para impedir a realização de corridas de touros em Viana, sendo derrotado em toda a linha. Agora chegou a hora de se vingar e de tentar demolir a praça de touros, como represália sobre os cidadãos de Viana, julgando que com isso elimina as touradas da nossa cidade. Mas está muito enganado.

 

Repare-se: não existe plano algum para a praça, nunca se teve qualquer cuidado de a conservar e preservar. Agora, vai pagar a uma entidade, para esta se pronunciar sobre o estado da estrutura da praça. O que lhe irá dizer a entidade à qual vai pagar, por ajuste direto?

 

Vai dizer obviamente aquilo que o senhor lhes encomendar. Ou seja, digam-me que a praça tem de ser demolida, para que eu possa apresentar-me de forma casta, como se não tivesse feito tudo para que assim fosse, e tenha de demolir apesar de não querer.

 

Não aceitamos esse engodo aos Vianenses. Esse estudo tem de ser feito por uma entidade independente, que dê garantias de total independência, como o LNEC, o Laboratório Nacional de Engenharia Civil. Depois as medidas a tomar perante o património de uma cidade e de uma comunidade não é demolir, mas si recuperar. Um país civilizado recupera e preserva a sua memória e património, não o deita abaixo.

 

Dirá que isso custa dinheiro ao município. Então tem uma solução muito simples: como sabe foi aqui divulgada uma proposta de compra para que privados façam a recuperação deste património da cidade e o devolvam aos Vianenses como espaço multiusos, com total risco para os privados, evitando o gasto de dinheiros públicos.

 

Isto num município como o nosso, que vive uma situação trágica com uma divida milionária de muitos milhões de euros, num município que vive uma situação social e económica calamitosa, essas sim deviam ser as suas preocupações e não se há ou não uma corrida de touros.

 

Nenhuma razão pode fundamentar a demolição de um edifício histórico da nossa cidade. Este pode e deve ser recuperado, pois é essa a forma um país e um município civilizado tratar o património, herança de gerações, que deve legar às gerações futuras.

 

Saiba esta Assembleia que existem alternativas. Saiba que tudo faremos para que José Maria Costa seja impedido de levar o seu plano de demolição da cultura e história de Viana avante. O povo é quem mais ordena e vamos impedir que a barbárie se sobreponha ao respeito pela cultura, pela história e pela liberdade.

 

Viva Viana e Viva a Liberdade!

 

Tenho dito.

Isabel Semedo

 

Movimento Vianenses pela Liberdade

 

https://www.facebook.com/VianensesPelaLiberdade

http://touradasemviana.com/

COMUNICADO PROTOIRO SOBRE AMEAÇA DE DEMOLIÇÃO DA PRAÇA DE TOIROS DE VIANA DO CASTELO

13.11.14 | António Lúcio / Barreira de Sombra

Atentado ao Património: Presidente da CM de Viana do Castelo tenta de forma dissimulada demolir a histórica praça de toiros de Viana do Castelo.

Praça Viana (vista aerea).jpg

 São Graves as notícias que chegam de Viana, onde o presidente da CM está a tentar mais uma manobra dissimulada para atacar a tauromaquia, com o objectivo de demolir a belíssima praça de toiros da cidade, edifício histórico, que faz parte da memória colectiva desta cidade.

 

José Maria Costa revela uma vez mais aquilo a que sempre nos habituou: um profundo desprezo pelas liberdades, pela cultura e pelo património dos Vianenses e do nosso país. De uma forma baixa, vai pagar a um instituto para que este no fina lhe diga o que ele pretende, ou seja, a ordem de demolição.

 

A Praça foi deixada ao abandono por Defensor Moura e José Maria Costa para abrir caminho à estratégia de demolição. Na verdade a praça precisa de obras de recuperação, normais num edifício antigo, sendo que existe uma proposta, apresentada em Assembleia municipal, por parte de um consórcio Luso-francês, que pretende comprar a praça e transformá-la num espaço multiusos, como o Campo Pequeno, sem qualquer custo para o município.

 

José Maria Costa usa esta estratégia para se vingar dos Vianenses pelas derrotas consecutivas que tem sofrido da parte da aficion local.

 

Esta manobra já está a ser denunciada pelo movimento cívico local "Vianenses pela Liberdade". A Protoiro está a analisar os detalhes da situação a estudar as possíveis medidas a tomar. Em breve daremos mais informações.

 

PROTOIRO Federação Portuguesa de Tauromaquia