Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BARREIRA DE SOMBRA 30 ANOS (1987/2017)

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

BARREIRA DE SOMBRA 30 ANOS (1987/2017)

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

ATCT ESCLARECE APET...

30.11.13 | barreiradesombra

Exmos Senhores,

Com um pedido de publicação, especialmente aqueles que já publicaram o comunicado da APET ao respeito e invocando o direito de resposta:


ESCLARECIMENTO:

Face ao comunicado avançado pela APET, tendo em conta o posicionamento da FNAC relativamente à Tauromaquia, e porque implicitamente se refere à ATCT, uma vez que foi a entidade que avançou a notícia, cabe-nos esclarecer o seguinte:

- A ATCT limitou-se a reagir a um comunicado da Associação Animal, dado à luz no passado dia 25 de Novembro, e onde esta avança que havia recebido, no dia anterior, a confirmação por parte da FNAC, de que esta “não vende bilhetes para touradas por uma questão ética”;

- Mais grave, avança a Associação Animal, tal facto ficou a dever-se à pressão exercida pelos animalistas;

- Desse comunicado faz prova o print screen que agora disponibilizamos;

- Como temos por hábito confirmar tudo aquilo que publicamos tivemos, antes de emitir este esclarecimento, o cuidado de contactar o próprio Presidente da APET que desconhecia em absoluto esta posição da Associação Animal;

- Da gravidade que implica deixar passar impunemente mentiras anti-taurinas fomentadas por Associações como a Animal, e vitórias onde elas não existem, julgarão todos os aficionados, na certeza de que as mesmas não contarão com a conivência da ATCT;

- As boas relações que mantemos com a APET e com o seu Presidente, manter-se-ão em absoluto pois, tal como avançado, concordamos que a Festa se deve defender com trabalho sério e inteligente. É isso que fazemos. É para isso que cá estamos. E por muito que custe, não nos calarão.


Junta-se prova que motivou a acção da ATCT em anexo.


Muito obrigado a todos pela atenção,

A Direcção da ATCT

--
Presidência
ATCT-Associação de Tradições e Cultura Tauromáquica
www.atct.org.pt
https://www.facebook.com/atctauromaquica

Nota: não colocamos o jpg da imagemda Animal porque, jamais, daremos coberura a esses indivíduos. Também não publicámos o comunicado da APET porque esta entidade também não nos envia as suas comunicações. António Lúcio 30.11.13

OS MOMENTOS QUE MARCARAM A TEMPORADA 2013 DO «BARREIRA DE SOMBRA» (AGOSTO A OUTUBRO)

29.11.13 | barreiradesombra

Entre os meses de Agosto e Outubro desenrola-se a parte de leão da temporada tauromáquica, com especial incidência em meados do mês de agosto e setembro. Neste período destacamos  5 momentos que nos fizeram vibrar e mereceram os nossos aplausos.

 

Agosto

Dia 8 – Campo Pequeno – “Magnífico curro de Canas Vigoroux”

CHEGAR, VER E VENCER: MAGNÍFICO CURRO DE CANAS VIGOROUX, O TRIUNFADOR DA CORRIDA DE HOMENAGEM AO EMIGRANTE

 

Falamos sempre de que falta o elemento principal, o toiro. O toiro com idade, peso e trapio. O toiro bravo, de investidas claras, capaz de proporcionar sensação de perigo emoção na arena e transmitir esses predicados a quem assiste à corrida. O toiro não faltou desta vez em Lisboa. O toiro saiu à arena em pleno, com investidas claras, francas, alguns deles a carregarem forte nas sortes e depois dos ferros. Toiros que investiram com raça; toiros que galoparam; toiros a empurrar quando sentiram os forcados nos seus terrenos. Após a reinaguração da praça de toiros do Campo Pequeno, os toiros que pastam na zona de Castanheira do Ribatejo, Vila Franca de Xira, deram a Pedro Canas Vigoroux, seu proprietário, um saboroso triunfo neste regresso à arena da capital e foi merecidíssima a sua chamada à arena. E, refira-se, não foi por falta de colaboração dos toiros que os triunfos não foram sonantes e poderiam ficar registados nos anais.

 

Dia 17 – Arruda dos Vinhos – “Noite memorável dos Amadores de Montemor”

NOITE MEMORÁVEL DOS AMADORES DE MONTEMOR

 

A segunda corrida da Feira de Arruda dos Vinhos viveu sob o signo da emoção, principalmente nas magníficas e duras pegas de caras executadas pelos Amadores de Montemor aos toiros espanhóis (…)Noite de glória para os Amadores de Montemor, secundados pelos de Arruda dos Vinhos. Os Amadores de Montemor sob o comando de António Vacas de Carvalho deram uma enorme lição de solidariedade e de espírito de grupo na forma como ajudaram na consumação de 3 enormes pegas de caras concretizadas por intermédio de Francisco Borges (dura à primeira), Filipe Mendes (com muita raça também à primeira e com o toiro a fugir ao grupo) e Manuel Ramalho enorme nas 2 tentativas, suportando a violência dos derrotes e pulos do toiro, com enorme ovação e público de pé.

 

Dia 18 – Malveira – “Um bravo quinto fez a diferença”

UM BRAVO QUINTO FEZ A DIFERENÇA; BRITO PAES DESTACA-SE NO SEGUNDO; MARCELO, O MELHOR FERRO DA TARDE

 

Quando sai o toiro bravo de verdade ninguém parece ter dúvidas. E o quinto toiro de Oliveiras Irmãos lidado nesta tarde de domingo na Malveira, fazendo juz ao ditado, mostrou toda a sua classe e raça nas investidas, não deixando de se entregar naluta e fazendo valer a pena apreciar tais qualidades num toiro. Justíssima a chamada à arena do maioral Joaquim Carlos, ele que também já havia sido chamado após a lide do terceiro.

 

Setembro

Dia 10 – Moita – “E quando sai o bravo…”

E QUANDO SAI O BRAVO... O PÚBLICO APLAUDE. EMOÇÃO E FERROS DE ARREPIAR NA PRIMEIRA DA MOITA

 

O toiro nº 156, de 530 kg, e com ferro e divisa de Rio Frio, saíu dos curros e desde logo impressionou pelo seu tipo e pela codícia revelada nas investidas ao capote, a que se seguiram as que emprestou para as sortes de praça a apraça nos segundo e terceiro compridos, com alegria a suavidade. Seguiu assim, disponível, arrancando de largo sempre que solicitado, até final da lide. Merecida a ovação dos aficionados e a chamada do ganadeiro à praça, situação que se repetiria após a lide do quinto, mais enraçado e agressivo nas suas investidas e também ele um grande toiro.

 

Dia 13 –Moita – “Público de pé referenda triunfa de Ventura”

PÚBLICO DE PÉ REFERENDA TRIUNFO DE VENTURA EM GRANDE NOITE DE TOUREIO NA 3ª DA MOITA

 

Praça praticamente cheia. Um ambiente extradordinário a que se juntou uma noite cálida e, ao longo da corrida, grandes momentos a fazerem o público aplaudir de pé e vibrar nas bancadas. Trinfou forte Ventura no seu primeiro (…)Diego Ventura recebeu muito bem o seu primeiro, dobrando-se com ele e cravando dois magníficos ferros compridos. Depois, a brega de proximidade, levando o toiro embebido na garupa do cavalo, despegando-se dele rapidamente para os cites de praça a praça e marcando bem as entradas ao pitón contrário e com reuniões ajustadas deixou 4 ferros de boa nota e um quinto em que aguentou a saída do toiro para o cavalo até ao limite. O sexto foi excelente com quiebro e reunião ajustada em investida franca do toiro. Um triunfo saboroso com o público de pé, rendido, entregue ao toureio de Ventura. O quinto não fez juz ao ditado e após uma lide de razoável execução quer na brega quer na cravagem da ferragem, sacou o «Morante» para delírio de grande parte do público e ponto!

 

ASSOCIAÇÃO DOS DIRECTORES DE CORRIDA TEM NOVOS CORPOS SOCIAIS

28.11.13 | barreiradesombra

Realizada a Assembleia Extraordinária da ATDC no passado dia 23/11, os novos Corpos Sociais passam a ter seguinte composição:

 

Assembleia – Geral

Presidente: Tiago Miguel Tavares

1.º Secretário: Francisco José M Calado

2.º Secretário: João Paulo Cantinho

 

Direcção

Presidente: Pedro Manuel de Almeida Marques da Silva Reinhardt

Vice - Presidente: Lourenço José da Silva Luzio

Secretário: João Paulo Cantinho

Tesoureiro: Ricardo Miguel Sampaio Rodrigues Pereira

Vogal: Nuno Alexandre da Costa Nery

 

Conselho Fiscal

Presidente: Agostinho José Barros Girão Borges

Vogal: Manuel da Gama T Homem de Barros

CICLO DE COLÓQUIOS TAUROMÁQUICOS NO MONTIJO

27.11.13 | barreiradesombra

Está marcado para a próxima sexta-feira dia 29 de Novembro, o 2º colóquio do Ciclo de Debates sobre tauromaquia promovido pela Casa do Forcado dos Amadores de Montijo.

 

O tema é “O Toureio- Aspectos evolutivos de uma arte” e abre a possibilidade de debater como esta arte evoluiu ao longo dos tempos, desde a pré-história até aos dias de hoje.

 

Em análise estará desde logo o que se entende por tourear, o toureio a cavalo e a pé, qual terá surgido primeiro, quais as épocas, os toureiros e os impulsos fundamentais que marcaram a evolução.

 

Tudo isto sem esquecer os tempos actuais, as figuras da actualidade e as diferentes sensibilidades que caracterizam o toureio moderno.

Um tema, sem dúvida, apaixonante, que promete um serão culturalmente vivo e animado.

 

O colóquio será moderado por José Cáceres e os oradores convidados são João Salgueiro, Manuel Jorge de Oliveira, Mário Coelho e Vasco Lucas.

 

 

A Casa do Forcado dos Amadores de Montijo

FAENAS TV - ESPECIAL FORCADOS - TEMPORADA 2013

25.11.13 | barreiradesombra

Depois do resumo dedicado ao toureio a pé, hoje é a vez do resumo dedicado aos forcados. Neste vídeo pode ver algumas das melhores pegas, que o Faenas TV filmou em 2013.


Um vídeo que dedicado a José Maria Cortes, cabo do Grupo de Montemor falecido esta temporada.

Para ver em faenas.tv ou no Meo Kanal 410070
http://vimeo.com/80187288

A reportagem foi de Diogo Marcelino,e a edição vídeo de Ivan Tsyganov.

OS MOMENTOS QUE MARCARAM A TEMPORADA 2013 DO «BARREIRA DE SOMBRA» (Junho e Julho)

25.11.13 | barreiradesombra

Esta é a segunda parte do conjunto de factos que elegi como aqueles que marcaram aquela que foi a temporada 2013 do «Barreira de Sombra». E foram bastantes entre Junho e Julho.

 

Junho

 

Dia 1 – Almeirim- “João Telles Jr rebentou com o quadro”

 

“Noite para recordar, a de sábado 1 de Junho, e corrida para a história da família Telles com uma última actuação soberba, de enorme valor e raça a cargo de João Telles Jr, o grande triunfador da noite (...). Um marco da temporada de 2013 para João Telles Jr.

A história do triunfo de João Telles Jr começa a desenhar-se a partir do segundo curto ao terceiro toiro da noite, um toiro que teve nota positiva pois mostrou codícia e disponibilidade par investir potenciada pela forma como Telles Jr o lidou. Bem a mexer com o toiro, numa brega de classe, apontou-lhe os ferros em sortes bem delineadas com entradas ao pitón contrário, provocando as investidas e rematando bem, entre os fortes aplausos do público. Mas seria no último toiro, fazendo juz ao ditado popular «guardado está o bocado...», que João Telles Jr assinaria aquela que é, em meu entender, das mais redondas e valorosas actuaçoes que lhe vi realizar. A expressão «rebentar com o quadro» aplica-se plenamente à fase final de uma lide de muito valor, com dois bons compridos e uma asérie de curtos em sortes frontais, a atacar o toiro, a provocar a sua investida, e em curto e em terrenos proibitivos a conseguir os tais ferros “impossíveis”, a entrar pelo toiro dentro e a dar ao público os momentos de emoção que o fazem saltar dos assentos e rejubilar com os ferros, aplaudindo até romper as mãos. Olé João Telles Jr.”

 

 

Dia 6 – Campo Pequeno – “Ferrera triunfa no sexto da noite”

 

Num extraordinário momento de forma, quiçá mais moralizado que nunca, o matador de toiros António Ferrera veio a Lisboa para triunfar e ambos os toiros lhe serviram apesar das suas distintas condições de lide, de muita qualidade o sexto da ordem e que permitiu uma faena de muita classe e mérito. Em Portugal não se picam os toiros, as bandarilhas não são o suficiente para sangrar e permitir atemperar as investidas e, por isso, maior é o mérito dos matadores quando triunfam. E foi o caso de Ferrera!

(...). Até que chegou o sexto da ordem, que teve boa nota e disponibilidade para investir, e em especial pelo pitón esquerdo que o matador bem soube espremer até quase ao infinito, sacando muletazos largos, de belo traço, com profundidade e rematando com salero. Uma grande actuação que fez o público levantar-se da bancada e aplaudir com intensidade. Deu duas voltas no final.”

 

Dia 10 – Santarém – “Filipe Gonçalves assina importante triunfo”

 

“O triunfo forte da tarde teve como autor Filipe Gonçalves. Com um toureio mais repousado, com classe, mais temple nas viagens e um entendimento perfeito das boas condições de lide do quinto toiro da tarde, o cavaleiro algarvio cravou dois compridos à tira e assinaria alguns dos mais emotivos momentos da tarde na ferragem curta com entradas ao pitón contrário bem marcadas, pisando terrenos de compromisso em três feros de muito valor, rematados com algumas piruetas na cara do toiro, fazendo levantar as bancadas e rematando a sua lide com um par de bandarilhas.”

 

Dia 20 – Campo Pequeno – “Três grandes toiros de António Silva”

 

“Os três primeiros toiros da ganadaria de António Silva que saíram à arena lisboeta traziam, nas suas investidas e na sua qualidade, os ingredientes para os toureiros cozinharem triunfos maiores, de impacto. Foram toiros que, em diversos graus, tiveram bravura, mobilidade, nobreza, codícia. E o segundo e o terceiro foram ovacionados pelo público ao regressarem aos currais.”

 

Dia 23 – Alcácer do Sal – “António Telles: mais uma lição de bem tourear a cavalo”

 

“Uma vez mais a maestria e a classe de António Telles impuseram-se à mansidão dos toiros e a lição de bem tourear a cavalo que deu em Alcácer do Sal, a terra do Califa Mestre João Branco Núncio, na tarde de domingo 23 de Junho, ficará na memória dos bons aficionados porque, para os outros, o que importa é o espectáculo e não a essência do toureio. Justamente foi António premiado com o troféu à «Melhor Lide» e injustos foram também os assobios que provocaram divio de opiniões quando o seu nome foi anunciado como o triunfador da corrida. (...)A primeira lide de António a um toiro sonsote e que teve pouco motor, obrigou o cavaleiro a pisar terrenos de compromisso para cravar a ferragem da ordem, e também a brega esforçada. A série de curtos revela toda a capacidade lidadora de António, com sortes bem executadas e a última em terrenos cambiados a fazer estalardm fortes os aplausos. No quarto da ordem, manso e que cedo descaíu para as tábuas e aí se fixou,obrigou as montadas a djstancias muito em curto para cravar em sortes a sesgo os quatro curtos com que brindou o oponente, mostrando toda a sua raça e toureiria. Olé António Telles.”

 

Dia 28 – Montijo – “Grande ide de Rouxino a um bravo toiro de Herds. Paulino C. Silva. Enorme pega de João Machacaz”

 

“Luis Rouxinol montou cátedra na lide que deu ao primeiro da noite. Uma lide como há muito se não via, com uma brega intensa a suportar as cargas do toiro, codicioso e com muita mobilidade, deixando-o bem colocado e cravando ferros de muita categoria. Uma lide intensa, com reuniões justas e remates poderosos das sortes, frente a um toiro bravo que não dava tréguas e que tornou ainda mais importante todo o conjunto desenhado por Rouxinol na arena do Montijo. Deveria ter vencido o troféu em disputa para a melhor lide pois foi isso que fez com maestria: lidar! (...)

No capítulo das pegas de caras, o destaque vai para a enorme pega de João Machacaz dos Amadores do Ribatejo, á segunda, sózinho na arena, de peito aberto batendo as palmas ao toiro, fechando-se com enorme raça e suportando dois violentos derrotes antes que o restante Grupo saltasse à arena e consumasse a sorte.”

 

Dia 29 – Torres Vedras – “Magnífica noite de toiros em Torres Vedras”

 

“MAGNÍFICA NOITE DE TOIROS EM TORRES VEDRAS. GRANDES ACTUAÇÕES DOS CAVALEIROS FRENTE A BONS TOIROS DE DAVID R. TELLES

A temperatura estava excelente, o ambiente era óptimo, e os toureiros estiveram em muito bom plano, proporcionando uma magnífica noite de toiros àqueles que quase esgotavam a lotação da praça de toiros instalada na zona sul da Feira de São Pedro em Torres Vedras, mostrando que o público corresponde aos bons cartéis. Um curro de exemplar e irrepreensível apresentação, e na generalidade com muita qualidade, com ferro e divisa de David Ribeiro Telles, emprestou brilho maior às lides e foram justificadas as chamadas à arena dos representantes da ganadaria, após as lides de 4º e 6º da ordem.”

 

Julho

 

Dia 18 – Campo Pequeno – “A pega de Nuno Marques”

 

“Os Amadores da Chamusca tiveram na cara dos toiros (...) e o cabo Nuno Marques numa pega que foi um hino à serenidade, à plástica, à arte de bem citar e de reunir, aguentando bem os derrotes e sendo chamado justamente aos médios e com o público a pedir a volta que não quis dar. Uma grande pega de caras ao bravo quinto da ordem.”

OS MOMENTOS QUE MARCARAM A TEMPORADA 2013 DO «BARREIRA DE SOMBRA» (Fevereiro a Maio)

23.11.13 | barreiradesombra

 

Apesar de termos estado num número consideravelmente menor de espectáculos que na temporada anterior, por motivos já explicados quando analisámos as estatísticas da nossa temporada 2013, assistimos a grandes momentos de toureio, grandes pegas, toiros bravos e de grande classe. Agora que a temporada terminou, que se fazem muitas análises e se entregam muitos prémios, queremos recordar, consigo, alguns desses momentos que marcaram a nossa temporada de 2013 e que ficaram registados nas nossas páginas através das crónicas dos espectáculos.

 

Março

 

Dia 2 – Festival no Montijo – “Venturas triunfaram no Montijo”

 

 

“Uma autêntica pedrada no charco e um alerta forte para quem pensa que tudo está conquistado quando se atinge um elevado patamar de qualidade nas exibições. Diego Ventura assinou brilhantes momentos de brega e dois ferros de enorme valor e emoção pelos terrenos pisados e pela execução das sortes, acompanhado por seu pai António Ventura (numa actuação d emuito bom nível) e mostrou, um a vez mais, que não basta estar em lugares cimeiros, mas que há, em cada tarde e em cada toiro, que o justificar ao máximo para aí poder permancer, nesse lugar só ao alcance das máximas figuras.

Foi uma exibição de luxo da dupla António e Diego Ventura, com este em momentos de brega que fizeram o público saltar nas bancadas, galvanizado pela classe da doma das montadas e pelos autênticos muletazos das garupas dos cavalos a um toiro que não foi fácil, e ainda pela consumação brilhante da ferragem, com verdade e emoção nas sortes ao pitón contrário em dois ferros magistrais, de enorme valia artística. E seu pai, António Ventura foi capaz de manter elevado o nível quer na brega quer na cravagem dos ferros, sempre muito aplaudido e acarinhado.”

 

Dia 16 – Festival na Moita – “Bolívar em bom plano com bom toiro de São Torcato. Grande pega de Ricardo Cabral”

 

 “Mas este festival teve, também e felizmente, grandes momentos no campo artístico: desde logo a enorme pega de caras de Ricardo Cabral ao segundo da tarde e a grande faena de muleta de Luis Bolívar ao grande toiro de São Torcato saído em quinto lugar. A pega de Ricardo Cabral, a citar com a galhardia de sempre, a provocar a investida do toiro e a recuar com sabedoria para se fechar com raça e aguentar a viagem, larga e com o toiro a empurrar todo o grupo em mais de meia volta à arena, não querendo entregar-se e dando por isso maior brilho à pega de caras. (...)Para os aficionados ao toureio a pé a faena de muleta de Luis Bolívar ao bom toiro de São Torcato que saíu em quinto lugar, fez brotar as ovações e os olés fortes em cada série de muletazos, correspondendo ao grande momento que se vivia na arena. Fino de cabos e de pitons, uma estampa este toiro, teve enormes qualidades na forma como galopou e meteu a cara na muleta, por baixo, repetindo humilhado e com classe. O matador soube aproveitá-lo desde os lances iniciais de capote e, com a muleta e sentido a qualidade do toiro, desenhou séries de derechazos e de naturais de muito nível, com temple, com profundidade e com alguns desses muletazos a serem de inegável qualidade e a deixarem bom sabor de boca. Aquelas fragâncias de perfume esquisito ficaram nos ares da “Daniel do Nascimento”.”

 

Abril

 

Dia 28 – Samora Correia – “Muita presença e qualidade dos Oliveiras deram bom espectáculo em Samora Correia”

 

“A tarde apresentou-se fria e ventosa e o público não correspondeu em termos de presença para assistir a uma boa corrida de toiros e onde o curro de Oliveiras Irmãos teve papel preponderante pela qualidade da generalidade dos toiros (execepção ao terceiro da ordem), pela idade (4 de 5 anos e 2 de 4 anos), pela presença que muitos deles tiveram, colaborando depois nas lides, bravos e encastados. Parabéns ao ganadeiro.”

 

Maio

 

Dia 5 – Vila Franca de Xira – “Emoções fortes nas pegas  e grande lide de Manuel Telles Bastos”

 

 “No toureio a cavalo triunfou Manuel Telles Bastos, mercê de uma lide de grande categoria no que foi segundo da ordem, da casa Prudêncio, mexendo bem no toiro, colocando-se bem para as sortes e a deixar boa ferragem, em entradas rectas, templadas, para cravar como mandam as regras e não se esquecendo de rematar as sortes. Uma lide de muito boa nota e que viria a a confirmar no quinto da tarde, de Vale Sorraia, em especial na ferragem curta, de muito boa nota no geral e a mostrar-se ao toiro em cada uma das sortes, avançando na sua direcção para lhe provocar a investida e cravar bem. (...)Mas a emoção mais da tarde estava guardada para as actuações dos forcados e os grandes momentos, aqueles que colocaram o público de pé nas bancadas, viveram-se nas pegas de caras e, muito especialmente, na última. Abriu praça o cabo dos Amadores de Vila Franca, Ricardo Castelo com uma rija pega de caras ao primeiro intento, sendo secundado por Ricardo Patusco muito bem à segunda tentativa e Pedro Castelo noutra brilhante pega à primeira tentativa. Pelos Amadores de Alcochete, João Gonçalves efectuou rija pega de caras à primeira, enquanto que Tomás Vale saíu lesionado na única tentativa que efectuou sendo dobrado com êxito e à primeira por Fernando Quintela. A fechar praça, uma cara colossal a cargo de Pedro Viegas que aguentou os violentos derrotes e a fuga do toiro ao grupo, sem desfalecer um momento. Fenomenal!”

 

Dia 16 – Lisboa – “Triunfo forte de Pablo. Grande lide de Bastinhas”

 

 “Joaquim Bastinhas, a cumprir 30 anos de alternativa, assinou uma das melhores lides dos últimos tempos frente ao que foi segundo da noite, medindo muito bem as distâncias, colocando-se de largo e a deixar-se ver em cites bem frontais, cravando como mandam as regras e com uma boa brega, numa actuação onde não faltou a sua assinatura com o par de bandarilhas entre os aplausos entusiásticos do público. No quarto da noite foi de menos a mais na lide, em crescendo com a ferragem curta e a assinar bons ferros.

Um caso sério continua a ser Pablo Hermoso de Mendoza, não apenas pela forma como apresenta as montadas, como as dirige, pela souplesse que patenteia em cada momento, pela eleição dos terrenos e, muito em especial nesta noite, pela forma como se colocou de largo e de frente para o toiro terceiro da noite, como viajou recto e com o cravou de alto a baixo e com reuniões ajustadas a esmagadora maioria da ferragem. Não viveu apenas dos galopes a duas pista, dos remates primorosos, mas sim do toureio de verdade que o tornou famoso. E no quinto da ordem voltou a dar recital de bem tourear e de bem cravar, com o público rendido ao seu poderio. Foram momentos de enorme intensidade e que fizeram, uma vez mais, valer a pena ter ido até ao Campo Pequeno.”

 

Dia 31 – Barquinha – “Grande triunfo de Moura Caetano e da ganadaria de Paulo Caetano”

 

 “Apesar da noite fria e de esta ser uma corrida fora das datas tradicionais, o público respondeu em bom número e assistiu a um excelente espectáculo com notável triunfo de Moura Caetano e um excelente curro de toiros de Paulo caetano, justamente chamado à arena após a lide do sexto. Uma noite com muitos motivos para recordar!

O triunfo forte da noite começou a desenhar-se na forma como João Moura Caetano recebeu o segundo da noite, dobrando-se bem com ele, e na distância a que citou, de praça a praça, para os compridos que resultaram bem. Depois, com uma brega precisosa, colocando o toiro com classe e este a responder com investidas de largo, a permitir ao cavaleiro dominar as viagens e as sortes com pureza, aguentando e a entrar ao pitón contrário para cravar bem a série de curtos que mereceu os fortes aplausos d público. E no quinto da ordem, e enorme suavidade e classe, voltou a estar muitíssimo bem na brega e na forma como entendeu as distâncias para a série de curtos, de muito boa nota, com poderio nos remates e adornos. Triunfo sem margem para dúvidas.”

PLANO DE ACTIVIDADES DA ATCT PARA 2014

21.11.13 | barreiradesombra

NOTA DE IMPRENSA       (Plano de Acção 2014)


       Após a Assembleia Geral Extraordinária realizada ontem, e onde      foram ratificados os novos elementos dos órgãos sociais da ATCT        - Associação de Tradições e Cultura Tauromáquica, seguiu-se      uma reunião de trabalho onde se discutiu e aprovou o Plano de        Acção para 2014.
      A ATCT encontra-se ciente do momento que atravessa a Tauromaquia        Nacional mas, também, da dificuldade sentida pelos      aficionados relativamente ao desconhecimento, e consequente      impossibilidade de identificação, com o trabalho desenvolvido, ou      a desenvolver, pela generalidade das Associações de caracter      similar.
      Ao assumir este compromisso com a transparência, decidiu a ATCT        revelar o presente Plano de Acção para 2014, colocando-o à      disposição de todos os aficionados. Da mesma forma foi deliberado      que, de futuro, imediatamente após a apresentação de        contas aos sócios em Assembleia Geral, serão as mesmas tornadas        públicas.
      Assim, e de forma resumida, estabeleceram-se como objectivos      imediatos da ATCT para 2014, os seguintes:
      1 – Sendo do conhecimento geral que a ATCT nasceu de um      movimento espontâneo que legitimamente reivindicava a construção      de uma Praça de Toiros na Linha, e face à “oposição” manifestada à      altura, nomeadamente pelo Presidente da Câmara Municipal de      Cascais, decidiu a ATCT avançar com a realização de uma        Corrida de Toiros, em Julho de 2014, precisamente em Cascais. A        corrida será de homenagem aos Pescadores;
      2 - Continuação dos Cursos de Aficionados Práticos, iniciando        a vertente de Curso de Toureio a Cavalo, e integrando-os no      Projecto de Turismo Tauromáquico da ATCT em parceria com      agências de viagens de referência;
      3 – Em articulação com o anterior, promover junto das escolas      interessadas visitas de estudo a alunos aos cursos em questão,      propiciando simultâneamente o contacto com a realidade      Tauromáquica nas vertentes de campo, maneio de ganadarias, visitas      a coudelarias, por forma a fomentar a afición junto dos mais        novos, bem como e ainda promover a visita às escolas      interessadas em acções de divulgação cultural da tauromaquia;
      4 – Reconhecendo como uma falha grave nos domínios da informação e      divulgação Tauromáquica em Portugal a falta de um veículo de      referência online, beneficiará o site da ATCT das      alterações necessárias para que se possa tornar uma ferramenta de      consulta de excelência. Dentro dessa capacidade serão abertos,      entre outros, itens disponíveis nas seguintes áreas:
      4.1 - Divulgar e informar sobre o que é a Tauromaquia, nas suas      mais variadas expressões, tanto na perspectiva histórica como      actual;
      4.2 - Desmistificar o Animalismo exacerbado e combatê-lo      activamente, através da compilação dos mitos, contradições e      incoerências anti taurinas, quer sejam factuais ou ideológicos;
      5 – Consciente da importância das Tertúlias Taurinas como      principais dinamizadoras da afición local, decidiu-se a ATCT      pela criação de uma Secção de Tertúlias, dando inicio aos convites      formais para que estas integrem esta Associação;
      6 – Continuar a perseguição do objectivo Tauromaquia como      Património Cultural Português, bem como colocar a ATCT e      os seus meios à disposição do Projecto Tauro-UNESCO com vista à      declaração da Tauromaquia como Património Cultural na UNESCO;
      7 - Enveredar todos os esforços necessários para que o novo        Regulamento Tauromáquico seja, finalmente, posto em vigor;
      8 – Face à impunidade registada, e à forma como a mesma alastra      nos diferentes grupos anti taurinos nacionais, decidiu a ATCT      disponibilizar, através do seu Gabinete Jurídico, apoio a      todos os Aficionados que se sintam lesados pela forma e conteúdo      como, e com que, se expressam. Torna-se assim primordial para a ATCT,      litigar e incentivar à litigância judicial contra anti taurinos,      sobretudo em caso de situações que se possam iniciar com mera      denúncia, casos de difamação, uso abusivo de imagem, e demais      casos de situações previstas no Código Penal. O intuito será        informar e auxiliar a comunidade aficionada sobre as várias        situações informáticas em que os seus direitos são lesados, dar        a conhecer o conjunto de crimes mais usuais, praticados pelo        movimento anti taurino, e como proceder para iniciar um processo        judicial, que permita fazer cessar essas agressões e exigir      o ressarcimento pelos danos patrimoniais e não-patrimoniais      resultantes dessas agressões;
      9 – Reconhecendo que a Cultura Tauromáquica extravasa em      muito a realização de Corridas de Toiros, e que é cada vez mais      importante estreitar laços com o verdadeiro embrião da afición      presente nas manifestações de caracter popular, decidiu a ATCT:
      9.1 – Oferecer o seu apoio à Câmara Municipal de Ponte de Lima,      para que cada vez mais Aficionados possam ter contacto com o      fenómeno de popularidade que representa a Vaca das Cordas;
      9.2 – Oferecer o seu apoio à Câmara Municipal de Vinhais,      por forma a divulgar a importância das Chegas de Bois, e      assim estabelecer contacto entre as duas realidades culturais;
      9.3 – Oferecer o seu apoio à Câmara Municipal do Sabugal,      para que o Património Cultural que representa o Forcão      possa ser uma realidade cada vez mais reconhecida a nível      nacional;
      10 – Estreitar, de início, e não obstante a intenção de      alargamento a outros sectores, as relações institucionais com a      Caça e a Pesca Desportiva. Para tal foi decidido que a ATCT promoverá      as seguintes acções:
      10.1 – A realização, no início de 2014, da I MONTARIA DA ATCT        – VEADOS E JAVALIS, em dia, local e mancha a divulgar, para      que se possa promover, de forma informal, o convívio entre      Aficionados e Caçadores;
      10.2 – A realização, durante o ano de 2014, do I CONCURSO DE        PESCA À LINHA DA ATCT, em dia, local e barragem a divulgar,      para que se possa promover, também de forma informal, o convívio      entre Aficionados e Pescadores Desportivos.


       Sem mais, com os melhores e mais respeitosos cumprimentos,


      Ricardo Dias-Pinto       Presidente da Direcção

Pág. 1/6