Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

Azambuja homenageou o maestro Ricardo Chibanga no passado domingo dia 27 num espectáculo sui generis onde os bandarilheiros foram figuras de cartaz e cavaleiros e novilheiros saíram nas suas quadrilhas. Nomes como Luís Rouxinol, Marcelo Mendes, Pedro Salvador e os novilheiros Luís Filipe Cochicho e João Pedro Martins deram uma mão no coadjuvar das lides e faenas. De salientar também que os novilhos toiros foram recolhidos a cavalo pelos cavaleiros amadores Simão Neves, Ricardo Lopes( que toreria em praça), Paulo Pinto e Carlos Santos

 

Este festival taurino com boa participação de público teve momentos de alegria, risco, emoção e toreria quanto baste para uma tarde entretida que contou com a direcção de Lourenço Luzio.

 

Mas o momento marcante foi no intervalo a homenagem ao matador de toiros Ricardo Chibanga. A poucos dias de completar 71 anos, já a 8 de Novembro e com quase 40 anos de alternativa que se completarão em 2014, a humildade, respeito e simpatia mantem-se inalteráveis desde que o menino do bairro moçambicano de Malafala em Lourenço Marques, veio para Portugal e apaixonou-se pela festa brava. Com a presença em praça da organização, cartel, Pousada do Campino e os presidentes das Câmaras de Azambuja e Golegã, a terra que o abraçou como filho, foi marcante a emoção das palavras e a chamada ao centro da arena para a maior das ovações da tarde. Bonito ver que ninguém esquece o nosso primeiro matador de toiros africano que somou êxitos por todo o mundo taurino mas não só, pois participou em corridas históricas na China, Indonésia e Grécia por exemplo, onde era impensável levar a festa brava. Inúmeras lembranças e palavras de louvor marcaram este festival dos bandarilheiros.

 

Quanto ao toureio, Josué Salvado abriu a tarde com um toureio a cavalo nervoso mas que foi crescendo quando o novilho se parou mais. Pormenores de brega e entradas aliviadas em ferros à meia volta foram a nota dominante. Valeu o mérito de se colocar a cavalo frente a um novilho que apesar de andarilho e sonsote colaborou. O seu companheiro João Ganhão veio animar as hostes com um toureio arrojado mas pouco certeiro na ferragem semeando-a pela praça. Quando afinou a pontaria pôs o público de pé com dois ferros de violino e um palmito em final apoteótico a desmontar-se em praça.

 

Os forcados amadores de Azambuja completaram nesse dia 46 anos de fundação e nas cortesias ouviram os parabéns pela banda local e receberam a primeira ovação do espectáculo. Fernando Coração mandou para a cara do primeiro da tarde Hugo Abreu que brindou aos bombeiros e com segurança citou para receber a dureza do novilho a vir bronco até às tábuas apesar do grupo se ter fechado a tempo. Dura intervenção e especial o labor do rabejador, grande “Fred”. Na segunda André Letra não teve braços no momento decisivo e na primeira tentativa ficou pendurado na córnea acabando por ficar debaixo do oponente. Na segunda ajudas mais em cima mas o novilho foi benevolente e parou-se na viagem deixando o André compor-se na cara.

 

Na segunda parte, toureio a pé para a prestação de Pedro Gonçalves, o organizador deste festival. Apanhou um novilho perigoso a adiantar-se uma barbaridade e após prova-lo de capote, o tércio de bandarilhas foi complicado propagando-lhe uma voltareta perigosa que o deixou a coxear com um forte hematoma na perna. Mesmo assim colocou o segundo par com decisão. Na muleta melhorou um pouco mais o comportamento, tardo mas a ir pelo seu caminho, foi lidado em terrenos de tábuas e pelo lado esquerdo Pedro sacou-lhe bons naturais. Pouco para o querer do nosso “Morante”

Fábio Machado esteve mandão de capote, mas também este novilho comprometeu nas bandarilhas levando só meio par. Procurando dar distancias e corrigir viagens Fábio mostrou o seu bom toureio e logrou derechazzos expressivos. A terceira tanda, mais relaxada e com o toiro a repetir fez soar olés. Largo o labor mas com grandes momentos, foi bom recordar este Ex novilheiro.

 

Cláudio Miguel foi uma boa surpresa logo na entrada em praça, recebendo o seu astado com dois afarolados de joelhos em terra para ligar a verónicas a baixar a mão e meia de remate com toreria. No tércio de bandarilhas, onde já é um senhor quis compartilhar com seu mestre Pedro Gonçalves e Mário Figueiredo, que mesmo à civil saltou para a praça. Três grandes pares: Cláudio e Mário a quarteio e Pedro num câmbio em tábuas pois a perna já lhe doía muito. Grande momento de bandarilhas. O novilho denotava pouca força e a faêna teve pormenores mas mais aliviada para o astado não perder as mãos.

 

O azambujense Paulo Sérgio voltou a agarrar nos trastes por uma tarde e mostrou as boas qualidades que já possuía aquando do novilheiro da pousada do Campino. Capote poderoso num exemplar que investia com tudo e na faêna bons pormenores pelo lado direito embora com Paulo a andar um pouco saltitão entre passes. Faltou mandar mais um pouco para corrigir a brusquidão do astado que não foi pera doce.

 

A grande surpresa foi a prestação de Joaquim Oliveira. Figura grande e entroncada mas com uma plástica lembrando Maestro Ordoñez logo na forna de abrir o capote e desenhar as verónicas, mandonas, com cadência, quase em câmara lenta e ligando-as ao quite por chicuelinas. Que bom saludo capotero. Bandarilheiro eficiente repartiu o tércio com Cláudio Miguel e com a muleta voltou a mostrar o bom saber e sabor. O jogo de muñeca levando o novilho todo embebido na flanela, os câmbios de mão, sempre com suavidade, sem tarrascadas, buscando o temple, a distância e a ligação adequadas. Muito interessante esta faêna onde os naturais a descair a mão foram soberbos. Pena a voltareta sofrida, talvez por se sentir tão a gosto que se esqueceu por momentos que um toiro não tolera o descuido. Bom final neste festival dos bandarilheiros e uma data a aproveitar no calendário, já que marca também a fundação do grupo de forcados vamos a pensar para o ano com três para cavalo e três para pé afim de redondear mais o espectáculo.

 

Paulo Beja

Foto: Fernando Clemente

Destaques da Semana:

 

Pág 2

- Editorial: Relatório e Contas de 2013 . Por: Francisco Morgado (Director)

- Bilhete Postal: ESTATÍSTICA DA TEMPORADA - Por: Joaquim Tapada

- José Mari Manzanares. Declarações algo surpreendentes

- Estreia Azarada no México

 

Pág 3

- Sara Teles e Marco Gomes premiados

- Vamos ajudar o Márcio

 

Pág 4

- A Grande Objectiva de Pedro Batalha.

 

Pág 5

- Publicidade Coliseu do Redondo - 2 de Novembro

 

Pág. 6

- Publicidade Olé

 

Pág 7

- Publicidade Cartaxo - 3 de Novembro

 

Págs 8 e 9

- Festival dos Bandarilheiros na Azambuja. Fotos: Duarte Chaparreiro

 

Pág. 10

- Tauromaquia Atlântica. No México. Forcados da TTT com Valor, Galhardia, Atitude!

Texto: Mário Aguiar Rodrigues - Fotos: cedidas pelo Grupo

 

Pág. 11

- Tauromaquia Atlântica. Fim de semana grande. A Festa com Tentas, Toiros e Cavalos! Texto: Mário Aguiar Rodrigues - Fotos: Edgar Vieira

 

Pág 12

- Coisas e Loisas da nossa Festa

- Memórias da Festa e Porta dos Sustos. Por: Luís Miguel Barroso

- Comunicado sobre a discussão na Assembleia da República da ILC da ANIMAL

 

Pág 13

- Colóquio sobre o passado, presente e futuro das várias artes tauromáquicas. Texto e Fotos: Ana Meira

- Publicidade Restaurante Quinta do Bispo- Évora

 

Pág 14

- Campeonato de Portugal de Dressage Ganho por Maria Moura Caetano

- João Duarte apodera Soller Garcia

- Aplaudir volta ao esquema inicial

- Falecimento do pai de Filipe Gonçalves

- Sofia Gamboa e Tito Semed. Casamento no Algarve. Fotos: Emílio de Jesus

 

Pág 15

- Curso para aficionados práticos. Por: Ricardo Relva-Correspondente de Espanha

- Academia de Toureio a Cavalo

 

Pág 16

- Publicidade: Feira da Golegã de 1 a 11 Novembro.

 

O matador de toiros Nuno Casquinha somou mais um triunfo nesta temporada 2013, onde ja soma o numero de 33 corridas. 

 

Desta feita foi em Ocaña, onde cortou 3 Orelhas, saiu a ombros pela porta grande e conquistou o escapulario de ouro ao melhor matador. Actuou tambem dias antes num festival em Lima, onde lhe tocou um toiro intoureavel, sendo practicamente impossivel o luzimento e só com muita entrega logrou o toureiro sacar passes que foram muito valorizados pelo grau de merito que tiveram.

 

Lima ( Plaza Torokuna )

20/10/2013

Toiros de varias ganadarias;

Emilio Serna - Volta

Juan Carlos Cubas - Ovacao

Paco Cespedes - Volta

Fernando Roca Rey - Ovacao

Nuno Casquinha - Ovacao

 

 

Ocaña ( Ayacucho )

24/10/2013

Toiros de Asurza y San Pedro;

Nuno Casquinha - 1 Orelha e 2 Orelhas

Juan Ortiz - 1 Orelha

Carlos Ramirez "Morenito de Canta" - 1 Orelha e Ovacao

 

Casquinha saiu a ombros e conquistou o Escapulario de Ouro em disputa

 

Imprensa Nuno Casquinha

 

Nos días 21 e 22 de Outubro realizaram-se dois festejos mistos na localidade de Aycara (Ayacucho - Perú), em que participaram o matador de toiros português Diogo dos Santos e os novilheiros peruanos Ángel Jiménez e Andrés Alfaro.

 

Em ambas as tardes taurinas, com praça esgotada, lidaram-se reses de distintas ganaderías locais. O balança final foi o seguinte:

 

Segunda-feira, 21 de Outubro: Diogo dos Santos , orelha e duas orelhas. Ángel Jiménez, ovação e ovação. Andrés Alfaro, volta ao ruedo e silêncio. Diogo dos Santos saíu em ombros.

 

Terça-feira, 22 de Outubro: Diogo dos Santos, Orelha. Ángel Jiménez, ovação. Andrés Alfaro, duas orelhas com saída a ombros.

 

Uma vez concluida a segunda corrida mista Diogo dos Santos foi declarado Triunfador máximo da Feira recebendo o respectivo troféu em disputa.

 

Informa - Jaime Martinez Amante

A empresa Campo & Praça informa que o mau tempo que se tem feito sentir nos últimos dias, e mesmo durante o dia de hoje, fez com que o piso arena da praça de touros de Estremoz se degradasse, acabando por inviabilizar a realização do espectáculo marcado para este sábado, 26 de Outubro.

No próximo dia 2 de Novembro, sábado, a partir das 16.30 horas, o Coliseu de Redondo, recebe a corrida de encerramento da temporada no Alentejo.

Em praça vão estar os cavaleiros, António Telles, Rui Fernandes e Vítor Ribeiro.

 

Serão lidados seis touros da ganadaria mãe da cabana brava portuguesa, Pinto Barreiros, que vão ainda ter pela frente os Grupos de Forcados Amadores de Coruche e Redondo.

 

Este é sem dúvida um cartel para encerrar a temporada com chave de ouro!

Pág. 1/7