Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

TOIROS CONDICIONARAM ÊXITO ARTÍSTICO. BOA PRESENÇA DE PÚBLICO NA CORRIDA DE MATADORES

12.09.13 | António Lúcio / Barreira de Sombra

Praça de Toiros da Moita do Ribatejo – 11.09.13 – Corrida com Matadores

Director: Pedro Reinhardt – Veterinário: Jorge M. Silva – Lotação: + de ½ casa

Matadores: Vítor Mendes, El Fandi, António João Ferreira

Ganadaria: São Torcato

 

TOIROS CONDICIONARAM ÊXITO ARTÍSTICO. BOA PRESENÇA DE PÚBLICO NA CORRIDA DE MATADORES

 

Quando se anuncia uma corrida só com toureio a pé, em Portugal e face a todos os condicionalismos legais e de mentalidade, só por puro acaso o sucesso artístico acontece e, ao mesmo tempo, o sucesso de bilheteira. A verdade é que na noite de quarta-feira, 11 de Setembro, o público compareceu em número que ultrapassou as nossas expectativas e os toureiros tiveram de se arrimar se quiseram tirar partido dos toiros. Excepção feita à lide do quarto da noite, onde Mendes escutou protestos durante a sua actuação, o público aplaudiu as cinco lides.

 

Podíamos referir, e quanto a condicionalismos ao bom desenrolar do espectáculo, a ausência das varas, termómetro de bravura e que serve também para retirar algum do ímpeto e da violência de algumas investidas. Mas a verdade é que toiros inteiros, com 4 anos de idade, com presença e trapío como foram os de São Torcato, com raça e com casta, por vezes violentos nas investidas, precisavam desse momento, desse teste nas varas. E as faenas poderiam ter beneficiado com isso: os mansos destapar-se-íam mais e os bravos e encastados mostrariam a diferença. Houve toiros de todas as condições e emoção e sentido de perigo também não faltou.

 

Vítor Mendes etsve bem de capote no seu primeiro lanceando por verónicas e paróns e repartindo o tércio de bandarilhas com os seus dois alternantes, o que sucederia na primeira lide de cada matador. A faena de muleta teve interesse, iniciada que foi com muletazos por baixo, umas séries de derechazos e de naturais correndo bem a mão apesar de, por vezes, o toiro derrotar na muleta na fase final do passe. Não faltaram ao adornos como os molinetes e finalizou com passes por ambos os pitóns. Não deu volta. Saíu o quarto da ordem, que se revelu mansote, tardo, com poucas ganas de investir e Mendes recebeu-o com lances a fixar e procurar o seu melhor pitón, estalando a bronvca ao não bandarilhar e também porque a quadrilha não acertou uma. A faena de muleta foi de alinho, sacando alguns muletazos mas...

 

David Fandila “El Fandi” recebeu o segundo da noite com uma larga cambiada de joelhos e verónicas mais um quite por navarras. A faena de muleta foi baseada na mão direita, aguentando a violência de algumas das investidas do toiro, e procurando embebê-lo nos voos da muleta, o que por vezes conseguiu ligando vários muletazos. Cumpriu com mérito nesta sua primeira prestação. No que foi quinto, recebido por verónicas e presenteado com 4 bons pares de bandarilhas a tentar sangrar o toiro para atemperar a sua violência, iniciou a faena de muleta por baixo, tentando submeter as suas investidas e sacar-lhe o máximo partido o que conseguiu dado o seu pundonor e profissionalismo. Arriscou, meteu o toiro na muleta, sacou-lhe os passes e o público aplaudiu com força premiando-o com volta à arena no final.

 

António João Ferreira lanceou à verónica o terceiro da noite, seguindo-se um arrimado e arriscado quite por chicuelinas. Com a muleta, iniciou com passes a dobrar por baixo e com alguns interessantes momentos em especial pelo lado direito. Soube colocar-se para sacar partido do toiro, que não foi nada fácil, e conquistar o reconhecimento dos espectadores, situação que viria a repetir no sexto da ordem em que teve um bom desempenho no tércio de bandarilhas. Com s muleta desenhou uma faena interessante, iniciada junto a tábuas e sacando passes por ambos os pitóns sem se emendar. Bons derechazos foram a base desta segunda faena em que o matador português se arrimou e o público respondeu com aplausos.

 

Na direcção da corrida esteve Pedro Reinhardt, assessorado pelo veterinário Jorge Moreira da Silva e a corrida durou cerca de 2 horas e 10 minutos.

A FEIRA DA MOITA NA TRINCHEIRA (DIA 11)...

12.09.13 | António Lúcio / Barreira de Sombra

 

Como já referimos, na trincheira temos outra visão do que se passa na arena. Mas não deixamos de ter os ouvidos bem atentos ao que vem das bancadas e a visão bem desperta para podermos certificar aquilo a que assistimos na arena e que, muitas vezes por desconhecimento das características dos toiros e de conhecimentos técnicos de lide, muitas pessoas nas bancadas não sabem interpretar ou interpretam à sua maneira ou do vizinho do lado.

 

Ontem, na segunda corrida da Feira da Moita, o momento a destacar seria a homenagem aos 50 anos de alternativa do grande matador que foi Amadeu dos Anjos (Salamanca, 13 de Setembro de 1963, apadrinhado por Paco Camino e com testemunha de Manuel Benítez El Cordobés) se não fora a bronca que se seguiu na lide do quarto toiro e pelo facto de Vítor Mendes não ter bandarilhado o toiro, manso, tardo, com pouca vontade de investir, é certo.

 

Mas manda a verdade que se diga que quem tem o passado, a carreira e o prestígio granjeado ao longo de muitos anos pelas arenas do Mundo inteiro como foi o caso de Vítor Mendes não se pode sujeitar a escutar toda a série de «bocas» e até de impropérios de alguns populares que pagaram o seu bilhete e exigiam que bandarilhasse o toiro. As condições físicas podem não ser as melhores mas no momento em que aqueles que pagam o seu bilhete e sustentam o espectáculo, que foram à praça para ver o espectáculo das bandarilhas, Mendes tinha a obrigação de ter tentado colocar pelo menos um par e mostrar então que o toiro não tinha qualidade e por aí se ficava.

 

Não aconteceu, a quadrilha não acertou uma e os protestos do público, de uma pequena mas barulhenta parte, fizeram-se sentir até ao final do trasteio...

FEIRA DE CAMPO – ACTIVIDADES NO PICADEIRO CENTRAL

12.09.13 | António Lúcio / Barreira de Sombra

O Picadeiro Central, montado na Feira de Campo já tem actividades delineadas, para os dias 14 e 15 de Setembro.

 

Sábado 

 

10.30 horas - Benção da Feira

 

Sábado e Domingo:

 

A partir das 10.30 horas:

- Falcoaria

- Demonstração da Raça Sorraia pela E. S. A. Santarém

- Provas de maneabilidade dos cães de gado

 

A partir das 11.45 horas:

- Provas de exibição de cabrestos

- Desfile do cavalo Árabe

 

A partir das 13 horas:

- Picaria

- Volteio e Batismo equestre

- Cães de gado

- Demonstração de Equitação de trabalho

- Cenas de Campo

 

A partir das 16.30 horas:

- Perícia de campinos e amadores

- Demonstração de Atrelagem

- Equitação Clássica

- Falcoaria

 

A partir das 18 horas:

- Carrossel da Equitação de Trabalho

- Equitação Artística

- Equipagem de Santo Uberto

 

A partir das 19.30 horas:

- Lançamento do Cd 'Tradições de Campo' pelos Marialvas

- Equitação à portuguesa

 

21.30 horas de sábado, 14 de Setembro:

Espectáculo da Noite - 'Sons da Charneca'

 

 

Estes são os eventos agendados para o picadeiro central, inserido na Feira de Campo - Torrinha 2013!

Esperamos por si!

DIA 27 DE SETEMBRO – CORRIDA DO VINHO EM ESTREMOZ

12.09.13 | António Lúcio / Barreira de Sombra

A bonita e funcional Praça de Touros de Estremoz recebe no próximo dia 27 de Setembro, pelas 22 horas, uma grandiosa corrida de touros.

 

Em praça vão estar os cavaleiros, Rui Salvador, Vítor Ribeiro, Sónia Matias, Gilberto Filipe, Tiago Carreiras e Jacobo Botero.

 

Serão lidados seis touros da ganadaria José Luís Pereda – La Dehesilla, com as pegas a cargo dos Forcados Amadores de Évora e Aposento da Moita.