Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

JOSÉ MARIA CORTES MERECIA, por CHAUBET

02.09.13 | António Lúcio / Barreira de Sombra

Dia 1 de Setembro de 2013 a praça de toiros de Montemor-o-Novo confirmou o feliz slogan publicitário criado para a identificar: MONTEMOR PRAÇA CHEIA.  Na verdade um público emocionalmente participativo, que nem o calor intenso que se fez sentir afastou, esgotou os lugares do tauródromo, em manifestação saudosista e sentida pelo precoce e estúpido desaparecimento de um filho da terra, tão querido e admirado por todos. José Maria Cortes deixou-nos na força da vida, ficando-nos dele a recordação do seu espírito solidário e aberto, da sua valentia e decisão, do seu espírito de FORCADO.

Todos os que atuaram no evento, através de seu Pai João Cortes, que dificilmente escondia a emoção que sentia, ofereceram as suas atuações ao José Maria. Os Forcados, de cujo Grupo fora Cabo, no meio da praça, os no ativo e os já retirados, ergueram os barretes ao ar em direção  do céu, simbolizando com esse gesto o apreço e amizade que tinham pelo companheiro já ausente.

Esta ambiência de emoção e saudade envolveu toda a função. A colaboração voluntária da assistência, o comportamento dos toiros de Cunhal Patrício – não muito arrobados e colaborantes – o empenho dos artistas, como de costume uns melhores que outros mas sem nenhum estar mal, originaram voltas à praça a escutar entusiásticas ovações. Foi todavia o “seu Grupo” que mais se distinguiu, alcançando desempenho que bem mereceu a volta à praça com que a assistência o presenteou.

Certamente que também o Zé Maria, lá onde está, embora com saudade mas em paz, os aplaudiu. João Borges, antigo elemento do G.F.A. de Montemor, dirigiu sem problemas um espectáculo que apesar de ter decorrido sob o signo da emoção, foi agradável.


Carlos Patrício Ávares (Chaubet)