Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

VIANA DO CASTELO - 18 DE AGOSTO DE 2013 - CORRIDA EM DEFESA DA LIBERDADESábado, 7

19.08.13 | António Lúcio / Barreira de Sombra

 

Uma maré cheia de boas surpresas nas lides e nas pegas.
Todos cumpriram... até os toiros, mesmo com o piso a não ajudar.

 

Dissemos no ano passado, na crónica que então fizemos, e aqui no Barreira de Sombra foi publicada, que havíamos de voltar a Viana. E voltamos. Estivemos lá. Vimos, registamos, participamos, marcamos presença... e como gostamos!

 

Gostamos da viagem até Darque, na margem esquerda do Rio Lima, este ano o local escolhido para a instalação da Praça Ricardo Chibanga, onde a Prótoiro montou, mais 'Uma corrida de Toiros em defesa da Liberdade'. Gostamos de rever a antiga estrada de acesso, pelo lado Sul, à Princesa do Lima, agora com mais umas tantas obras emblemáticas dos novos senhores feudais pós-25 de Abril, as rotundas, suas impensáveis configurações e colocações e, claro, os mamarrachos ditos 'obras artísticas de emblesamento'. Enfim! Cada terra tem aquilo que merece. Embora, sinceramente, mesmo fazendo fé nos votos, onde até os mortos e os ausentes são chamados nas contagens, é castigo demasiado. Mas Darque soube receber. Os energumenos que despontaram quando as câmaras de televisão apareceram, esses não eram da terra. Estavam a cumprir o papel que lhes haviam destinado, e para o qual haviam sido contratos. - Sempre tive na vida como principio, respeitar, para ser respeitado. A diferença de opinião, de gosto, estético, social ou cultural, que quero como direito, exige que respeite a diferença. Mas também tive, e tenho como principio, se respeito, exijo ser respeitado. E se assim não for, faço-me respeitar, a bem ou a mal. Uma questão de higiene social e cultural. Em Viana do Castelo, a meia dúzia inicial que apareceu a querer incomodar, mesmo avisada com civilidade e condescendência, achou que tinha o direito só estava do seu lado. Enganou-se. A Lei e a Ordem, é para todos. A Policia, desta vez, não estava disposta a assistir com 'caridade cristã' aos insultos, ofensas, empurrões, agressões verbais e, até arremesso para dentro dos carros, de garrafinhas de mau-cheiro, e agiu.  Mas isso foi um outro espectáculo. Que por certo também vai ficar na memória, de quem não tem memória, de que a Assembleia da República, até já votou, dizendo que a tauromaquia é um bem cultural, e portanto, quem gosta, vai, quem não gosta... não vai, mas não pode incomodar, nem perturbar quem vai.

 

Mas foi bom voltar a Viana, por Darque. Almoçar no Café da Nela. Almoçar, e depois jantar, que a Nela é uma simpatia, como pessoa, e como cumpridora da Bem-aventurança:- Dar de comer a quem tem fome! Fome no estômago, e fome em conhecer coisas que destingem os lugares como costumes. Saciado o estômago, a Nela, requisitou a presença dos Amigos e Irmãos, e lá nos levaram a ver o Fogo da Senhora da Agonia, no meio do rio, com direito a lanche, se é que podíamos fazer entrar mais alguma coisa para o aparelho digestivo. São assim as gentes do Norte. Quando gostam, gostam, porque gostam. Hospitaleiras, simples e gentis. Habemos de boltar a Biana... e claro, nem que seja só para cumprimentar e (re)agradecer à Nela, e à Família.

 

Quanto à corrida, ao espectáculo, foi uma verdadeira tarde de toiros. Sol q.b., público interessado e muito animado. Uma maré cheia de boas surpresas nas lides e nas pegas, onde o Luís Pires dos Santos, o cabo do Grupo de Forcados Amadores de Coimbra, apostou em gente nova para pegar, e ganhou. Ganhou mais dois novos elementos, André Rosa, que pegou o toiro lidado por Sónia Matias, e José Ramos, que fechou com chave de ouro a actuação da Corrida da Liberdade e a actuação de Marcos Bastinhas. Ah, e ganhou mais uma tarde onde todos foram os toiros foram pegados à primeira, ainda que por vezes, as condições do piso, triplicassem as dificuldades a quem naquelas condições tinha de recuar e tourear com o corpo frente a toiro.

 

Abriu praça, numa lide a pé, escorreita e com muita entrega, António João Ferreira. O exemplar da ganadaria de Jorge Carvalho, justo de carnes, foi recebido em lances de capote que cuidaram de não complicar a debilidade que o terreno já levantava ao animal. A meia verónica de remate, por baixo, teve bom tom. Bandarilhou, ou tentou bandarilhar, arrimando-se, vontade que não chegou para suplantar desde logo as condições do piso. Mas o segundo par, bom, a quarteio, mostrou que temos gente em quem apostar. Na lide de muleta, foi João que teve de pôr tudo, tanto e com tanta vontade de mostrar que  sabe e gosta, que acabou desfeiteado, por duas vezes, felizmente sem consequências. Nota mais para esta actuação, que o público, gostou.

 

Rui Salvador, lidou o exemplar de João Ramalho que lhe coube em sorte, com a garra e o saber que a sua carreira transportam. O segundo comprido, bem preparado e melhor colocado, tiveram continuidade nos curtos, sendo o quinto, o de remate de lide, de frente e com a montada a ter o andamento adequado, a cereja a encimar uma actuação mais. Pegou, à 1ª., recuando muito bem, e muito bem ajudado Diogo Borges.

 

João Salgueiro, teve um exemplar Vinhas que merecia mais. Foi uma lide de menos a mais, com João Salgueiro a ter de puxar pelos galões quando o Vinhas entendeu o lugar que melhor o defendia, o que não evitou os dois bons ferros a sesgo com que terminou a lide. Pegou, à primeira, João Eusébio, com valentia e garbo.

 

Sónia Matias, deixou mais uma lide à Sónia, isto é, animada, com ferros a ficar e outros a ficar e cair, entendendo o exemplar de Lopo Carvalho, com raça e a dar luta, numa entrega da cavaleira, que consegue ter o público com ela, exigindo assim reciprocidade. O sexto ferro, um violino, teve tanto de mérito da cavaleira, que apostou em 'mais um', como daquele pequeno-grande cavalo, árabe de sua raça, ao que me dizem. Pegou, à primeira, e pela 1ª. vez, André Rosa, e sem indicações especiais do cabo.

 

Ana Batista e o exemplar de Canas de Vigouroux, mostraram que, afinal, parece que não há quintos maus. Senhora e segura, Ana Batista desenvolveu uma lide de menos a mais, numa variedade de colocações que, francamente, muito nos agradou presenciar e registar. Animada, com alegria, entregou-se, e o publico agradeceu, e entregou-se-lhe também. E como estava a correr em bem, acabou em bem, com uma bonita e generosa pega à primeira de Nuno Afonso, que mesmo com o toiro a perder as mãos, aguentou e rematou a pega.

 

E se esta tarde de toiros já ia em maré alta, o pico da maré este a cargo de Marcos Bastinhas. O exemplar Prudêncio, um exemplar com três anos, coube em sorte, e teve a sorte de ter pela frente um jovem cavaleiro em momento sim da sua carreira. A actuação e a lide de Marcos Bastinhas foi um recital de bom toureio. Se fosse música, diria que foi uma 'gran finalle', em que o solista, não se ficou só pelo virtuosismo de um instrumento, numa só peça, mas por várias peças, em vários tons, e diferentes andamentos. Aquele ferro final, por dentro, naquele terreno, sem excitações, só de um artista. E um artista, na forma como pegou à primeira, pela 1ª. vez, foi  também, José Ramos. Está de parabéns o Grupo de Coimbra, e Luís Pires dos Santos.

 

E está também de parabéns a Comissão Executiva da Prótoiro, com especial destaque para Diogo Monteiro e Paulo Pessoa de Carvalho, e ainda Carlos Durães, o homem que em Viana do Castelo, anima a luta dos que que não vergam perante a 'estupidez institucional' dos novos senhores feudais.

 

O Hino Nacional  cantado a uma só voz, por público e artistas, foi uma homenagem e um grito.

 

Dirigiu esta celebração à Liberdade, com acerto, o senhor Nuno Nery, assistido na parte técnica veterinária, pelo senhor dr. José Luís Cruz.

 

José Andrade

DIOGO PESEIRO EM MÁLAGA

19.08.13 | António Lúcio / Barreira de Sombra

Tarde importante para Diogo Peseiro aluno da Academia de Toureio do Campo Pequeno na Malagueta, onde deixou um extraordinário ambiente entre as cerca de 8000 pessoas que estavam nos tendidos (3/4).
Se artisticamente a tarde não foi de certo o que o Diogo sonhava devido aos azares e sortes do sorteio, interiormente e profissionalmente vai tirar muito proveito, pois conseguiu sobrepor-se com muitas ganas próprias de um novilheiro e vontade de querer ser à responsabilidade da praça de primeira, numa feira importante, a responsabilidade do público presente, os companheiros do certame e da esperança que todos os aficionados de Portugal depositam nele.

 

 

 


Fotos e Texto: H. Frederico

COMUNICADO CONJUNTO PROTOIRO E MOVIMENTO “VIANENSES PELA LIBERDADE” SOBRE A TOURADA DE VIANA REALIZADA ONTEM

19.08.13 | António Lúcio / Barreira de Sombra

TOURADA DA LIBERDADE FOI UM ENORME SUCESSO

 

A segunda Tourada da Liberdade, realizada ontem em Viana do Castelo, foi um enorme sucesso a todos os níveis, com uma lotação quase esgotada, tendo sido vendidos cerca de 2550 bilhetes e esgotadas todas as 200 entradas grátis para menores. Foi uma grande manifestação do amor que os Vianenses têm à tauromaquia, uma forte mensagem defesa da Liberdade e uma importante lição de democracia dirigida a José Maria Costa.

 

A Tourada da Liberdade decorreu com total tranquilidade e segurança, não se tendo verificado um único incidente no que aos aficionados diz respeito. A realidade encarregou-se de desmascarar, tal como já havia sucedido no ano passado, as mentiras, os alarmes e a estratégia de medo montada por José Maria Costa: não houve absolutamente nenhum problema com a segurança da Tourada.

 

Pelo contrário, os manifestantes anti-taurinos, a esmagadora maioria vindos do Porto e de Lisboa, mobilizados pela Associação Animal deram, longe da praça de touros, um lamentável espetáculo de violência e de desrespeito pela ordem pública. Desaparecidos desde Agosto de 2012, vieram aproveitar os cinco minutos de fama, tendo-o conseguido através da violência. Sabemos que só voltarão a Viana do Castelo em Agosto de 2014, atraídos pelo palco mediático.

 

Depois destes dois anos de parceria entre o Movimento de Cidadãos “Vianenses pela Liberdade” e a Prótoiro, Viana do Castelo voltará a receber a Tourada da Liberdade em 2014, pelas Festas da Senhora da Agonia. A organização da Tourada da Liberdade de 2014 será levada a cabo pelo Movimento de Cidadãos “Vianenses pela Liberdade”.

 

PROTOIRO

ESTA NOITE, A PARTIR DAS 21H, NÃO PERCA «BARREIRA DE SOMBRA» EM 106.4FM OU WWW.RADIOOASIS.PT

19.08.13 | António Lúcio / Barreira de Sombra

Hoje, não pode perder a emissão do «Barreira de Sombra» na sua Oásis FM entre as 21h e as 22h, em 106.4 fm ou www.radiooasis.pt.

 

Todas as incidências da «Corrida pela Liberdade», ontem em Viana do Castelo, estarão em destaque no espaço Tauromaquia Norte/Sul com José Andrade, assim como a corrida de dia 16 na Póvoa de Varzim.

 

Análise detalhada, ainda, das corridas de dia 13 em Alcochete, dias 16 e 17 em Arruda dos Vinhos, e dia 18 naMalveira.

 

Fique a par dos próximos cartéis e levantamos uma ponta do véu sobre os 100 anos das Festas e Feira de Verão de Sobral.