Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

LISBOA: CORRIDA INAUGURAL TERÁ SIDO BARÓMETRO PARA A TEMPORADA???

05.04.13 | António Lúcio / Barreira de Sombra

 

Praça de Toiros do Campo Pequeno – 04.04.13 – Corrida à Portuguesa

Director: Pedro Reinhardt – Veterinário: Dr. Carlos Santos – Lotação: 1/3

Cavaleiros: Luis Rouxinol, Fermin Bohórquez, João Moura Jr

Forcados: Amadores de Lisboa e Amadores de Vila Franca

Ganadaria: Mário e Herds. Manuel Vinhas

 

LISBOA: CORRIDA INAUGURAL TERÁ SIDO BARÓMETRO PARA A TEMPORADA???

 

Dita por muitos como a corrida que serviria de barómetro ao que aí vem de temporada tauromáquica portuguesa, não hesitei em consultar o dicionário Priberam de língua portuguesa para me certificar de que a noção que tinha desse termo ainda estava de acordo com aquilo que tinha aprendido. E o significado de “barómetro - s. m. 1. Instrumento para medir a pressão da atmosfera. 2. [Figurado] O que indica ou revela a marcha ou estado das coisas ou dos negócios”. Pois bem, a pressão foi baixa (por parte do público apesar de alguns assobios e do director de corrida que se fartou de dar música) e, pela escassa presença de público, o negócio não teve indicadores positivos.

 

Fiquei algo desapontado com a fraca resposta do público lisboeta a esta primeira corrida formal do abono lisboeta. Se bem que o tempo chuvoso que tem fustigado o País possa ter tido alguma responsabilidade, se bem que o facto de o Benfica jogar em casa às 8 da noite uma partida internacional, se bem que o povo tenha gasto umas notas na Páscoa, não creia que tenha sido por isso que não houve correspondência nas bancadas. À generalidade do grande público a presença de Fermin Bohórquez neste cartel nada dizia; Luis Rouxinol precisa de outros alternantes e de outros toiros, e Moura Jr também não trouxe o habitual público alentejano consigo.

 

O barómetro serve para medir a pressão, atmosférica diga-se. E em sentido figurado como indicador do estado das coisas ou dos negócios. Desde logo, a grande pressão está do lado da empresa, na expectativa de que o cartel apresentado logre encher as bancadas, o que não veio a concretizar-se; mas também sobre os artistas a pressão deve ser exercida pelo público, não permitindo deslizes infantis, nem cravagens tão aliviadas, ou toques desnecessários, e deveria ter correspondência na concessão de música, prerrogativa do director de corrida.

 

Mas apesar de todos os pesares ligados ao significado de barómetro, a corrida teve aspectos positivos, a começar pela apresentação dos toiros de Mário e Herds. De Manuel Vinhas, com média de pesos de mais de 500 kg e cinco anos de idade, o que trouxe seriedade e impôs respeito. Rouxinol assinou bons momentos na lide do seu segundo, tal como João Moura Jr que chegou facilmente ao público e teve uns quantos bons ferros no seu segundo e uma passagem discreta de Bohórquez. Houve boas pegas de caras, com os forcados de cara a estarem bem e os Grupos a ajudarem com eficácia.

 

Os Cavaleiros

 

A primeira metade da corrida não teve praticamente história, com os três cavaleiros a cumprirem a papeleta sem motivos de realce. Seria na segunda parte que os três teriam os seus melhores momentos.

 

Luis Rouxinol andou bem nos compridos ao quarto da noite e destacar-se-ia na brega e na cravagem do primeiro ferro curto, numa sorte frontal de muito mérito, com reunião ajustada e levantando bem o braço para cravar. A actuação teve ainda outro feror de mérito e o remate com um bom par de bandarilhas, sempre com bons momentos de brega e remates a condizer.

 

Fermin Bohórquez lidou o sobrero por preumível coxeira do titular 5º da noite e fê-lo dentro do seu estilo campero, de boa monta é verdade, mas também de muito alívio nas viagens e na cravagem da ferragem. Um bom curto e dois pares de bandarilhas encerraram a sua passagem por Lisboa.

 

João Moura Jr chegou às bancadas com a ferragem curta no que foi segundo do seu lote. Entendeu bem o toiro e cravou alguns bons ferros curtos ora em viagens de largo para atacar o piton contrário ora quarteando bem e com boa brega. Terceiro e quarto, em sortes frontais bem marcadas foram os seus melhores ferros da noite.

 

Os Forcados

 

Em praça estiveram os Amadores de Lisboa e de Vila Franca com um conjunto de boas pegas de caras. Pelos Amadores de Lisboa abriu praça o cabo Pedro Mª. Gomes com uma boa intervenção à primeira tentativa, segido por Francisco Mira à 2ª. e Pedro Gil ao primeiro intento, enquanto que os Amadores de Vila Franca consumaram por intermédio de Rui Godinho à primeira, Márcio Francisco à 2ª e Ricardo Patusco à 1ª também.

 

Os Toiros

 

Os toiros Vinhas, todos com cinco anos cumpridos, no tipo da ganadaria, rematados, tiveram pesos que oscilaram entre os 492 e 542 kilos e serviram no geral, excepção feita aos terceiro e quarto da ordem que mansearam buscando a defesa das tábuas (3º) ou mostrando pouco interesse nas montadas (4º). Também nos forcados não colocaram problemas.

 

A Direcção de Corrida

 

Na direcção de corrida esteve Pedro Reinhardt, igual a si próprio, assessorado pelo veterinário Dr. Carlos Santos.

FIM DE SEMANA TAURINO

05.04.13 | António Lúcio / Barreira de Sombra

Tomar, Redondo, Barrancos e Alcochete são as praças para onde se anunciam espectáculos tauromáquicos no fim de semana:

 
 

OS TOIROS VINHAS PARA HOJE EM LISBOA

04.04.13 | António Lúcio / Barreira de Sombra

 

Um total de 8 toiros estão nos curros do Campo Pequeno prontos para serem lidados hoje às 21h30.

 

Aqui ficam as identificações de cada um deles:

Nº. 113, 538 Kg, "Seis"

Nº. 84, 492 Kg, "Peñarubio"

Nº. 107, 550 Kg, Pontonero"

Nº. 83, 497 Kg, "Sargento"  

Nº. 94, 530 Kg, "Buenos Dias"

Nº. 104, 542 Kg, "Roupa Suelto"

Nº. 116, 500 Kg, "Tabaquero"

Nº. 35, 614 Kg, "Peñarubio"

 

ESCOLA DE TOUREIO E TAUROMAQUIA DA MOITA NA GANADARIA DIAS COUTINHO

04.04.13 | António Lúcio / Barreira de Sombra

Os alunos da Escola de Toureio e Tauromaquia da Moita e o seu mentor Luis Vital Procuna estiveram presentes numa tenta que se realizou na Ganadaria Dias Coutinho.

Nesta aula prática foram lidadas várias reses pelos alunos Paula Santos, Ruben Correia, João Ricardo e Diogo Luís... Jovens que querem levar em frente a sua vontade de tourear.

 

Texto: Elisabete Vidal

Fotos: Fernando Clemente

PELA OBJECTIVA DE FERNANDO CLEMENTE,MAIS UMA TENTA

02.04.13 | António Lúcio / Barreira de Sombra

 Realizou-se no passado dia 28 uma tenta na ganadaria de Dias Coutinho, participaram na tenta o Matador Luís Vital Procuna ,e os Novilheiros Mario Alcalde que vai participar no festival em Barrancos no próximo dia 6 e que tem agendadas tardes para Sevilha e Madrid e Tulio Salgueiro que vai estar na novilhada de 24 na Feira de Sevilha. Foram tentadas 10 rezes. A tenta foi dirigida pelo representante da ganadaria o Bandarilheiro Pedro Gonçalves.

 

Pág. 6/6