Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

HOJE, PENÚLTIMO «BARREIRA DE SOMBRA» DO ANO

19.11.12 | António Lúcio / Barreira de Sombra

Hoje, pelas 21 horas, irá para o ar o penúltimo «Barreira de Sombra» da temporada 2012. O programa de tauromaquia da Oásis FM (106.4 ou www.radiooasis.pt) abordará os números da temporada segundo a  Associação Nacional de Toureiros e o habitual «Diálogo Norte/Sul com José Andrade» será o momento para, abertamente e sem constrangimentos de qualquer ordem, abordar as temáticas taurinas e não só.

 

O «Barreira de Sombra» despedir-se-á dos seus habituais ouvintes no dia 26, numa emissão especial, e promete voltar em 2013 lá para Fevereiro.

AINDA OS NÚMEROS DE 2012 DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE TOUREIROS

19.11.12 | António Lúcio / Barreira de Sombra

Num ano em que se reduziram espectáculos e também o número de entidades promotoras,  e segundo a ANdT, apenas seis empresas, em oitenta e três, ultrapassaram o as 10 corridas organizadas. Foram elas:

 

EMPRESAS

  1. Toiros & Tauromaquia Lda  - 29
  2. Soc. Campo Pequeno S.A. – 26
  3. Tauroleve Lda – 20
  4. Toiro das Sesmarias Lda – 17
  5. Aplaudir Lda – 14
  6. Paulo Pessoa de Carvalho – 14

PASSAGENS DE CATEGORIA E ALTERNATIVAS

 

1.       Cavaleiros Praticantes

11.02.12 – Cristina Marques (Granja)

10.03.12 – David Gomes (Arronches)

03.06.12 – David Oliveira (Bencatel)

08.07.12 – Miguel Moura (Santa Eulália)

06.10.12 – Andrés Chica (Beja)

 

2.       Novilheiros Praticantes

29.06.12 – Pedro Noronha (Albufeira)

 

3.       Bandarilheiros

07.07.12 – Francisco Freire (C.Pequeno)

01.11.12 – Gonçalo Montoya (Redondo)

01.11.12 – Joaquim Carmo (Cartaxo)

 

4.       Bandarilheiros praticantes

01.02.12 – Joaquim do Carmo (Mourão)

31.03.12 – Gonçalo Montoya (Vila Viçosa)

29.06.12 – Rui Carrilho (Albufeira)

21.07.12 – Diogo Coelho (Angra do Heroismo)

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE TOUREIROS APRESENTA DADOS ESTATÍSTICOS DE 2012

16.11.12 | António Lúcio / Barreira de Sombra

Como vem sendo hábito há vários anos, findada a temporada, a Associação Nacional de Toureiros disponibiliza os dados estatísticos relativos às actuações dos seus associados. São elementos importantes para análise dos aficionados e para se verificar da vitalidade da Festa Brava em Portugal, apesar da constante oscilação de número total de espectáculos.

 

Em 2012 realizaram-se em Portugal um total de 260 espectáculos tauromáquicos, registando-se um decréscimo de 18 em relação a 2011 e de 50 ou mais espectáculos face aos anos de 2007 a 2009. Vejamos como se distribuíram os espectáculos, por categorias, em 2012:

 

172 – corridas à portuguesa (66%)

23 – corridas a pé/mistas (9%)

9 – novilhadas (3%)

5 – novilhadas populares (2%)

23 – festivais (9%)

20 – variedades taurinas (8%)

8 – garraiadas (3%)

 

Cavaleiros de Alternativa

Foram 43 os cavaleiros de alternativa e rejoneadores que actuaram em 2012 em arenas portuguesas, sendo a lista encabeçada por Luis Rouxinol com 50 actuações. Os primeiros cinco do escalafón foram:

 

1º. Luis Rouxinol – 50

2º. Marcos Bastinhas – 49

3º. João Moura Caetano – 40

4º. Sónia Matias – 40

5º. Joaquim Bastinhas – 39

 

Cavaleiros Praticantes

Foram 22 os que actuaram em 2012, sendo João Maria Branco o líder com um total de 16 actuações. Os primeiros cinco foram:

 

1º. João Maria Branco – 16

2º. João Salgueiro da Costa – 14

3º. Miguel Moura – 12

4º. Alexandre Gomes – 11

5º. David Gomes – 11

 

Matadores, Novilheiros e Novilheiros Praticantes

Nestas 3 categorias e pela respectiva ordem, os líderes foram:

  1. Matadores
    1. Luis Vital “Procuna” – 4
  2. Novilheiros
    1. Manuel Dias Gomes – 4
  3. Novilheiros praticantes
    1. Pedro Noronha – 10

Bandarilheiros

Nesta categoria profissional registaram-se actuações de 55 artistas, sendo os cinco primeiros os seguintes:

 

1º. Ricardo Raimundo – 62

2º. David Antunes – 58

3º. Josué Salvado – 55

4º. Gonçalo Veloso – 53

5º. Cláudio Miguel – 49

 

Bandarilheiros Praticantes

Registaram-se actuações de 18 bandarilheiros, sendo os 3 primeiros os seguintes:

 

1º. Filipe Casqueiro – 31

2º. Gonçalo Montoya – 27

3º. Ricardo Alves – 26

 

Grupos de Forcados Amadores

Nesta vertente da festa brava, registaram-se actuações de 46 Grupos de Forcados, nem todos associados na ANGF. No primeiro lugar ficaram Alcochete e Ribatejo, ambos com 25 actuações. Vejamos a lista dos cinco primeiros:

 

1º. Alcochete – 25

2º. Ribatejo – 25

3º. Cascais – 23

4º. Montemor – 21

5º. Vila Franca de Xira – 21

 

Fonte: Associação Nacional de Toureiros

TEMAS PARA REFLEXÃO: ESTAMOS NO DEFESO…

15.11.12 | António Lúcio / Barreira de Sombra

Tenho por hábito ler. Algo que faço há mais de 40 anos e que gosto de leituras que tenham algo que coloque o cérebro a funcionar, que me levantem questões. E como nem só de tauromaquia vive o Homem, escolhi um texto de José Ortega y Gasset, do seu livro “O que é a Filosofia”, para reflectirmos um pouco.

 

A Inteligência não é o Fundo do nosso Ser

A inteligência não é o fundo do nosso ser. Pelo contrário. É como uma pele sensível, tentacular que cobre o resto do nosso volume íntimo, o qual por si é sensu stricto ininteligente, irracional. Barrès dizia isto muito bem: L'intelligence, quelle petite chose à la surface de nous. Aí está ela, estendida como um dintorno sobre o nosso ser mais interior, dando uma face às coisas, ao ser - porque o seu papel não é outro senão pensar as coisas, pensar o ser, o seu papel não é ser o ser, mas reflecti-lo, espelhá-lo. Tanto não somos ela que a inteligência é uma mesma em todos, embora uns dela tenham maior porção que outros. Mas a que tiverem é igual em todos: 2 e 2 são para todos 4. Por isso Aristóteles e o averroísmo acreditaram que havia um único noûs ou intelecto no Universo, que todos éramos, enquanto inteligentes, uma só inteligência. O que nos individualiza está por trás dela.

Mas não vamos agora espicaçar uma tão difícil questão. Baste o que foi dito para sugerir que em vão pretenderá a inteligência lutar num match de convicção com as crenças irracionais, habituais. Quando um cientista sustém as suas ideias com uma fé semelhante à fé vital, duvida da sua ciência. Numa obra de Pío Baroja, uma personagem diz a outra: «Este homem acredita na anarquia como na Virgem do Pilar»; o que é comentado por uma terceira: «Em tudo o que se acredita se acredita igualmente».


Do mesmo modo, sempre a fome e sede de comer e beber será psicologicamente mais forte, terá mais energia bruta psíquica que a fome e a sede de justiça. Quanto mais elevada for uma actividade num organismo, é menos vigorosa, menos estável e eficiente. As funções vegetativas falham menos que as sensitivas, e estas menos que as voluntárias e reflexivas. Como dizem os biólogos, as funções adquiridas ultimamente, que são as mais complexas e superiores, são as que primeiro e mais facilmente são perdidas por uma espécie. Em outros termos: o que vale mais é o que está sempre em maior perigo. Num caso de conflito, de depressão, de paixão sempre estamos prontos a deixar de ser inteligentes. Dir-se-ia que levamos a inteligência presa com um alfinete. Ou dito de outra maneira: o mais inteligente é-o... às vezes. E o mesmo poderíamos dizer do sentido moral e do gosto estético. Sempre no homem, por sua própria essência, o superior é menos eficaz que o inferior, menos firme, menos capaz de se impor.

Ortega y Gasset, in 'O Que é a Filosofia?', editora Cotovia

TOMÁS CAMPUZANO APODERA MANUEL DIAS GOMES

08.11.12 | António Lúcio / Barreira de Sombra

No passado dia 6, o novilheiro Manuel Dias Gomes assinou um contrato de apoderamento por tempo indeterminado com o retirado Matador de Toiros sevilhano Tomás Campuzano. Em que será representado em Portugal por Maurício Vale e José Luís Gomes. O apoderamento ficou definido durante esse dia, na Herdade do Zambujal, propriedade do Ganadeiro Mário Vinhas,onde se deslocou expressamente de Espanha o referido Maestro, que assistiu à tenta de 6 novilhas e 1 novilho- toiro, a cargo do jovem Manuel Dias Gomes.