Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

V I L A F R A N C A D E X I R A E M F E S T A

02.07.12 | António Lúcio / Barreira de Sombra

Recebi um simpático convite da Câmara Municipal de Vila Franca de Xira e do Grupo de Forcados Amadores desta aficionada terra, para estar presente num dos eventos que aí irão decorrer nos próximos dias. Inauguração da Exposição “80 Anos da Fundação do Grupo de Forcados Amadores de Vila Franca de Xira”.

 

A saúde não me permitiu estar presente, mas no dia seguinte lá estive a ver a referida Exposição. Com a cidade em festa, havia outros acontecimentos. Mas talvez por ser a minha predileção pelos Forcados e pensarem que nada mais me interessava, não me mandaram convite para os mesmos.

 

Como é previsível, gostei da Exposição. Principalmente pelo carinho com que é tratado pela Autarquia local o Grupo de Forcados que representa a terra.

 

Tenho visto outros grupos terem o apoio de outros municípios mas, de forma pontual. O dispensado ao G.F.A. Vila Franca de Xira, é especial. Talvez porque o comportamento do forcado crie, na Presidente da Câmara Municipal, Maria da Luz Rosinha, pessoa decidida e frontal na resolução dos problemas que surgem no desempenho do seu cargo, irresistível empatia. Aliás, os grupos de forcados que, identificando-se com o nome das terras, o publicitam por todo o País, mereciam ter igual consideração.

 

A exposição propriamente dita, ocupa um grande espaço num prédio camarário cedido para o efeito. Bem organizada, com fotografias exemplificando o duro percurso que o G.F.A.V.X. tem tido e o êxito que apesar disso tem obtido, demonstra bem ser ele um dos melhores grupos de Forcados da atualidade. Van Zeller Pereira Palha, em 1932, Presidente da Câmara Municipal, no seu túmulo, deve estar orgulhoso do pedido que na altura fez a Vasco Rocha Lopes, pai de D. Maria Vitória Lopes, madrinha do Grupo, para formar um grupo de forcados para pegarem no 1º Colete Encarnado.

 

Desde a sua fundação o G.F.A.V.X., com épocas mais bem conseguidas que outras, o que é normal em grupo de forcados, tem sido sempre uma referência quando se fala de valentia, camaradagem e solidariedade. Nesta visita à exposição, tive ocasião de apreciar um vídeo onde estes sentimentos são bem patentes. Um colega está caído inanimado na arena e à mercê do toiro que investe para ele. Dois ou três rapazes, indiferentes à sua própria segurança, atiram-se para cima do colega desmaiado, sofrendo eles em primeiro lugar a investida do toiro, mas protegendo com o seu corpo e sacrifício o colega inerte.

 

Só para ver este vídeo, esta cena, valeu a pena ir à exposição. Ser FORCADO é isto – camaradagem, estoicismo, solidariedade. Capacidade de arriscar a vida por um amigo. Todavia ser capaz de fazer o mesmo, só pelo prazer de fruir o perigo, é o que atrai a maior parte dos que vestem a jaqueta de ramagens.

 

Carlos Patrício Álvares (Chaubet)

RICARDO LEVESINHO AMANHÃ NO «BARREIRA DE SOMBRA»

01.07.12 | António Lúcio / Barreira de Sombra

 

 

Após uma semana de ausência por motivo de férias, regressamos à antena e aos 106.4fm, na noite de 2ª feira, 2 de julho, para falarmos em directo com o empresário vilafranquense Ricardo Levesinho e abordarmos mais um Colete Encarnado. Nas comemorações dos 80 anos desta singular festa, destaque maior para a corrida mista da tarde de domingo, dia 8.

 

Falaremos ainda das corridas de Freixianda (dia 24) e Torres Vedras (dia 30) e daremos a conhecer os próximos cartéis.

 

Como o Colete Encarnado é destaque da próxima semana, traremos um texto fantástico escrito há mais de 50 anos sobre esta festividade.

 

A não perder em 106.4fm ou www.radiooasis.pt a partir das 21h de amanhã.

AOS PRÓ-TOURADAS – ESPÉCIE DE AVISO À NAVEGAÇÃO (CHAUBET)

01.07.12 | António Lúcio / Barreira de Sombra

A PRÓTOIRO é a indicada para defender a Tauromaquia e tem-no feito, de forma exemplar. Não pretendo, nem tinha capacidade para tal, rivalizar com um blog tão bem orientado e incisivo. No entanto, penso, dada a insistência e agressividade dos “contra” (anti taurinos), autênticos parasitas da púbis que não têm perigo mas dão comichão, penso continuar a dar o meu contributo. A tentar desacreditar esses blogues parasitários e ordinários que, evocando manhosa e abusivamente, sensibilidade e sentimentos que não possuem, com o maior descaramento, escondem as suas frustrações e inveja, atacando raivosamente os espetáculos tauromáquicos.

 

Há muito que me incomodava uma certa apatia dos taurinos, dos aficionados, perante as investidas dos "contra", dos que se intitulam anti taurinos. Considerava que havia uma certa e perigosa arrogância nesta atitude. Sei que a Tauromaquia, felizmente, está bem enraizada entre nós e é uma utopia querer acabar com ela. No entanto há que combater os farisaicos "contras", anti taurinos que, a coberto de falsos sentimentos e de uma cruzada  pseudo  humanista, insultam e provocam, até com palavrões, os aficionados.

 

Sei que devido à falta de imaginação, argumentos e precária capacidade de raciocínio que têm, o que pretendem com tal atitude, é que os taurinos lhes respondam para assim terem matéria para continuarem.

 

Embora sabendo isso, por feitio, respondo sempre a quem  me  provoca,  vou  continuar. Procurarei é fazê-lo de forma a ficar por cima. Pelo menos sem usar as expressões tendencionalmente ofensivas e de baixo nível que eles usam. É uma espécie de catarse através da qual acalmo o meu espírito nem sempre paciente.

 

Não vou é identificar os blogues e sites que irei comentar, pois isso seria fazer o que eles querem – mostrar que existem. A minha finalidade é chamar a atenção para a falsidade e especulação dos argumentos que usam para dirimir a Tauromaquia.

 

Carlos Patrício Álvares (Chaubet)

ROUXINOL ASSINA TRIUNFO FRENTE AO TERCEIRO DA NOITE

01.07.12 | António Lúcio / Barreira de Sombra

Praça de Toiros em Torres Vedras -  30.06.12

Director: Pedro Reinhardt – Veterinário: José Manuel Lourenço – Lotação: cheia

Cavaleiros: João Moura, António Telles, Luis Rouxinol

Forcados: Amadores de Santarém, Amadores de Coruche

Ganadaria: Passanha

 

 

Uma vez mais a praça de toiros instalada em Torres Vedras encheu com um público ávido de ver bom toureio e boas pegas de caras e que não regateou aplausos quando eram merecidos ou mostrou o seu desagrado face a momentos menos bons dos toureiros, mas sempre com uma postura que merece realce. O homenageado nesta noite, Luis Rouxinol, voltou a mostrar a sua raça e assinou mais um triunfo de lei frente ao bom terceiro toiro da noite e a corrida iniciou-se com um minuto de silêncio em memória de D. Maria Helena Maldonado Passanha, recentemente falecida.

 

Abriu praça João Moura que teve por diante um exemplar de Passanha bem posto de carnes mas ao qual faltou raça e quese tornou deveras complicado. Castigou-o com dois compridos, e deixaria um conjunto de curtos em que destacamos o primeiro e o segundo, os melhores da sua actuação e bem rematados, numa lide que ficou marcada pelas inúmeras intervenções dos peões de brega. No que foi quarto da ordem, um manso de solenidade, Moura esteve entregado e com vontade de deixar boa ferragem, destacando-se no quarto curto em que pisou terrenos de maior compromisso.

 

O maestro da Torrinha, António Telles houve-se a contento com o primeiro do seu lote, que tinha alguns problemas e pouca vontade de investir. Mas depois dos compridos da ordem, António assinaria um dos melhores ferros da noite numa poderosa entrada frontal e cravando de alto a baixo e como mandam as regras, mantendo o nível em mais dois ferros. No quinto da noite, que teve qualidade, António esteve em bom plano quer nos compridos quer nos curtos, procurando um toureio frontal, com quarteios bem marcados e deixando boa ferragem.

 

O terceiro da noite era um toiro de muita presença mas Luis Rouxinol cedo viu que tinha qualidades e um galope que permitia um toureio para o êxito que, uma vez mais, soube aproveitar, com muito mérito. Compridos à tira e boa brega para colocar o toiro antecederam uma série de curtos de muito boa nota, a sesgo o primeiro e bem de frnete nos restantes, não faltando um de violino, outro de palmo e um excelente par de bandarilhas a rematar uma excelente actuação. Exibição que viria a repetir no que encerrou praça e que fizeram dele o triunfador da noite.

 

Noite dura para os dois Grupos de Forcados Amadores: Santarém e Alcochete. Muita gente nova e a certeza de que em ambos os grupos há homens de valor para continuar a honrar as respectivas jaquetas e o nome do forcado amador. Os Amadores de Santarém abriram praça por intermédio de Luis Sepúlveda que, ao segundo intento, concretizou boa pega de caras, secundado por João Góis que à primeira e com o toiro a fazer o pino no final da viagem, consumou com eficácia. Finalmente, António Imaginário fechou-se com a habital determinação ao primeiro  intento. Os Amadores de Alcochete tiveram na cara do segundo da noite Pedro Belmonte que consumou rijamente à primeira, secundado por Tomás Vale que com grande espírito de sacrifício consumou à 4ª e a sesgo uma pega onde foi preponderante o primeiro ajuda Fernando Correia e, para encerrar praça esteve João Gonçalves numa boa pega de caras ao primeiro intento.

 

Os toiros de Passanha, com pesos entre os 470 e os 550 kilos, alternaram entre o manso e complicado (1º e 4º), os que cumpriram pelos mínimos (2º algo “mentiroso” , 5º e 6º) e um que teve muita qualidade e que saíu em terceiro lugar.

 

A corrida foi dirigida a meias por Pedro Reinhardt (critério pouco uniforme na concessão de música) e pelo estagiário Manuel Gama que cumpriu, sendo veterinário o Dr. José Manuel Lourenço.

BOM DEBUTE DE ROUXINOL JR EM TERRAS DO OESTE

01.07.12 | António Lúcio / Barreira de Sombra

Praça de Toiros em Torres Vedras -  30.06.12

Director: Pedro Reinhardt – Veterinário: José Manuel Lourenço – Lotação: cheia

Cavaleiros: Luis Rouxinol Jr

Forcados: Amadores de Santarém

Ganadaria: Passanha

 

O amador Luis Rouxinol Jr debutou em terras do Oeste e com êxito. Frente a um bom novilho de Passanha, o jovem cavaleiro esteve bem com os compridos, deixados à tira, e na série de curtos procurou deixar o novilho bem colocado para desenhar bem as sortes e cravar bons ferros, bem rematados e que o público aplaudiu. Terminou a sua actuação com um ferro em sorte de violino e outro de palmo sendo fortemente ovacionado.

 

Este novilho foi pegado à segunda tentativa por Lourenço Ribeiro, dos Amadores de Santarém.

Pág. 9/9