Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

LIBERDADES E PODER DE ENCAIXE

19.02.12 | António Lúcio / Barreira de Sombra

Muito se fala de direitos e de liberdades, de informação, de expressão, e de tantas outras liberdades e direitos. Só ao crítico tauromáquico são impostos deveres, ao que parece, e por experiência própria resultante da leitura de alguns e-mails e de outros comentários que recebo, pois direitos não lhe assistem.

 

Poucos têm a obrigação de ser didácticos e pedagogos, de ensinar, excepto o crítico tauromáquico. Este é o responsável pelo facto de tanta gente saber tão pouco de tauromaquia mesmo aqueles que sabem tudo, nunca se enganam e raramente têm dúvidas...

 

O crítico tauromáquico é o único que tem de ter poder de encaixe pois se os visados  por uma sua apreciação dela não gostam, ou os seus apaniguados e seguidistas, foi o crítico que esteve mal intencionado, que viu mal ou não viu, que tem outros interesses.

 

Já Ortega y Gassett escrevera que «a crítica é um sacramento de difícil administração». E é engraçado, ao mesmo tempo, que o crítico tauromáquico seja o único de entre os seus pares (entenda-se, de todos quantos fazem crítica ou análise) que tem que ensinar a ver e a analisar o fenómeno sobre o qual escreve ou fala. Sim! porque ninguém pede oa crítico de arte que explique as técnicas de pintura ou de escultura; ao de música, como é que se escreve música ou um poema; ao literário, que ensine como se escrevem livros, como se usam figuras de estilo, etc; ao de futebol, como é que se joga à bola, que tácticas se utilizam e porquê, e um sem número de étecéteras.

 

Na realidade, parece que para se ser crítico tauromáquico é necessário ser um grande pedagogo, um mestre-escola de primeiríssima categoria, e é essencial que se assuma o exercício de um sacerdócio com voto sagrado de não emitir opinião! No essencial, é obrigatório ter um grande, enorme, poder de encaixe e aguentar o que mais ninguém consegue aguentar.

 

“O ÚLTIMO FERRO” – HENRIQUE C. DIAS

19.02.12 | António Lúcio / Barreira de Sombra

 

Escolhi hoje este livro que contém 100 fotografias do grande cavaleiro que foi José Mestre Baptista, da autoria de Henrique Carvalho Dias, para homenagear nestes páginas as duas figuras. Baptista por tudo quanto representou, e ainda representa, na emoção do toureio frontal e ao pitón contrário, atestado pelo magnífico momento aqui retratado por Carvalho Dias, numa corrida em Albufeira a 10 de Abril de 1982. Que momento magnífico captou Carvalho Dias e que pena que os nossos toureiros não enveredem por este tipo de toureio. Mas, também é verdade, que Baptista só houve, este que por sinal nasceu em São Marcos do Campo a 30 de Maio de 1940 e que faleceu a 17 de Fevereiro de 1985 em Zafra (Espanha).

 

As palavras de Henrique Carvalho Dias, no único texto que este pequeno livro (apenas no tamanho) contém, são elucidativas do que os aficionados viam em Baptista.

 

“Mais do que palavras ficam aqui imagens vivas de um grande toureiro, de alguém que pelas arenas portuguesas passou como símbolo de arte e de valentia na nobre arte de caval­gar a toda a sela...

 

Jamais assomará sorridente,  à porta das quadrilhas.

A notícia abrupta do desenlace correu, na madrugada do passado dia 17 de Fevereiro... Um Fevereiro chuvoso e nevoento.

Em Zafra faleceu José Mestre Baptista, longe de casa, fora do seu País, mas singular­mente perto da terra onde nascera.

 

Parecia inacreditável! Um homem todo vida, desaparecer assim, de um momento para o outro! A triste realidade da morte... A asma que tanto o atormentava em vida foi o toiro que o vitimou, abafando o atormentado coração do toureiro que nos redondéis fora enorme e indomável.

A mais profunda tristeza, invadiu os amantes da tauromaquia, e não só, pois a sua imagem perdurará como figura inesquecível e popular, num caso raro a nível nacional, de um toureiro ser venerado fora do ambiente envolvente da Festa.

 

Recordo, com saudade, esses tempos, dos anos 60, quando competindo com João Nún­cio, montado no "Falcão" e no "Forcado", Baptista inaugurou um toureio diferente, todo feito de emoção e verdade. Entrava pêlos toiros dentro, ou citava de largo, quasi fazendo parar os corações de quantos o viam das bancadas, e, em delírio, lhe respondiam com as mais entusiásticas ovações.

 

Com Álvaro Domecq, travou grandes competições, obrigando o jinete de Jerez a animar--se e, por vezes, a apear-se e de muleta em punho acabar por lidar toiros, para assim, tapar actuações menos brilhantes. Foi contudo, com Luís Miguel da Veiga que formou, uma inte­ressante pare/ha toureando para cima de 500 tardes.

 

Todas estas razões e um conhecimento de perto do genial toureiro a quem me ligava uma enorme admiração e uma boa amizade justificam esta humilde homenagem. Registo assim neste pequeno livro, as imagens vivas do toureiro ilustre, fixadas pela minha objectiva em momentos significativos da sua carreira.

 

Saliento as suas últimas: O seu último ferro na Praça de Toiros de Évora a 6 de Outubro de 1984 que serve de título a esta brochura e a última ovação em vida - um plena praça, vestido de toureiro, numa triunfal volta à arena.

Descansai na paz de Deus,  meu bom e leal amigo

Henrique Carvalho Dias”

SOCIEDADE CAMPO PEQUENO PASSA A GERIR PRAÇA DE TOIROS DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO

17.02.12 | António Lúcio / Barreira de Sombra

 

A Sociedade Campo Pequeno enviou o seguinte Comunicado que passamos a transcrever na íntegra:

 

"A Sociedade Campo Pequeno, SA comunica que, por decisão da Mesa Administrativa da Santa Casa da Misericórdia de Sobral de Monte Agraço, datada de 16 de Fevereiro, será a concessionária da exploração da Praça de Toiros de Sobral de Monte Agraço nas temporadas de 2012, 2013 e 2014, com mais duas de opção.

 

A Sociedade Campo Pequeno, SA agradece desde já a confiança em si depositada e compromete-se a, tal como nas restantes praças que administra, a tudo fazer para elevar o prestígio e a categoria desta praça, com vista à defesa intransigente da tauromaquia, como veículo de cultura e tradição.

 

Lisboa, Campo Pequeno,  17 de Fevereiro de 2012"

 

 

DIA 6 DE MAIO REGRESSA À PALHA BLANCO A GANADARIA DE CANAS VIGOUROUX

16.02.12 | António Lúcio / Barreira de Sombra

Depois de uma temporada de inúmeros êxitos de público e artísticos, a Palha Blanco voltará a ser sinónimo de emoção e seriedade na temporada de 2012, e onde uma vez mais o toiro será indiscutivelmente a verdadeira chave dos espetáculos.

 

Assim, e no seguimento da emoção colocada na arena na temporada transata, a ganadaria de Canas Vigouroux regressará à emblemática Palha Blanco na primeira corrida de toiros formal – dia 6 de Maio pelas 17 horas – que ali se realiza, com um imponente curro de toiros de quatro e cinco anos de idade. Toiros sérios e de enorme trapío, tal como a Palha Blanco exige e o público merece. São seis verdadeiras estampas de toiro!

 

Tal como foi igualmente anunciado a temporada vilafranquense inicia-se no próximo dia 1 de Abril com um Festival Taurino no qual se irá comemorar o 80º Aniversário do Grupo de Forcados Amadores de Vila Franca e o 55º Aniversário da União Desportiva Vilafranquense, prosseguindo depois no dia 6 de Maio com a tradicional corrida de toiros à portuguesa. O Colete Encarnado também em ano de grande simbolismo – cumpre-se este ano 80 Anos da sua primeira edição – terá espetáculos taurinos nos dias 6, 7 e 8 de Julho, e para encerrar a temporada, a Tradicional Feira Taurina contará com três corridas de toiros nos dias 6, 7 e 9 de Outubro.

 

Espera-se pois mais uma temporada recheada de emoção numa praça que já conseguiu recuperar a sua identidade na tauromaquia nacional.

SANTARÉM INAUGURA TEMPORADA A 18 DE MARÇO

16.02.12 | António Lúcio / Barreira de Sombra

O cartel da Inauguração Oficial da Temporada 2012 na Monumental Celestino Graça está fechado: 3 jovens Cavaleiros em competição , Manuel Lupi, João Ribeiro Telles Jr e Salgueiro da Costa. Lidarão toiros de José Luis Vasconcelos Sousa D ´Andrade e as Pegas estarão a cargo da mais desejada competição entre Forcados: Amadores de Santarém e Amadores de Montemor. Os dados estão lançados para uma grande corrida cujo lema maior é a competição.

 

Lembramos que os preços dos bilhetes continuam a ser os mais baratos do Mundo.

 

Santarém sempre em Defesa da Festa Brava!

VI JORNADAS DA TERTÚLIA TAUROMÁQUICA DA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA DE LISBOA DE TERTÚLIA TAUROMÁQUICA FMV

15.02.12 | António Lúcio / Barreira de Sombra

 

Estando a Tertúlia Tauromáquica da Faculdade de Medicina Veterinária de Lisboa a organizar, em parceria com a AEFMV (Associação de Estudantes de Medicina Veterinária), as VI JORNADAS da Tertúlia Tauromáquica FMV, vimos por este meio divulgar esta acção de formação, que se irá realizar nos dias 9, 10 e 11 de Março.

Trata-se de um conjunto de palestras com a duração aproximada de 16 horas, em que iremos contar com a colaboração de profissionais de reconhecido mérito, ligados a esta actividade.


Com esta iniciativa, pretendemos dar continuidade aos objectivos a que nos propusemos no inicio deste projecto, procurando dar a conhecer a Festa e fomentando a afición dentro e fora da Faculdade. Não nos cingimos apenas à classe dos Médicos Veterinários e respectivos estudantes, mas pretendemos sim que estas jornadas tenham um público mais abrangente, estando por isso as jornadas abertas aos aficionados em geral.

Em anexo, enviamos o pré-programa do evento, bem como o cartaz provisório do mesmo.

Aproveitamos desde já para informar que as inscrições já se encontram abertas e podem ser realizadas através do seguinte link:

https://docs.google.com/spreadsheet/viewform?formkey=dFotUXBxeEZZcF9XVjRfUTA5MWVNT2c6MQ

O valor da inscrição terá o preço de 10 euros para sócios da tertúlia e de 20 euros para não sócios (Estes valores incluem documentação, coffee breaks e diploma de participação).

 

PRÉ-PROGRAMA DAS VI JORNADAS DA TERTÚLIA TAUROMÁQUICA DA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA

Dias 9, 10 e 11 de Março de 2012

 

ORADORES:

 José Cáceres – Estudo “O comportamento do Toiro dentro dos curros Vs em praça”;

 Prof. Luisa Mendes Jorge – Orgãos dos Sentidos (A Visão dos toiros)

 Prof. Luís Carvalho (FMV) – Parasitismo cavalo e toiro;

 Dr. Jorge Moreira da Silva (AMVAT) – Principais problemas no transporte dos toiros. Actuação do Médico veterinário numa corrida;

 Dr. Vasco Lucas – O problema da importação de toiros espanhóis, o papel da APCTL e o novo regulamento taurino.

 Diogo Costa Monteiro (PRÓTOIRO) – O papel da PRÓTOIRO na defesa da festa

 Dr. António Moraes – A história da Tauromaquia (Parte II)

 Dr. António Raúl Brito Paes – Características a seleccionar no toiro da actualidade. Selecção do cavalo de toureio.