Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

ALTERNATIVA DE TIAGO CARREIRAS QUINTA-FEIRA NO CAMPO PEQUENO

04.05.10 | António Lúcio / Barreira de Sombra

Em ambiente de grande expectativa, Tiago Carreiras vem quinta-feira ao Campo Pequeno tomar alternativa de cavaleiro tauromáquico, numa corrida que, contrariando rumores, não será televisionada.

 

Tiago Carreiras alcança nesta corrida uma das metas mais importantes da sua carreira artística, quando Joaquim Bastinhas lhe entregar a primeira farpa comprida e lhe ceder o primeiro toiro da corrida, elevando-o assim à categoria de cavaleiro de Alternativa.

 

Natural de Casa Branca, Sousel, Tiago Carreiras prestou prova para Cavaleiro Praticante no dia 7 de Julho de 2007, em Santo António das Areias.

 

Para avalizar a passagem de Carreiras ao escalão maior dos cavaleiros tauromáquicos, estará em praça Joaquim Bastinhas, um autêntico ídolo das arenas, um dos cavaleiros de maior carisma e prestígio das últimas décadas.

 

Como testemunha desta cerimónia, estará outro verdadeiro ídolo da afición de Lisboa, o rojoneador espanhol Pablo Hermoso de Mendoza, a maior figura do toureio a cavalo da actualidade.

 

Pegam os valorosos Grupos de Forcados Amadores de Évora e de Vila Franca, capitaneados respectivamente, por Bernardo Patinhas e Ricardo Castelo.

 

Serão lidados seis bonitos toiros da ganadaria espanhola de Fermín Bohorquez, cuja procedência actual é Murube-Urquijo.

 

 

PALHA BLANCO RECEBE FEIRA DE NOVILHADAS NO MÊS DE MAIO

04.05.10 | António Lúcio / Barreira de Sombra

Integrada na Federação Internacional de Escolas Taurinas, a Centenária Praça de Toiros Palha Blanco abrirá de novo as suas portas nos dias 15 e 16 de Maio para receber a II Feira de Novilhadas.

 

Depois do êxito alcançado na temporada transacta, a Tauroleve juntamente com a Escola de Toureio José Falcão anuncia um certame onde irão pontificar alunos de três escolas taurinas de Espanha (Madrid, Albacete e Salamanca) e uma proveniente de França (Nimes), que juntamente com os representantes da Escola de Toureio José Falcão de Vila Franca de Xira se irão colocar por diante de erales das ganadarias de Palha e Canas Vigouroux.

 

Estão pois lançados os dados para mais uma jornada de promoção ao toureio,

apelando-se a todos que os que amam a festa brava a sua presença no sentido de apoiar os jovens que nestes dois dias irão fazer o paseillo na Centenária Praça de Toiros Palha Blanco.

APRESENTAÇÃO DA ESCOLA DE TOUREIO JOSÉ FALC ÃO 2010 - CABO DA LEZIRIA VILA FRANCA DE XIRA

04.05.10 | António Lúcio / Barreira de Sombra

 

No domingo dia 2 de Maio de 2010, no Tentadero do Cabo da Leziria em Vila Franca de Xira, fez a sua apresentação para a temporada 2010 a Escola de Toureio José Falcão de Vila Franca de Xira.Para esta aula prática foi convidada a Escola de Badajoz, ambas as escolas através dos seus alunos tiveram momentos brilhantes.Sobe o comando dos Maestros Victor Mendes e Luis Reina e na lide de 3 erales de S.Torcato e com as bancadas do tentadero cheias, viveu-se uma manhã de muita paixão com os novos valores do toureio a pé.

 

CRÍTICO TAUROMÁQUICO PAULO BEJA DE LUTO

03.05.10 | António Lúcio / Barreira de Sombra

O nosso colega de crítica e particular amigo Paulo Beja está de luto pelo falecimento esta manhã do seu irmão Samuel Beja. Vítima de doença súbita, Samuel faleceu no Hospital Reynaldo dos Santos em Vila Franca de Xira e o seu corpo está em câmara ardente na casa mortuária do cemitério de Vila Franca onde o corpo será sepulatdo amanhã, dia 4, pelas 14h30.

À família enlutada apresentamos sentidas condolências.

 

TOIROS ESPANHÓIS, BANDARILHAS ESPANHOLAS... PARA QUANDO A CORRIDA INTEGRAL?

03.05.10 | António Lúcio / Barreira de Sombra

 

Nos últimos tempos, e por força das condições do mercado espanhol que não conseguiu esgotar os produtos que já vinha produzindo em excesso face à sua procura interna, temos assistido a uma invasão de toiros espanhóis nas corridas á portuguesa e que poderão funcionar como «chamariz» nas primeiras corridas mas que, num curto espaço de tempo (espero), farão enjoar a maioria dos adeptos da tourada á portuguesa pois os toiros não investem, não correm atrás dos cavalos e fartam-se de «malhar» nos moços de forcado. É que a maioria dos toiros que têm sido lidados em Portugal, destas ganadarias espanholas, têm 5 para 6 anos, sentido apurado dada a idade e as constantes mexidas a que são sujeitos, e não são castigados como em Espanha com os rojões ou com as puyas, no caso do toureio a pé para o qual foram genericamente seleccionados.

 

O valor pago pelos empresários por estes toiros, desconheço-o. Mas será, seguramente, bastante mais barato que o dos ganadeiros portugueses pois ao preço dos toiros há que somar as despesas de deslocação dos camiões a Espanha e que são muito superiores às distâncias que percorrem em Portugal. Os ganadeiros portugueses têm de estar atentos a este fenómeno se não quiserem ficar com os toiros em casa.

 

Mas também já nesta temporada e ainda antes da decisão da IGAC de autorizar as chamadas «bandarilhas de segurança» ou espanholas, já estas haviam sido usadas em alguns espectáculos a que assisti. Na verdade, que castigo proporcionam estes ferros aos toiros em que são utilizados? Em Espanha compreende-se o seu uso como «avivadores» após o castigo das varas ou dos rojões no toureio a cavalo. E em Portugal em que os toiros não sangram, não descongestionam como deviam? Os compridos, que deixam cerca de 30 centímetros de pau, não castigam o que castigavam e os curtos menos ainda pois rapidamente o pau cai para o chão como vimos na corrida do Cartaxo, o ferro penetra pouco e o castigo é quase nulo. Depois vemos toiros chegarem inteiros aos forcados e as consequências não se fazem esperar...

 

E já que andamos nesta espanholice toda, com toiros e bandarilhas à espanhola, será justo perguntar quando é que os aficionados portugueses à corrida integral vão poder assistir ao seu espectáculo preferido em Portugal? Sim, porque já só falta a sorte de varas e a morte do toiro na arena. Na verdade, quando é que os que somos aficionados ao toureio a pé na sua plenitude nos unimos e lançamos uma petição pública para que o assunto seja discutido na Assembleia da República pelos deputados que elegemos e que têm a obrigação de nos defender?

“SORRAIAS” LEVAM EMOÇÃO EM TARDE VENTOSA EM VILA FRANCA

02.05.10 | António Lúcio / Barreira de Sombra

Os toiros com ferro e divisa de Vale Sorraia foram uma aposta ganha em termos de apresentação e da emoção que levaram às bancadas, incómodos e com evidentes sinais de mansidão alguns deles, de muita qualidade o segundo da tarde e com muita presença o sexto da ordem e obrigaram toureiros e forcados a sacar de todos os recursos para lhes tentar dar a volta em tarde de muito vento e algum frio na cidade ribeirinha.

 

Paulo Jorge Santos esteve em bom plano na brega e na forma como procurou deixar o toiro em sorte, o que este nem sempre permitiu, mas com o cavaleiro vilafranquense a cotar-se com uma actuação interessante e com conteúdo, confirmado depois na lide do seu segundo. Mexeu bem no toiro e colocou alguns bons ferros, aplaudido pelo público.

 

João Telles Jr despachou de forma irregular os compridos e depois, com os curtos, foi em crescendo aproveitando as boas e codiciosas investidas do toiro, cravando bons ferros em sortes frontais, a procurar a reunião ajustada e a rematar. No que foi quitno voltou a estar em bom plano, com bons curtos, rematando a sua actuação com dois de violino e um de palmo entre os aplausos do público que preencheu pouco mais de metade da lotação da centenária praça.

 

Salgueiro da Costa andou algo precipitado com os compridos, procurando despachar a ferragem para, e já com os curtos, deixar alguns de boa nota e ter frente ao que encerrou praça os seus melhores momentos com os curtos numa série de seis em que dois deles tiveram muito mérito.

 

Tarde dura para os moços de forcado de ambos os Grupos. Pelos Amadores de Vila Franca Márcio Francisco fechou-se com segurança à primeira, tal como seriam as pegas dos seus companheiros Ricardo Patusco e Flávio Henriques. Os Amadores de Alcochete pegaram o segundo por intermédio de Vasco Pinto numa pega de grande classe e poder de braços para se aguentar com os derrotes, secundado por Nuno Santana à primeira a dobrar o lesionado João Pedro (2 tentativas falhadas) e José Vinagre a consumar à segunda no último toiro da tarde.

 

Direcção acertada de Manuel Jacinto com justa concessão de música, assessorado pelo veterinário Jorge Moreira da Silva. Após o intervalo prestaram provas para alternativa de bandarilheiro Joel Piedade e David Ferreira apadrinhados por João Boeiro.

OS PESOS DOS SORRAIAS PARA HOJE EM VILA FRANCA

02.05.10 | António Lúcio / Barreira de Sombra

Foi com um ambiente de enorme aficion e respeito pelo toiro, que o público presenciou no

final da noite  de ontem o desenjaulamento público dos toiros de Vale Sorraia que hojeã serão

lidados na corrida na Centenária Praça de Toiros Palha Blanco.

 

Uma inovação por parte da empresa Tauroleve que foi ganha indiscutivelmente, não só

porque deu a possibilidade ao público de observar na integra a imponência dos toiros de Vale

Sorraia, mas também pela forma extraordinária como o público entendeu as solicitações da

empresa, no qual a Tauroleve encarecidamente enaltece.

 

Num espectáculo que está anunciado para as 16h30, anunciam‐se os cavaleiros Paulo Jorge

Santos, João Telles Jr e João Salgueiro da Costa, estando as pegas aos imponentes toiros de

Vale Sorraia a cargo dos amadores de Vila Franca de Xira e Alcochete.

 

De seguida apresentamos os dados dos exemplares aprovados no reconhecimento

Ganadaria Número Peso

Vale Sorraia      50       550

Vale Sorraia      59       540

Vale Sorraia      60       575

Vale Sorraia      63       585

Vale Sorraia      64       505

Vale Sorraia      65       560

Vale Sorraia      66       500

Vale Sorraia      69       510

 

Foto:Pedro Batalha

TOIROS DE GANADARIA CENTENÁRIA EM ARRONCHES

02.05.10 | António Lúcio / Barreira de Sombra

 

A centenária ganadaria espanhola de Aguadulce será um dos grandes atractivos da corrida de toiros organizada pela empresa Toiros & Arena, na Praça de Toiros de Arronches, no próximo dia 26 de Junho, pelas 22 horas.

Os toiros da mitica ganadaria, fundada em 1892 pelo Marquês de Villagodio com vacas de Verágua e sementais de Trespalacios, passando a partir de 1917 a ter dois sementais de Santa Coloma. A ganadaria foi comprada em 1990 por D. Isabel Núñez, acrescentando 100 vacas de Carlos Núñez, que fazem a actual procedência da ganadaria, a qual é propriedade do sevilhano D. José Maria Aristrain. Esta ganadaria é presença assídua na Real Maestranza de Sevilla e debuta em Portugal, numa corrida que decerto irá causar grande expectativa.

A Empresa adquiriu dois curros de toiros deste ferro e o que irá sair em Arronches ultrapassará em larga escala os 600kgs, sendo a maior corrida lidada no Norte Alentejo, depois da histórica corrida dos Coimbra Barbosa em Nisa no ano de 2000.

Em breve apresentaremos os toiros e o cartel, numa corrida que está já a causar grande expectativa na região, devido ao êxito que a mesma empresa teve naquela praça no ano de 2009, ao apresentar um excelente curro de toiros de José Luís Pereda.

TOIROS MANSOS E COMPLICADOS PUSERAM TODOS EM SENTIDO NO CARTAXO

02.05.10 | António Lúcio / Barreira de Sombra

Os toiros de Prudêncio, com 4 anos, e com pesos anunciados entre os 480 e os 580 kg tiveram com denominador comum a mansidão e as investidas rebrincadas, com arreões, ora procurando colher ora  procurando fugir para a defesa junto a tábuas, com sentido, e colocando problemas a todos, de bandarilheiros a forcados passando pelos cavaleiros, deixaram todos em sentido até nas bancadas, sempre na expectativa do que poderia suceder a seguir. Não serviram para o êxito do espectáculo mas trouxeram emoção e perigo.

 

João Salgueiro esteve muito bem na brega frente ao seu primeiro. Cravou bem a ferragem da ordem, com destaque para os curtos mas seria no quarto da tarde que deixaraia dois dos melhores ferros da tarde, encurtando as distâncias e provocando a investida para cambiar no momento certo.

 

Vítor Ribeiro entregou-se para dar a volta ao seu primeiro e se esteve bem na brega não esteve ajustado na cravagem e os ferros pecaram todos por terem sido cravados já a cilhas passadas. No quinto da tarde esteve regular e o último curto em sorte frontal bem desenhada e com reunião justa foi o seu melhor.

 

Ana Batista esteve bem no primeiro, um toiro que saíu a fazer alguns “estranhos” e ao qual deu lide adequada com alguns ferros por dentro e com o toiro a  fugir para tábuas após o ferro. Foi decidida e corajosa nesta sua primeira lide. No que encerrou praça, cumpriu a papeleta sem delongas ante outro toiro que não facilitava.

 

Os moços de forcados de ambos os agrupamentos presentes – Santarém e Coruche – sentiram na pela a dureza de algumas investidas dos “Prudêncios” necessitando de 18 tentativas para consumarem as 6 pegas. Pelos Amadores de Santarém foram caras: António Imaginário à 2ª, Manuel Roque Lopes à 4ª e  António Grave de Jesus à 3ª. Por Coruche, abriu praça Pedro Galamba que só à 5ª e a sesgo conseguiu concretizar, seguindo-se Ricardo Dias à 3ª e José Tomás na pega da tarde ao primeiro intento no que encerrou praça.

 

Direcção acertada de Alberto Bartissol coadjuvado pelo médico veterinário Joâo Maria Nobre numa corrida que contou com cerca de metade da lotação preenchida.

Pág. 5/5