Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

47ª CORRIDA TV… ÊXITO REDONDO, NO REDONDO

08.08.11 | António Lúcio / Barreira de Sombra

 

Organizada pela Casa de Pessoal da RTP, a 47ª Corrida TV, voltou este ano à bonita Vila alentejana do Redondo. E o Redondo voltou a saber receber. A noite da passada Sexta-feira, dia 5 de Agosto de 2011, vai ficar na memória das gentes e do historial do Coliseu do Redondo. Pela qualidade do desempenho dos cavaleiros e grupos de forcados intervenientes. Pelo curro de toiros da ganadaria dos Herdeiros de Varela Crujo, que deram jogo e permitiram o brilho das actuações, naturalmente diferentes, mas que imprimiram um constante interesse, emoção e envolvimento do público, que esgotou o recinto.

 

Uma grande noite de toiros que foi possível seguir pela televisão. Um espectáculo tauromáquico que encheu ‘até à bandeira’. Uma noite emotiva para a cavaleira Ana Rita, que tomou alternativa, e que a quem tocou em sorte um exemplar a gosto, ao qual soube, com entrega e emoção, imprimir uma lide correcta, variada e empolgante. O remate, com o seu já conhecido ‘violino’, foi a cereja no topo do bolo, numa noite inesquecível. No brinde que comovido que fez à drª Ana Freixo, presidente da Casa de Pessoal da RTP, e organizadora do evento, Ana Rita não esqueceu o saudoso Senhor Manuel Gonçalves, que muito a apoiou e nela acreditou.

 

A 47ª Corrida TV, foi uma noite de festa. Um êxito redondo em que tudo correu de forma a preencher o que se espera num espectáculo de emoção, arte e valentia, como o é, ou deve ser, uma corrida de toiros. Na lide a cavalo, Manuel Jorge Oliveira, mestre e padrinho de alternativa de Ana Rita, a quem coube lidar o segundo da ordem, mostrou que quem sabe, sabe. Sem pressas, dirigiu a lide, montando, preparando e cravando, como só quem sabe o faz. António Telles, em noite sim, lidou e cravou com gosto, e ao gosto que o oponente impunha. Uma lide ‘Telles’, que ganhou aficionados para a sua ‘peña’. Luís Rouxinol, entrou para dar réplica, e replicou, ‘à Rouxinol’. Desde a preparação do primeiro da ordem, até ao par a duas mãos de remate, foi empolgante. A ‘porta gaiola’ que Tito Semedo queria para início da sua intervenção, não resultou. Resultou sim, em momento complicado, quando o toiro colheu o cavalo, e prendeu uma das patas numa das hastes. Mas isso não serviu para esmorecer o cavaleiro, que cravou de seguida um muito bom curto, a que se seguiram mais dois e um de palmo, para remate. E quem rematou bem a arte de lidar toiros a cavalo, foi Marcos Bastinhas. Com muita lição da ‘escola’ paternal’, Marcos, que tem já matéria própria para mostrar, fechou com chave de ouro esta noite memorável no Coliseu do Redondo.

 

Os três Grupos de Forcados – Cascais, Académicos de Elvas e o do Redondo, com intervenções nem sempre à primeira e fáceis, na diversidade de concretizações, todas meritórias, foram também um dos condimentos, por isso mesmo, para o êxito do espectáculo.

 

Dos trofeus em disputa tiveram como vencedores: - ‘Casa de Pessoal da RTP’ para a melhor lide, foi para o cavaleiro, Luís Rouxinol, ‘Câmara Municipal do Redondo’ para a melhor pega, o forcado Hugo Figueira, do G.F.A. do Redondo.

 

Dirigiu, com discrição e acerto, o senhor Ricardo Pereira, assessorado pelo senhor dr. Infante Ferreira.

 

Autor: José Andrade