Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

CHAMUSCA: UM BRAVO TOIRO DE MANUEL VEIGA NA TARDE DE ENORME CALOR

26.05.17 | António Lúcio / Barreira de Sombra

Praça de Toiros da Chamusca – 25.05.17 – Corrida Mista

Director: Francisco Calado – Veterinário: José Luís Cruz – Lotação: ½ casa

Cavaleiros: Filipe Gonçalves, João Maria Branco

Forcados: Amadores da Chamusca e Aposento da Chamusca

Matador: Paco Velásques

Ganadaria: Manuel Veiga

 

toiro 12.JPG

 

Um bravo toiro de Manuel Veiga, saído em quinto lugar na tradicional corrida de quinta-feira de Ascensão na Chamusca, com alegres e francas investidas de todos os locais da arena, carregando com classe após os ferros e humilhando nos capotes, foi o motivo de maior destaque de uma corrida onde o calor quase sufocante fez com que a mesma fosse atrasada 30 minutos. Manuel Veiga, ganadeiro goleganense, está de parabéns pela classe deste quinto toiro (volta à arena), e ainda pelas encastadas e boas investidas do que encerrou praça (chamada aos médios).

 

A corrida começou com uma lide em tom morno por parte de Filipe Gonçalves, o qual procurou interessar o toiro nas montadas para deixar a ferragem da ordem. No bravo quinto da tarde, esteve bem nos compridos e tem dois curtos de muito boa nota, a subir bastante o nível da sua actuação e outros dois em que deixou o toiro vir de largo em direcção à porta de curros que também tiveram impacto. Mudou de cavalo para os violinos e o de palmo e a actuação veio a menos. Foi o vencedor do “Troféu à melhor Lide”.

 

João Maria Branco teve duas actuações muito semelhantes, quiçá um pouco melhor na segunda, mas sem ultrapassar a fasquia do médio. Teve alguns pormenores nas preparações mas soube a pouco e pode, seguramente, muito mais.

 

De Paco Velásques esperava um pouco mais. Está pouco rodado e isso notou-se frente ao primeiro que exigia muito, porque sendo manso e com brusquidão nas investidas, por vezes deixava que lhe sacassem um ou dois muletazos seguidos. No bom, nobre e suave que encerrou praça, lanceou com algumas boas verónicas e a faena de muleta teve alguns bons naturais e outros derechazos, sempre incentivado pelo público. Precisa de tourear para se sentir mais repousado e relaxado.

 

Os Forcados Amadores da Chamusca pegaram os seus dois toiros à primeira tentativa, belas pegas de caras, a cargo de Hélder Delgado e Igor Rabita, os quais citaram e reuniram muito bem e com o grupo a ajudar bem. Pelos do Aposento da Chamusca, muito bem à primeira João Rui Salgueiro e Francisco Barreiros a consumar à segunda com enorme decisão e raça (esteve fora da cara mas nunca se largou) aguentando derrotes e uma viagem larga do toiro com o grupo a sentir alguma dificuldade para o parar. Venceu o “Troféu para a Melhor Pega”.

 

Na direcção da corrida esteve Francisco Calado, com pouco critério na concessão de música, assessorado pelo veterinário José Luiz Cruz.